Entrevistas

ALTÚ PÁGÁNACH – …Dormindo sob as estrelas de Alqualondë, o universo Tolkieano cantado pelo Altú Págánach…

O Altú Págánach é um projeto cujo o intento é homenagear o universo que o mestre JRR Tolkien criou, conversamos com o mentor desta obra, o intrépido “Maleficarum T. I. Typhonis”, que, nesta entrevista nos conta sobre a história musicada e todo o conceito quem envolve a origem da Altú Págánach, e, revela também o fim para 2020… “Thirty Years in Thangorodrim”, confiram.

Altú Págánach, Foto por: Divulgação

E ai meu amigo Pedro “Maleficarum T. I. Typhonis”, como tá essa força? Bom, para iniciarmos, gostaria que você fizesse um breve relato do Altú Págánach, creio que o mesmo foi idealizado em 1999 mas, somente em 2001 que o projeto veio a consolidar-se…

Maleficarum T. I. Typhonis – Saudações meu amigo por aqui tudo bem meu caro, gostaria de lhe dizer que para mim é uma honra participar de uma entrevista com você, muito obrigado.
O projeto iniciou em 1999 quando se chama “Urben Lord”, one man band onde eu tocava Raw Black Metal com algumas influências Folk e do universo de JRR Tolkien mas misturado ainda com o velho Black Metal tradicional, até que no final de 1999 eu vim a conhecer uma banda que se chamava “Vordven” que mudou minha concepção de músicas em homenagem ao mestre J.R.R.T. Em 2001 eu decidi então dedicar na íntegra do projeto a temática do vasto universo de Tolkien, a partir daí o projeto passou a se chamar “Altú Págánach” e desde então o projeto explora estritamente o mundo do grande mestre John Ronald Reuel Tolkien. Desde então todos os meus materiais lançados são exclusivamente voltados para este estilo e assim segue até hoje.

Você denomina a sonoridade e o estilo do Altú Págánach como “Tolkien Black Metal”, então, convém destacar que o as influencias são única e exclusivamente os contos Tolkieanos? E, no início creio que o estilo “Folk Black Metal” era um pouco confuso para alguns, visto que haviam poucos projetos trilhando este caminho, aliás, os “one-man-band” eram muito pouco divulgados.

2003 – The Older Alliance “Full-length”

Maleficarum T. I. Typhonis – Altú Págánach toca Tolkiean Black Metal, um estilo que se iniciou em meados de 1993, ano em que Silenius (Michael Gregor), Protector (Richard Lederer) e Trifixion (Alexander Trondl) criaram a lendária horda “Summoning”, a maior influência da Altú Págánach. No início, o estilo que eu tocava era quase desconhecido, no Brasil na época estava muito em alta, além do Black Metal tradicional, o Symphonic Black Metal e Vampiric Black Metal, parte disso se deve pela MTV Brasil que passou a dar uma atenção especial a esses estilos em ascensão no país e começou a divulgar clássicos como “Lilith`s Embrace” do Ancient e alguns clipes do Cradle e Dimmu Borgir em seus programas específicos para o metal extremo. O Folk Black Metal por outro lado não era valorizado e pouquíssimo divulgado aqui no Brasil ainda, claro com poucas exceções.
Na época tudo era mais difícil, para se adquirir um CD tinha de enviar selos postais para a gravadora/distro, eles te enviavam o catálogo. Você escolhia o CD, ligava confirmando se tinha ainda em estoque, depositava o valor na conta da gravadora e enviava via Fax o comprovante, era tudo diferente então os estilos que não tinham notoriedade, passavam despercebidos. Mas sinceramente, sinto muita falta dessa época, correspondências por cartas e cada som que você adquiria tinha um valor sentimental fortíssimo. Depois surgiu o Napster e fodeu com tudo. Hoje em dia, no Youtube se consegue ouvir qualquer coisa, muita coisa mudou, lamento por isso.
Nessa época, quando eu estava começando a ouvir Black Metal eu era perseguido por um cara gordão mais velho denominado “Lord Asmodeos” da extinta banda “Lord Paymon”, por isso, na introdução do meu CD “15 Years. The Complete Discography” de 2016, que reúne só material antigo, na faixa 1, introdução que foi feita em 2003 se você prestar atenção exatamente no tempo 00:33 para 00:34 segundos você irá ouvir a mensagem em meio as vozes dizendo “Foda – se Lord Paymon”. Ele era um mocorongo, mas tinha atitude. Respeito isso.

Que onda da peste, kkkk! Falando nisso, antigamente haviam mesmo essas perseguições, e, na maioria esses “radicais” hoje em dia nem mais curtem som underground. E, sim, era uma festa quando você conseguia um som, uma demo tape, aliás, era muito mais valorizado. Você tem controle/noção de quantas tapes e cds demos a Altú Págánach divulgou? Digo, a divulgação no formata analógico foi satisfatória até os dias atuais?

2016 – Tolkien Legacy “Full-length”

Maleficarum T. I. Typhonis – Antigamente o som valia muito. Conseguir uma raridade era motivo de comemoração, eram tempos bons que não voltam mais infelizmente, hoje em dia a nova era tecnológica e da estreita comunicação as coisas se tornaram muito fáceis, perderam o valor. Desde 1999 todo material que eu lancei foi em tiragem muito restrita muito pequena. Eram K7, CDr e CDr Pro, todos em tiragens de 25 a 50 cópias, geralmente numeradas. Apenas em 2015 que foi lançado o primeiro CD, denominado “Walking” pela Tolkiean Records.

Olhando a discografias do Altú Págánach, entre demos, eps, cds e comps, são 27 trabalhos lançados até o presente momento, aliás, o mais recente “Sleeping Under Alqualondë Stars” foi lançado por seu selo, o Tolkiean Recs, e também foi lançado uma versão tape, via Unholy War Prod.

Maleficarum T. I. Typhonis – O “Sleeping Under Alqualonde Stars” foi o último álbum do projeto lançado em 1º de janeiro de 2019, faz parte de uma coleção de 2 CDs sendo que o segundo será lançado em 2020 denominado “Thirty Years in Thangorodrim”, que continua a história dos Noldor, Fëanor e seu filho Maedhros e sua atormentada trajetória na busca das Silmarills para cumprir o juramento de seu pai .

Achei interessante neste CD o que os contos relatamos acontecimentos em “Porto dos Cisnes”, uma cidade do universo Tolkieano, como se deu a concepção das músicas e a escolha das mesmas para que seguissem o dialogo conceitual?

2017 – Under the Ground “Full-length”

Maleficarum T. I. Typhonis – Sleeping Under Alqualondë Stars relata a trajetória dos Noldor e seus ocorridos. O nome “Dormindo sob as estrelas de Alqualondë” remete ao massacre ocorrido contra os elfos Teleri, o primeiro fratricídio de elfo contra elfo relatado no livro “O Silmarillion”. Mas toda a trajetória dos Noldor está sendo lançada em 2 CD´s, sendo que o segundo CD será lançado no próximo ano. Neste novo álbum que completará esta coleção de 2 CDs, se passa na mesma época dos ocorridos de “Sleeping Under Alqualondë Stars” e voltados para estes acontecimentos, inclusive suas músicas se encaixam entre os dois CDs. O nome “30 Years in Thangorodrim” remete a Mhaedros, filho de Fëanor, que ficou pendurado por 30 anos sob o abismo de Thangorodrim, preso por uma corrente ao punho.

O Split CD com o Land Of Fog, o “Through the Storms of Time” é um CD muito bom, com uma pegada bem crua e viajante, na veia de bandas frias e viajantes…, como se deu essa parceria para lançar este CD?

Maleficarum T. I. Typhonis – Parceria forte com o grande irmão Fernando Troian que resultou nesta obra prima! A arte ficou por conta da lenda Marcelo Vasco que fez aquela arte taciturna e sombria como foi feito. O cara é monstro, a arte dele não tem noção é um absurdo de foda. Concordo com você o CD ficou frio, viajante e com aquele épico atmosférico.

No CD The Wizard, é relatado a temática da grandiosa trajetória de Radagast, este foi lançado após o “Under The Ground”, quais seriam as peculiaridades deste CDs?

Maleficarum T. I. Typhonis – O CD “The Wizard” foi lançado em 2018 em parceria com uma das maiores referências que eu tenho dentro da cena nacional em termos de profissionalismo, sabedoria e de representar forte cena, o mestre Sergio Douglas, vulgo “Barão” da monstra Cold Art Industry. Tive a honra de lançar junto com ele o “The Wizard” que é um álbum que mantêm as velhas tradições da Altú Págánach com um som bem transcendental. O puro Black Metal Tolkeano cru e seco com elementos épicos. Conta a trajetória do Istari denominado Radagast O Castanho, assim que ele chegou a Terra Média, inclusive na introdução do CD é exatamente os primeiros minutos dele na Terra Média, ainda perdido em meio as árvores em uma noite chuvosa, até que uma criatura começa a o perseguir e ele corre por um longo período.
O Under The Ground lançado em 2017, já abrange um contexto voltado para a Terra Média na época em que se encontra no livro Silmarillion bem resumida em um capítulo denominado “Dos Anéis do Poder A Terceira Era do Sol”.

2019 – Sleeping Under Alqualondë Stars “Full-length”

Além do Thorny Woods, você chegou a participar de mais alguma horda?

Maleficarum T. I. Typhonis – Thorny Woods foi criado pelo Douglas (Gaunt Beast) e por mim também em 1999 na época se chamava TËMNE NECA, que significa “Floresta Negra” em russo, quem ajudou na criação deste nome foi uma russa que morava na minha casa de nome Natasha. Posteriormente em 2001 passou a se chamar Thorny Woods. O projeto então contou com mais um membro, Domminus Nox Umbria e assim foi lançado a demo tape “Amongs Trees”. A Thorny Woods lançou materiais até 2010 em um álbum Split denominado United Blasphemies, lançado pela gravadora DNA Records qual eu fiz o vocal limpo das músicas. Além da Thorny Woods eu participei do projeto Inebrians Cultus que surgiu em 2001 e durou até 2004 e antes de tudo eu fiz parte de um projeto denominado Dark Saga em 1998, junto com Cernunnos grande guerreiro da minha cidade que inclusive esteve comigo na Altú Págánach em 2003 no lançamento do clássico “Lughnasad”. Excelente músico e grande pessoa! Porém sempre tive a vocação de lobo solitário e me direcionava sempre para as produções sozinho e à medida que fui sentindo o quão prazeroso é criar tudo sozinho como One Man Band nunca mais quis fazer mais nada em conjunto.

Creio ser tudo por hora meu nobre amigo Pedro. Fique à vontade para relatar algo mais que tenha interesse, valeuz!

Maleficarum T. I. Typhonis – Gostaria de te agradecer meu nobre irmão pela entrevista, lhe digo que para mim foi uma honra. O ano de 2020 o mundo se aprofundará ainda mais em uma era tecnológica que a Altú Págánach não fará parte. A velha essência dos antigos costumes e tradições se dissipam com a explosão de informação e comunicação, onde tudo perdeu seu sentido. Diante disso, “Thirty Years in Thangorodrim” será o último trabalho da Altú Págánach, encerrando assim seu ciclo e não fazendo parte da nova era tecnológica. Agradeço a todos os irmãos e guerreiros que acompanharam essas odes. Um grande abraço meu irmão! HAIL!!!

Contatos: altupaganach@gmail.com
Email: altupaganach@gmail.com
Rede Social: https://www.facebook.com/altupaganach/

Mostrar mais

Hioderman ZArtan

Editou os zines "Anaites" e o "Guerreiros Zineiros". Designer gráfico Underground e mentor do Anaites Records.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar