Resenhas - LPs/Cds/K7sStormy News

AWAKE THE MIGHTY DRAGON – Lord of Oblivion

CD 2020- Mecctesco Rex - Nacional

Assim que tive a notícia do lançamento deste material, me veio à mente lembranças de outrora, quando a banda AWAKE THE MIGHTY DRAGON  surgiu lançando sua DT “The Original Sin”. Um ano antes, mantinha contato por carta com a banda BEYOND THE SANITY, quando depois de um longo período  de silêncio,  recebo uma carta do amigo Antonio Carlos, agora com o pseudônimo de Iced,anunciando o surgimento da AWAKE THE MIGHTY DRAGON. Esse lançamento além de ser um resgaste da DT acima referida, marca o retorno dessa excelente banda de Epic Black Doom Metal com a formação original, diga-se de passagem.

Particularmente tiro meu chapéu para as composições da banda. É algo que realmente me agrada. Uma sonoridade rica e feita com grande maestria.  Interessante é constatar que a banda satisfaz tanto quem já conhecia de tempos atrás como à um pessoal mais novo que chegou na cena pós década de 90. Ao apresentar as músicas a uma pessoa que desconhecia a banda, ouvi o seguinte: ” Fodaaa! Atmosfera incrivelmente linda.”, “Muito bommmm. Achei muito foda mesmo.”   Os caras agradam  gregos e troianos.

“Lord of Oblivion”  é um material onde encontramos a DT  “The Original Sin” de 1999, a faixa ‘The Gift of Darkness’  que saiu na saudosa coletânea “Southern Warrior`s Cult # 02” e mais duas faixa inéditas gravadas entre 2017/2019.

O CD inicia com as duas músicas inéditas: ‘Night’s Name‘ e ‘Lord Of Oblivion’.  São faixas que nitidamente demonstram que a banda não perdeu sua identidade. A mesma pegada de outrora com um clima fúnebre e um teclado comandado por Offensus extremamente atuante nas músicas, sendo umas das características mais marcantes na sonoridade da banda. Bases cadenciadas e solos bem arranjados enriquece ainda mais a qualidade em questão, completado pelos vocais de Dracul (guitar) e e Arcano (bass), num dueto entre vocais rasgados e limpos. Me peguei batendo cabeça sem parar ouvindo ‘Nights’ Name’ enquanto já dava continuidade a agitação quando se inicia ‘Lord Of Oblivon’. É uma continuidade da primeira música. Bases e teclados criam uma melodia e um clima fantástico. Algo ali me faz lembrar a velha escola do Black Metal grego. Trechos cadenciados com muito teclado e vocais diversos.

Em seguida relembramos as músicas da demo tape, num saudosismo e tanto, como ao iniciar ‘Thorns Over God’ entre dedilhados e um vocal podre acompanhado do já bastante destacado teclado, que é considero a alma dessas canções. É uma faixa com mais velocidade e onde o baixo tem seu destaque junto com a bateria de Bloody. A bela ‘The Serpent’s Chant’ se inicia com uma célebre frase da escritora Anne Rice, muito conhecida pelo livro Entrevista com um Vampiro;  “Deixe a carne instruir a mente”(tradução livre). Uma música para bater cabeça e vibrar com o clima que ela impõe…uma sinergia entre a harmonia do Doom Metal e as vociferações típicas do Black Metal, finalizado nos últimos minutos com um vocal feminino da convidada Noemy Carla! ‘ …Ao Anoitecer”, única faixa em português, tem a letra retirada do poema de Charles Baudelaire “Le Litanies de Satan”. Teclado e baixo iniciam a faixa num peso e clima tenso, bateria marcando enquanto guitarras e vocal entram dando sequência ao ar soturno e diabólico dessa faixa.  Por fim, fechando esse magnífico trabalho, terminamos com ‘The Gift of Darkness’. Nada mais representativo para definir o que esses caras fazem. Música bem orquestrada, um cadenciamento junto com um vocal visceral, cheio de ira. É fudido demais isso aqui! Pura nostalgia. Uma música muito bem feita que deixou o nome da banda marcada com destaque na coletânea  Southern Warrior`s Cult junto com bandas como INFERUS, HECATE, SUCCORBENOTH, KAZIKLU BEY..

Não sou de dá notas, mas esse trabalho não posso deixar passar em branco: 10/10.

E agora me deem licença, pois o dia é de tomar licor aqui no Nordeste, celebrando a decapitação de João Batista e sua cabeça numa bandeja,  ouvindo esse álbum de novo, e de novo, e de novo….

 

 

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar