Resenhas - LPs/Cds/K7s

AXECUTER – Surrounded By Decay

VSF Records - Nacional

Desde a primeira vez que ouvi falar nesta banda, seu nome sempre soou bem interessante pra mim, uma mistura de duas palavras que ficou realmente muito bom e que tem sentido e traduz bem a proposta destes malditos. Axe (Machado) + Executer (Executor), o que me faz lembrar sempre ao ler, aqueles chacais com machado nas mãos prestes a degolar os infiéis e posers sem misericórdia e lhes dando um final definitivo.

A sonoridade destes caras realmente faz jus ao seu nome, pois é violento como o metal tem que ser, sem enrolação e sempre muito direto. E neste segundo álbum que demorou seis longos anos para sair, esses chacais vieram com força total, com muita vontade de não deixar pedra sobre pedra no underground brasileiro.

A capa é realmente uma volta no tempo, pois sua imagem de um headbanger trajando sua vestimenta típica com cinturão de balas e a surrada jaqueta jeans com um backpatch do Exciter já nos alerta para o que vamos encontrar aqui.

E o que encontramos não decepciona, de cara ouvimos uma mistura clássica e muito bem feita do glorioso speed, thrash e heavy metal calcado na imortal velha escola. Música feita de headbangers para headbangers, não menos que isso.

A primeira faixa que intitula o CD, Surrounded By Decay, ouvimos passos apressados que logo ouvimos uma corrida de alguém que esta sedento pelo verdadeiro metal, e ao entrar em um recinto e fechando a porta dá de cara com riffs muito bem executados. Uma intro empolgante que nos remete de fato ao glorioso metal tradicional, a origem de onde tudo que louvamos começou.

E apesar das músicas definitivamente terem em suas essências o velho espírito, a gravação deste material é muito bem feita, a qualidade aqui é de deixar qualquer um boquiabertos. E isso pra mim foi um fator que me chamou a atenção, pois é uma banda que consegue passar o seu recado com muita originalidade sem deixar de lado a ótima produção.

Por que mencionei a altíssima qualidade acima? porque a faixa Rise And Fall é uma música que nos transporta de fato para os anos dourados, a inigualável década de 80, onde no meu ponto de vista será uma década insuperável.  O peso dessa música aliada a velocidade peculiar do estilo, faz desta uma das melhores de todo álbum.

E destaco também as faixas Separate Ways com sua cadencia e bumbos incessantes, bases feitas pra balançar a cabeça sem dó. E claro! seus solos de virtuosos que impressionam mesmo. Em Darkness In Bottles notamos que o verdadeiro heavy metal corre nas veias destes maníacos, essa música com suas passagens ora cadenciadas e ora rápidas elevam este material a um patamar tão alto, que o torna um lançamento prestes a figurar entre os melhores deste ano. E falando também do trabalho de baixo nesta faixa que dá um toque todo especial.

E ao adentrar na faixa Dying Source, uma certa melancolia nos toma de assalto com um belo dedilhado, e, como um soco na cara sem piedade vem uma brutalidade desgraçada, peso, peso, peso… vocais furiosos mesclados a uma música que se destaca muito pelas suas passagens old thrash metal e com partes de suas guitarras cavalgadas e algumas vezes bem tradicionais.

Realmente valeu apena estes 6 anos de espera, e vale ressaltar que a evolução como músicos é notório, comparando o seu primeiro álbum com este fudido trabalho… você que ouviu a de concordar comigo, e você que não ouviu com certeza perceberá.

E voltando a falar de violência e velocidade sem deixar de lado o peso… vem Collecting Enemies, que inicia como tanque de guerra devastando tudo, ou melhor, uma metralhadora atirando à velocidade da luz matando tudo que estiver vivo. E espero nunca ser um inimigo destes caras… pois eles realmente não tem a mínima misericórdia  em sua música. E entre sua letra onde mais parece um desabafo eles falam: “Join My Hate List”, bom… prefiro ser amigo!!!

E este CD não alivia em um só momento, Darwin Was Right com suas bases frenéticas e incursões de vocal gutural em seu refrão, sentimos que a coisa aqui está ficando cada vez mais bruta. Metal In Wrong Hands com suas incursões pesadas da bateria junto às cordas faz dessa música uma das mais diferenciadas do álbum, mas mantendo a mesma essência. E sua  letra é uma machadada naqueles que envenenam o nosso underground, “Underground will survive despite your vanity… On your pedestal lies only your hypocrisy… I don’t want to join forces… My respect for you is zero.” …Preciso falar mais alguma coisa?

Spend The Dollar é uma composição espetacular, onde sentimos o Danmented vomitar ódio, sim, essa foi a sensação que tive ao ouvi-lo cantando essa música. E que ficou muito bom, pois deixa essa composição ainda mais empolgante e que combinou com toda sua execução.

E para finalizar vem a intrigante Passage Back To Hell, onde em seu instrumental ouvimos melodias mais lentas, que nos transporta para velhos mestres como Dio e até mesmo Black Sabbath. De fato essa a faixa é a mais voltada ao metal tradicional  e ainda muito mais ao ouvirmos o solo de baixo que logo é substituído com guitarras definitivamente sabáticas. E ainda assim percebi em certas partes uns toques do velho Maiden e por incrível que pareça também velho Running Wild.

Uma ótima faixa que me fez repetir várias vezes, e que no meu ponto de vista não poderia haver escolha melhor para fechar este artefato violento. Este novo trabalho do Axecuter é uma obra fundamental na coleção de todos que tem o verdadeiro metal como essência de vida.

Mostrar mais

Luis Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar