EntrevistasStormy News

BLACK ALTAR – Adoração ao Interminável Cálice de Sangue

"Esfreguem os corações de seus inimigos no Altar Negro!"

 

(ENGLISH VERSION CAN BE CHECKED AFTER THE PORTUGUESE ONE.)

Conversamos com Shadow, a mente pensante da banda BLACK ALTAR.  Já com 24 anos nos caminhos tortuosos do Metal Negro, o mesmo nos conta sobre o novo lançamento, bem como, seus outros projetos e seus pensamentos sobre cena, bandas e ideologias. Confiram:

Split Black Altar/Kirkebrann – julho/2020

Você acabaram de lançar o videoclipe da música “Deus Inversus” que sairá num split. É a terceira banda norueguesa que compartilham um trabalho. Como aconteceu a parceria com a banda KIRKEBRANN para lançar o split? Como foi elaborado o conceito da arte da capa e quem é o responsável?

Hailz! A ideia de fazer esse split nasceu durante uma conversa com um membro da banda norueguesa SVIKT, que estava mixando o próximo álbum do KIRKEBRANN. Mencionei que estava procurando uma banda valiosa para o split, e ele propôs o KIRKEBRANN. Eles concordaram de bom grado. Nestor Avalos é responsável pela capa, que eu acho que se encaixa bem com o conceito de split.

Percebi que nessa música a bateria foi gravada por Lars Brodesson (ex-MARDUK), baixo por Mauser (EX-VADER) e também houve participação de Alexandros do MACABRE OMEN nos vocais. Como a banda está  formada atualmente?

Sim, além deles, a talentosa vocalista Lilly Kim adicionou seus vocais. Todas essas pessoas, exceto Mauser, apareceram como membros da sessão. Além de mim e ele, eu tenho uma formação completa composta por baterista e segundo guitarrista, além de vocalista de sessão que me apoiarão durante os primeiros shows da banda.

Formação 2013.

Ainda falando sobre o novo vídeo, há vários pontos interessantes. Primeiro, quem é o Behemoth-X e qual é o seu segmento no ocultismo?

Behemoth X é um ocultista de caráter mundial que tem seu canal popular no youtube, no qual filma seus rituais, entrando em contato com demônios. Sou muito grato a ele por ele ter concordado em compartilhar seus materiais no vídeo.

Alguns fragmentos do filme “The Heretics” enriqueceram muito o vídeo. Além disso, uma imagem chamou minha atenção: Kali, de Johfra Bosschart. Qual o motivo da introdução desta imagem no vídeo? Apenas por impacto visual ou representa algo mais?

Além dos fragmentos mencionados, o vídeo apresenta várias divindades do caminho da esquerda e analogias entre elas. A imagem da qual você está falando foi inserida pelo autor do videoclipe, mas acho que ela se adapta ao restante do conceito.

Entre sigilos e imagens ocultas no vídeo, vejo uma aclamação a ALGOL, a estrela demoníaca. Os estudos astrológicos fazem parte do conteúdo lírico da banda?

Particularmente, estou interessado em horóscopos e no impacto de planetas em seres humanos e eventos. Meu pai é autor de vários livros populares sobre o assunto. No entanto, isso não afeta a letra do BLACK ALTAR.

Foto por: Damien Carter

“Black flame of Iblis …”. Na teologia islâmica, Íblis corresponde ao diabo da teologia cristã. Falando de religião, qual a sua opinião sobre os países onde a religião tem um papel fundamental no controle da política e da vida social de seus habitantes?

Como você provavelmente sabe, tenho uma opinião muito negativa. É a escravidão do indivíduo e sua liberdade. Eu sei um pouco da prática porque a Polônia é um país muito católico, onde muitos costumes e até instituições estão subordinadas à igreja. É claro que, nos países islâmicos, a situação parece pior, mesmo ouvir Metal lá pode representar um risco de prisão.

O BLACK ALTAR se originou na Polônia, mas hoje, se não me engano, é sedeado na Inglaterra. Quais são as principais diferenças que você notou no Black Metal feito nesses dois países? Musicalmente e em cena em geral.

É isso mesmo, mudei-me da Polônia para a Inglaterra, Londres há quase 6 anos. Certamente a cena na Polônia é muito mais extrema, embora a tendência pós-Black Metal também seja muito popular recentemente. Na Inglaterra, no entanto, coisas menos extremas são muito mais populares, com influências góticas no estilo CRADLE OF FILTH ou bandas melódicas. No entanto, existem muitos metalheads da Polônia e de outros países que equilibram essas tendências.

Split Black Altar/Varathron/Thornspawn

Shadow, além do BLACK ALTAR, você tem os projetos KRIEGSGOTT e o RAUS!. Conte-nos um pouco sobre eles. Como são suas músicas e temas?

KRIEGSGOTT é o meu projeto solo muito antigo, no qual eu toco um Black Metal simples e cru com letras sobre guerra. Considero RAUS!  um projeto Industrial Black Metal com influências industriais marcantes e que fundei com Aro da PERUNWIT / LORD WIND/GRAVELAND. Eu lancei meu mini-álbum de estréia como um split com o PERUNWIT e com isso eu queria terminar sua atividade, mas recentemente muitas pessoas perguntam sobre novos materiais, então talvez um dia um álbum completo seja gravado.

A pandemia que assola o mundo, com a covid-19, trouxe muitos problemas à sua gravadora, Odium Records? Ainda sobre o Covid-19, o que você acha desse momento que estamos passando?

Isso não afetou me afetou ou a minha atividade musical. Pessoalmente, esse período combina comigo muito bem e traz um pouco de relaxamento. Na minha opinião, todo esse pânico e restrições impostas foram muito exageradas. Vamos ver como será a situação.

Você conhece alguma banda de Black Metal do Brasil? E quais bandas no mundo atualmente indicam aos nossos leitores?

Conheço EVIL, GOATPENIS, MYSTIFIER, MURDER RAPE e alguns outros cujos nomes saíram da minha cabeça agora. Desde as últimas notícias de lançamentos, a maior impressão para mim foi a do álbum de estréia do grego HAXANDRAOK (com um membro do ACHERONTAS) e do debut do finlandês BYTHOS.

O que mudou na identidade da banda desde o lançamento do primeiro DT “Na uroczysku ..” em 1998?

A música na demo “Na Uroczysku …” era completamente diferente do que apareceu mais tarde. Pode-se dizer que o estilo apropriado do BLACK ALTAR foi formado no álbum de estréia, que foi bastante avançado tecnicamente e, ao mesmo tempo, selvagem e brutal. No entanto, o entusiasmo e a paixão pela criação permaneceram inalterados. Essa chama ainda está queimando em mim, assim como no começo.

BATHORY e MAYHEM. Qual a importância dessas duas bandas para o BLACK ALTAR?

A música deles não influenciou o BLACK ALTAR para ser sincero, mas pessoalmente eles são bandas muito importantes para mim, principalmente as primeiras gravações, porque as coisas posteriores não me atraem tanto.

Suicídio é salvação? *

Talvez. Não é para mim, mas entendo que alguém pode tomar essa decisão por vários motivos.

*(a pergunta surgiu devido ao nome do EP “Suicidal Salvation”)

Você faz parte de alguma corrente que segue o caminho da mão esquerda? Pode nos apresentar.

Estou estudando o caminho draconiano da mão esquerda. Estou próximo de Temple of Ascending Flame e Dragon Rouge, mas formalmente não pertenço a lugar algum.

Há algum tempo, muitos criticam algumas bandas europeias por infidelidade ao Black Metal e Death Metal. Eles dizem que na Europa muitas bandas tocam em qualquer festival sem se preocupar com quem dividirá o palco. Bandas nazistas, bandas de White Metal e bandas de Black / Death Metal dividindo o mesmo palco. qual e sua opinião?

Eu acho que não é só a Europa, existem bandas por toda parte agindo assim. Esta é uma abordagem individual. Pessoalmente, eu não tocaria em um show em que a maioria das bandas seriam aleatórias e não conectadas à ideologia.

Obrigado por ouvir nosso chamado. Deixe seus comentários finais aqui.

Muito obrigado pela interessante entrevista. Esfreguem os corações de seus inimigos no Altar Negro!

“DAEMON EST DEUS INVERSUS. NON SINE NUMINE.MAGNUS IMMUNDUS ETERNUS”.

Confiram abaixo o último vídeo lançado:

We talked to Shadow, the thinking mind of the band BLACK ALTAR. Already 24 years old on the tortuous paths of Metal Negro, he tells us about the new release, as well as his other projects and his thoughts on the scene, bands and ideologies. Check it out:

Split Black Altar/Kirkebrann – july/2020

You just released the music video for “Deus Inversus”. It is the third Norwegian band to share a job. How did the partnership with the band KIRKEBRANN happen to launch the split? How was the concept of the cover art made and who is responsible?

Hailz! The split idea was born during a conversation with a member of the Norwegian SVIKT who was mixing the upcoming KIRKEBRANN album. I mentioned that I was looking after some valuable band for split, and he proposed KIRKEBRANN. They gladly agreed. Nestor Avalos is responsible for the cover, which I think fits well with the concept of split.

I noticed that in this song the drums were recorded by Lars Brodesson (ex-MARDUK), bass by Mauser (EX-VADER) and there was also participation by Alexandros from MACABRE OMEN on vocals. How is the band currently forming?

Yes, in addition to them, the very talented vocalist Lilly Kim added their vocals. All these people, except for Mauser, appeared as session members. Apart from myself and him, I have a full line-up consisting of drummer and the second guitarist as well as session vocalist who will support me during the band’s first concerts.

line up 2013

Still talking about the new video, there are several interesting points. First, who is Behemoth-X and what is its segment in the occult?

Behemoth X is a world-class occultist who has his popular channel on youtube in which he films his rituals, contacting demons. I am very grateful to him that he agreed to share his materials in the video.

Some fragments of the film “The Heretics” enriched the video a lot. In addition, an image caught my attention: Kali by Johfra Bosschart. What is the reason for introducing this image in the video? Just for visual impact or does it represent something else?

In addition to the mentioned fragments, the video presents various deities from the left hand path and analogies between them. The image you are talking about was inserted by the author of the video clip, but I think that it suits the rest of the concept.

Among secrecy and occult images in the video, I see an acclaim to ALGOL, the demon star. Are astrological studies part of the lyrical content of the band?

Privately, I’m interested in horoscopes and the impact of planets on human beings and events. My father is the author of several popular books on the subject. However, this does not affect the lyrics in BLACK ALTAR.

Photo by: Damien Carter

“Black flame of Iblis …”. In Islamic theology, Íblis corresponds to the devil of Christian theology. Speaking of religion, what is your opinion about countries where religion has a fundamental role in controlling the politics and social life of its inhabitants?

As you probably know, I have a very negative opinion. It is the enslavement of the individual and his freedom. I know a bit from practice because Poland is a very Catholic country where many customs and even institutions are subordinated to the church. Of course, in Islamic countries the situation looks worse, even listening to metal there may carry a risk of imprisonment.

BLACK ALTAR originated in Poland, but today, if I’m not mistaken, it is based in England. What are the main differences that you noticed in the Black Metal made in these two countries? Both musically and on the scene in general.

That’s right, I moved from Poland to England, London almost 6 years ago. Certainly the scene in Poland is much more extreme, although the post black metal trend is also very popular recently. In England, however, less extreme stuff is much more popular, with Gothic influences in the style of CRADLE OF FILTH or melodic bands. However, there are a lot of metalheads from Poland and other countries who balance these trends.

Split Black Altar/Varathron/Thornspawn

Shadow, in addition to BLACK ALTAR, you have the KRIEGSGOTT and RAUS! projects. Tell us a little about them. How are your songs and themes?

KRIEGSGOTT is my very old solo project, in which I played simple and raw, although quite hit-like black metal with war lyrics. Whereas RAUS! is an industrial black metal project with Martial industrial influences that I founded with Aro from PERUNWIT/LORD WIND/GRAVELAND. I released my debut mini album as a split with PERUNWIT and with this I wanted to end its activity, but recently a lot of people ask about new material, so maybe someday a full album will be recorded.

Did the pandemic that plagues the world, with the covid-19, brought many problems to your label, Odium Records? Still about Covid-19, what do you think of this moment that we are going through?

It didn’t affect me or my musical activity. Personally, this period suits me very well and brings some relax. In my opinion, all this panic and imposed restrictions were greatly exaggerated. We’ll see what the situation will look like.

Do you know any Black Metal bands from Brazil? And which bands in the world currently indicate to our readers?

I know EVIL, GOATPENIS, MYSTIFIER, MURDER RAPE and a few others whose names have come out of my head right now. From the latest album news, the biggest impression on me was made by the debut album of the Greek HAXANDRAOK (Acherontas) and the debut of the Finnish BYTHOS.

What has changed in the band’s identity since the launch of the first DT “Na uroczysku..” in 1998?

Music on the demo “Na Uroczysku…” was completely different from what appeared later. It can be said that the proper style of BLACK ALTAR was formed on the debut album, which was quite advanced technically, and at the same time wild and brutal. However, enthusiasm and passion for creation remained unchanged. This flame is still burning in me just as at the beginning.

BATHORY and MAYHEM. How important are these two bands for BLACK ALTAR?

Their music did not affect Black Altar to be honest, but personally they are very important bands to me, especially their first recordings, because later stuff do not appeal to me that much.

Suicide is salvation?*

May be. Not for me, but I understand that someone can make such decision for various reasons.

* (the question arose due to the name of the EP “Suicidal Salvation”)

Are you part of any chain that follows the path of the left hand? Introduce us.

I’m studying Draconian Left Hand Path. I am close to Temple of Ascending Flame and Dragon Rouge, but formally I do not belong anywhere.

For some time, many have been criticizing some European bands regarding infidelity to Black Metal and Death Metal. They say that in Europe many bands play at any festival without worrying about who will share the stage. Nazi bands, White Metal bands and Black / Death Metal bands sharing the same stage. What is your opinion?

I think it’s not just Europe, there are bands everywhere acting like that. This is an individual approach. Personally, I wouldn’t perform at a concert where most of the bands would be random and not connected to  ideology.

Thank you for listening to our call. Leave your final comments here.

Thank you very much for interesting the interview. Sucfrice the hearts of you enemies upon the Black Altar!

“DAEMON EST DEUS INVERSUS. NON SINE NUMINE.MAGNUS IMMUNDUS ETERNUS”.

Check out the latest video released:

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar