Entrevistas

CARPATUS – Em meio a TORMENTA uma nova era se inicia

O grande Carpatus é uma banda que não sucumbiu diante aos estorvos e se reinventou sem perder a sua verdadeira essência, hoje dia 30/03/2021 foi lançado oficialmente o seu quarto álbum  e para sabermos mais sobre seu novo trabalho , convidei o seu mentor Dizruptor para nos apresentar o que encontraremos ao adquirir e ouvir o “TORMENTA”.

Dizruptor, foto por: Diego Vieira

Salve grande Dizruptor, pra iniciarmos gostaria de saber o que te fez tomar a decisão de estabilizar o Carpatus com apenas 2 membros?

Dizruptor – Fico honrado e feliz em ter a oportunidade de responder a essa entrevista, todo meu respeito e consideração à grande Lucifer Rising e a você, grande irmão Luis Lozano. Bem, vamos lá. Desde o início de nossa história, manter uma formação estável foi um problema.
Embora hajam muitas bandas que funcionam bem como grupo, eu passei a perceber que as coisas funcionavam melhor com um direcionamento único e centralizado – e percebi também que muitas bandas que admiro e me inspiram funcionam a partir de uma figura central. Eu diria que o modelo que temos hoje é um reflexo do nosso amadurecimento como banda.

Com a banda estabilizada, o entrosamento entre você e o baterista J. está fluindo bem? Ele também participa das composições?

Dizruptor – Sim, a banda está estabilizada, e temos uma formação para shows, que conta comigo, J. na bateria, Hastur (Promethean Gate) no baixo e Kazoth Bey (Ocultan) na guitarra. Quanto ao trabalho de composição, eu centralizo comigo, embora J. traga sempre a valiosa contribuição do seu talento transbordante e espontâneo.

Tormenta, flyer de divulgação

Hoje (30/03/2021) o Carpatus celebra mais uma conquista em sua carreira, chegou o quarto álbum intitulado TORMENTA… nos fale um pouco sobre o novo trabalho, produção, composições e já está disponível para distribuição…

Dizruptor – Tormenta é um nome muito apropriado para o álbum, considerando todos os problemas que tivemos para concluir a sua produção. Mas concordo que é uma conquista e um marco importante na nossa carreira. Na minha opinião, é de longe o trabalho mais completo que já fizemos. Comecei a escrever as músicas em 2017, e posso dizer que alguns eventos na minha vida pessoal na época contribuíram para a criação de uma atmosfera carregada do ponto de vista emocional. Iniciamos a gravação em Fevereiro 2019, o trabalho se estendeu até Novembro do mesmo ano. Tivemos problemas com a arte, o que também causou atrasos.. e com a crise da Covid-19, as coisas pioraram ainda mais. O lançamento será feito pelo meu selo, a Aura Maligna Productions, em CD digipack e vinil. A distribuição será feita pela Black Metal Store, em nível mundial. O lançamento oficial em 30 de Março de 2021 (hoje), em CD e nas plataformas digitais. Infelizmente, o vinil está preso na fronteira Argentina, e é difícil dizer quando estará disponível de fato. Mas não deve demorar muito mais. Veremos.

Eu acompanho o Carpatus desde seu início, e percebi que a cada álbum há uma clima, uma atmosfera e abordagens líricos distintas. O que acho fenomenal, e como TORMENTA levou 5 anos para ser escrito e como você falou que há uma carga emocional muito grande, gostaria que você nos falasse um pouco mais sobre as abordagens e todo contexto por trás desse álbum…

Tormenta, novo álbum (2021)

Dizruptor – Tormenta é uma palavra da língua portuguesa que pode ter vários significados – no contexto emocional, ela descreve o tipo de sentimento que quisemos trazer para o álbum. Era o momento no qual eu me encontrava, e transcrever a dor, frustração, desapontamento, ódio inflamado, tudo isso foi muito natural, orgânico e espontâneo. Eu havia acabado de passar por um divórcio, e ficar longe da minha filha foi algo que me fez repensar o sentido do que minha vida seria dali em diante. Nesse disco tivemos um cuidado especial em combinar a atmosfera lírica com a harmonia e o ritmo, de forma que o trabalho como um todo fizesse sentido. Cada faixa conta uma história, musical e liricamente. E o álbum como um todo tem uma identidade, não exatamente o que costumam chamar de “conceitual”, mas há ali uma atmosfera presente, e esse era exatamente nosso objetivo.

Você mencionou que TORMENTA está assinado pelo seu selo “Aura Maligna Productions”. Você lançará outras bandas ou essa foi uma alternativa para centralizar ainda mais o Carpatus?

Dizruptor – Inicialmente criei o selo para promover o Carpatus. Mas devo sim considerar lançar outras bandas, tenho muitas idéias e acho que esse é o momento de dar-lhes vida. Penso em organizar alguns eventos também, obviamente depois da crise pandêmica que vivemos atualmente.

Ótimo, com certeza será mais uma grande força para o nosso underground. Você também mencionou que a distribuição estará a cargo da renomada Black Metal Store, como surgiu essa parceria?

Dizruptor – Na verdade é a continuação da parceria que já temos há algum tempo. Nosso último lançamento, a prensagem nacional do “Malus Ascendant” foi feito pela Hammer Of Damnation. Já havíamos trabalhado juntos antes, inclusive na distribuição local da versão europeia do Malus. A Black Metal Store é hoje o selo mais profissional que temos no Brasil, e talvez um dos maiores do mundo. Sem dúvida foi a melhor opção que tínhamos pra promover a distribuição desse novo álbum.

Carpatus, da esq. para dir.: J. & Dizruptor

Resposta rápida, como o Dizruptor define o álbum TORMENTA?

Dizruptor – Um verdadeiro e tradicional culto ao Black Metal Underground.

Vejo que a pandemia que estamos sofrendo já impactou o Carpatus com o atraso no recebimento dos LPs. Essa situação em que o mundo sofre hoje em dia tem impactado o Carpatus em outros âmbitos?

Dizruptor – Certamente. É estupidez subestimar o tamanho da crise na qual o mundo se encontra, todos somos impactados em algum nível. O maior impacto direto que temos atualmente é a situação com os LPs. Mas tivemos outros, desde a finalização da produção, as várias versões não aprovadas da arte do álbum, e finalmente os eventos e shows. Um ano de pandemia, e não sabemos ainda quando poderemos voltar aos palcos. Esse certamente é uma parte do culto underground que pouco a pouco está se perdendo enquanto somos forçados a ficarmos em casa.

Concordo contigo. E já que estamos falando deste assunto. Qual o seu ponto de vista à respeito da total desorganização e descaso do nosso governo sobre a gravidade desta pandemia?

Dizruptor – Bem, independentemente da visão ou direcionamento político que você tenha, está claro que o que temos no governo atual está longe de ser uma administração profissional. Vivemos em um país onde o governo não fez o mínimo, o básico, nada. Ao contrário, o representante máximo, que tem como a mais importante do suas obrigações, liderar pelo exemplo, fez o tempo todo foi caçoar sobre o potencial destrutivo da doença e seu impacto na vida das pessoas e na infraestrutura de saúde do país. A mídia brasileira totalmente enviesada só piora as coisas, e as sucessivas crises só fizeram sofrer quem menos tem como se defender: o povo. Nossos governantes perderam a chance de se inspirar em outros países, que serviriam de exemplo para resolver muitos dos problemas que temos hoje, inclusive o gerenciamento da crise de saúde e sanitária que vivemos. Fizeram totalmente o oposto. Vivemos hoje em uma verdadeira… …verdadeira Tormenta.

Grande Dizruptor, muito obrigado por ceder o seu tempo ao nosso portal, o espaço está aberto para suas considerações finais…

Dizruptor – O louvável trabalho da Lucifer Rising fortalece o underground já há muito tempo, uma honra pra nós termos esse espaço. O underground é o que nos une. Cada um de nós poderia ser mais um na multidão, mas não foi essa a nossa escolha. Apoiem as bandas. Apoiem os zines, compareçam aos eventos. Juntos somos mais fortes. Hail!

Veja abaixo o vídeo oficial da música UNHOLY PAGAN CULT que faz parte do novo álbum “TORMENTA”:

Mostrar mais

Luis Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar