Resenhas - LPs/Cds/K7sStormy News

DARKEND – Spiritual Resonance (Advanced)

Dark Essence Records (Importado)

Se você é um daqueles que, assim como eu, acredita que o Black Metal não se limita apenas à musica em sí, então “Spiritual Resonance” quarto álbum do quinteto italiano DARKEND vai cair como uma luva em seu gosto.

Muito mais que um Black Metal frio enriquecido com orquestrações de teclados que buscam fugir do lugar comum, seja na escolha dos timbres, seja na forma como são arranjados, a banda usa de elementos de musica ritual ambiente aprofundando e expandindo a aura  obscura de suas composições.  As letras e os próprios títulos das faixas te levam a ver que os caras não querem brincadeira e não apenas resvalam a superfície dos temas propostos, mas mergulham de cabeça nas trevas que pregam.

“The Three Ghouls Buried at Golgotha” abre “Spiritual Resonance”  com uma voz entoando um mantra e os teclados que o acompanham te levam a acreditar que alguma banda setentista vai entrar tocando. Ledo engano, bateria, baixo, guitarras e vocais explodem nos alto falantes  trazendo o mais extremo do Metal Negro, a parte do meio dessa música já mostra o que a banda tem de melhor com a bateria conduzindo a meio tempo e teclados e baixo criando uma “cama” para que as guitarras possam viajar; Vocais sussurrados acrescentam uma dose extra de ritualismo à composição. Insano, mórbido, doentio e maravilhoso pra se dizer um mínimo. A forma como essa faixa termina e se conecta à seguinte já valeria o CD pra mim, aliás essas ambiências são uma constante que permeia todo o álbum.

“Scorpio Astraea High Coronation” vem na sequencia com o baixo e as guitarras numa cadencia hipnóticas servindo como alicerce para que os vocais ditem a direção da música. E que vocais poderosos… Impossivel você não terminar essa faixa cantando junto com o punho erguido. Épico e apoteótico.

“With Everburning Sulphur Unconsumed´foi escolhida pela banda para ser o primeiro vídeo e reúne todos os elementos presentes na música do DARKEND; guitarras e baixo criando um verdadeiro transe, teclados com timbres e “soluções inesperadas” (vide o solo de Hammond na primeira parte da música!!) e os vocais fortes, aqui ainda contando com a participação especial de Lindy-Fay Hella do WARDRUNA.  A composição atinge em seu meio o nível mais elevado e apurado, entendam a melancolia e clima fúnebre que baixo, bateria e teclados trazem à essa parte e entenderão a proposta da banda, aliás diga-se de passagem que o vídeo feito para essa faixa conseguiu traduzir de forma soberba essa mesma proposta em imagens e ficou sensacional. Aconselho àqueles que não conhecerem nenhum dos outros três trabalhos da banda a assistirem esse vídeo primeiro e tirarem suas conclusões (vocês poderão acessa-lo abaixo ao final da resenha).

Continuamos com “Vessel Underneath”, faixa densa, carregada, numa pegada com um começo mais acelerado e direto, mas que logo desacelera e entra num clima angustiante e claustrofóbico; Os detalhes aqui irão requerer um ouvido mais atento e talvez não sejam todos apreciados e ouvidos em sua totalidade numa primeira audição.

“Hereafter, Somewhere” vem a seguir e é a mais depressiva de “Spiritual Resonance” em minha opinião e tem um trabalho vocal avassalador com o título do álbum sendo entoado em um determinado momento e terminando com um solo realmente inspirado.

“The Seven Spectres Haunting Gethsemane” finaliza o álbum de forma perfeita . As partes de piano no final dessa música são simplesmente fenomenais. Eu pessoalmente sou um fanático por pianos, acho o instrumento mais completo do mundo e, desde que bem tocado, pode capturar da forma mais fiel e pura possíveis todo o sentimento que uma composição é capaz de transmitir e esse com certeza é o caso aqui. Os pianos praticamente dominam a segunda metade da faixa evoluindo num crescendo com alguns teclados e vocais sobre um fundo ambiente com ruído de chuva. Magistral e perfeito.Versão em vinil

Pra fechar o pacote com chave de ouro a arte da capa é simplesmente maravilhosa e a versão em vinil virá com uma arte diferente tão bela quanto a do CD e sei que  vai ser difícil de se fazer uma escolha aqui.  Fica a dica, em uma época repleta de bandas clones de qualidade duvidosas DARKEND chega com um álbum que é um verdadeiro sopro de criatividade na cena. Ouçam, comprem e apreciem no volume máximo

10/10

 

Foto: Divulgação

Mostrar mais

Juliano Bonacini

Tecladista e letrista da LoneHunter (Death Metal), historiador e editor do Crypt of Eternity - fanzine da década de 90.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar