Entrevistas

DEATH COURIER – Ninguém pode esquecer que o Death Courier é uma das primeiras senão a primeira banda de Death Metal que saiu da Grécia.

Formado em 1987, o Death Courier pode ser encarado como um dos nomes pioneiros do Death Metal da Grécia. Crescendo ao lado de lendas como Sound Pollution, Rotting Christ, Varathron, Horrified, Septic Flesh e Nightfall, eles pavimentaram todo o solo para uma geração futura que iria consolidar e colocar a cena helênica como uma das mais expressivas nas décadas seguintes.
A banda adormeceu no ano de 1993, deixando algumas demos, um EP e um disco, materiais que se tornaram cult ao redor do mundo, merecendo recentes relançamentos em formato CD e cassete. Voltaram no final da primeira década do novo milênio, já soltando materiais e retornando aos palcos. agora, assinados com a excelente gravadora Transcending Obscurity, eles estão às portas do lançamento de seu novo álbum ‘’Necrotic Verses’’, que segundo a banda, irá dar continuidade ao seu Death Metal fincado nas raízes do estilo!
Com a palavra o veterano e fundador da banda, Billy Courier:

Billy, Foto Por: Dorina Dragon Photography

Saudações Billy! É uma grande honra conversar contigo aqui do Brasil em uma entrevista exclusiva para o Portal Lucifer Rising! O que aconteceu com a banda desde o lançamento do cultuado LP ‘’Demise’’ de 1992 até o retorno apenas em 2010? Para a satisfação dos amantes do Death Metal nos moldes antigos e clássicos, a banda não mais parou de lançar materiais. Mas nos conte sobre esses anos todos ausentes da cena:

Billy – Primeiro de tudo é uma grande honra poder ser entrevistados pelo Portal Lucifer Risisng! Obrigado pela oportunidade e apoio Tiago! Então, nós estivemos fora da cena, mas não fora da música. Sempre ensaiávamos de retornar, mas infelizmente acabamos a banda em 1993. Em 2009 nós juntamos forças à um novo guitarrista e um baterista para continuar a saga de criar músicas insanas que mantivessem o velho espírito da banda.

‘’Perimortem’’ foi o último álbum completo lançado pela banda, não obstante um split e alguns relançamentos. Como foi retornar ao estúdio para compor um novo álbum naquela época? Vocês obtiveram boas respostas acerca desse retorno e do álbum no circuito underground mundial?

Billy – Sim, a resposta foi ótima, já que éramos uma das bandas que lideravam a cena do Death Metal grega. Voltamos com novos membros e com muitos materiais e ideias dos velhos tempos e com as habilidades dos novos membros George na guitarra e Ilias na bateria tudo foi fácil de pôr em prática.

George, Foto Por: Dorina Dragon Photography

A cultuada gravadora Nuclear War Now relençou alguns materiais clássicos do Death Courier como o live ‘’Die Hard’’ e o EP ‘’Necrorgasm’’ em foramtos cassete e vinil. Nos conte sobre suas impressões acerca desses lançamentos. Como vocxê analisa a importância do Death Courier pára a cena Death Metal mundial como um todo através desse tipo de relançamento?

Billy – Um lançamento muito profissional de todo o nosso material antigo e um elo perdido disponível novamente na cena grega e mundial do Death Metal.
Todos os lançamentos sob o registro da NWN devem ser levados a sério … e ninguém pode esquecer que o Death
Courier é uma das primeiras senão a primeira banda de Death Metal que saiu da Grécia. Estamos muito contentes com este lançamento, já que Yosuke Konishi fez um ótimo trabalho.

Agora a banda acaba de anunciar o lançamento de um novo álbum chamado ‘’Necrotic Verses’’, inclusive com uma bela capa bem old school já definida. Esse material será lançado por uma das gravadoras mais expressivas da atualidade, a Transcending Obscurity. Você pode nos adiantar alguns detalhes sobre todo o contexto desse disco?

Billy – Sim, o título é Necrotic Verses e contém 10 faixas de Death Metal com muitos elementos Thrash… todos podem encontrar inspiração e loucura neste novo material. A idéia central do LP gira em torno de como a vida pode ser frágil enquanto a morte está à espreita nós em muitos modos pacíficos ou brutais e as letras a maioria deles veio de obituários, epigramas de túmulos e poemas. A morte certamente trará a paz perfeita.
Mais detalhes sairão da Transcending Obscurity Records, uma empresa muito solidária e o cérebro por trás de tudo isso é Kunal Chosky,  um bom amigo de grande ajuda, pois a cada lançamento, é uma obra-prima de qualidade para todas as bandas desta gravadora.

Ilias Iliopoulos, Foto Por: Dorina Dragon Photography

Sobre shows e festivais, como é a agenda da banda nesse quesito? Vocês tem tocado em alguns lugares fora da Grécia nesses tempos?

Billy – Shows e festivais não são tão frequentes porque nosso trabalho exige muitas horas e horários, especialmente nos finais de semana … mas esperamos estar planejando alguns em nosso país e na Holanda após o lançamento de Necrotic Verses.
Nosso último show fora de nosso país foi na Alemanha no Nuclear War Now Fest em 2013, após o concerto toda o nosso merchandising desapareceu em 20 minutos… .uma grande impressão para nós…

O Death Courier é uma banda da velha geração dos anos 80. Uma época em que as coisas eram muito mais difíceis no sentido de se adquirir instrumentos, locais para ensaio, estúdios de gravação caríssimos, etc. Como você avalia a diferença daquela época para os dias atuais, com modernos estúdios para gravação, tecnologia avançada, etc?

Billy – Muito mais puro e primitivo do que hoje. Nós tínhamos alguns amplificadores e instrumentos baratos e estúdios de gravação apenas para música regional … hoje todo mundo pode gravar em casa, fazer um som e produção incríveis, mas o velho espírito de fazer música está perdido na tecnologia. Muitas bandas são bandas de estúdio sem inspiração. O Metal não é sobre moda e para os recém-chegados que buscam música revolucionária você pode encontrar tudo o que você precisa com total  velocidade.
Thrash/Death/Grind/Black Metal… explore a  música… apoie o underground!!!

1992 – Demise “Full-length”

Nos anos em que o Death Courier esteve fora de cena, você acompanhou o crescimento da cena underground grega e sua expansão para o resto do mundo? E hoje em dia, como você enxerga o atual cenário grego? Há bandas da nova geração que chamem a sua atenção?

Billy – Por muitos anos depois que a banda acabou eu não mantive nenhuma conexão com ninguém… Depois de todos esses anos eu posso ver bandas gregas simplesmente ótimas e nós temos muitos amigos na cena Metal. Bandas favoritas como de costume, nossos velhos amigos do Rotting Christ e Septic Flesh e alguns assassinos da nova geração, como Dead Congregation, Vermingod, Resurgency, Abyssus, Mortal Torment.  O undergroung contém muitas bandas realmente matadoras.

Uma curiosidade minha. Naquele festival de 1990 em que o Mayhem estava cotado para tocar em atenas ao lado do Varathron, Rotting Christ e Death Courier, o Mayhem não apareceu para tocar. Quais eram as expectativas que vocês tiha para esse evento e quais suas memórias do mesmo?

Billy – De acordo com Sakis Tolis do Rotting Christ e eu acredito que é verdade, o Mayhem foi barrado nas fronteiras da Iugoslávia … Como sabemos de situações recentes, imagens satânicas e Death Metal insultam muitos hipócritas e não se esqueça que este é o ano de 1990 … muitas pessoas ficaram chocadas naqueles dias, como ninguém nunca ouviu esse tipo de música … então eles não permitiram que eles tocassem na Grécia em um dos momentos mais caóticos e matadores daqueles dias.
Enfim, o show aconteceu sem o Mayhem e mesmo assim foi caótico e maciço.

2013 – Perimortem, “Full-lenght”

Ao longo dos anos vocês receberam muitas cartas do Brasil? Quais são as suas lembranças do antigo underground brasileiro? Com quais bandas do Brasil vocês estiveram em contato no início da banda?

Billy – Tivemos muitos amigos de trocas de fitas e resenhas em bons fanzines da velha escola no Brasil entre 1987 e 1993.
Minhas bandas favoritas dos velhos tempos são Genocídio (é legal ainda estarem ativos), Sarcófago, Dorsal Atlântica, Holocausto, Vulcano e Psychic Possessor. Nosso antigo baterista Jim lidou com todas  comunicações de cartas com amigos e bandas naqueles dias. Sem internet e tecnologia moderna a vida rodava em câmera lenta.

A banda tem planejado uma espécie de turnê para promover o novo álbum ‘’Necrotic Verses’’? Por quais países vocês gostariam de passar?

Billy – Nós planejamos alguns shows em nosso país e pretendemos fazer algumas datas na Holanda e na Alemanha .
Nosso trabalho pessoal consome todo o nosso tempo, então não podemos tocar em alguns shows, embora tenhamos muitas propostas.

Agradeço muito por essa entrevista Billy! Acompanho o trabalho do Death Courier desde os idos de 1994, época da troca de tapes. Deixe suas mensagens finais para o nobres leitores do Portal Lucifer Rising:

Billy – Acho que todos nós deveríamos retornar às nossas raízes e apoiar a pureza underground de nossa música… obrigado a você Tiago e ao Portal Lucifer Rising pela oportunidade de espalhar nossa música insana para nossos amigos brasileiros… permaneçam brutais e unidos… juntem-se aos Couriers!

Mostrar mais

Tiago Siqueira

Tiago Siqueira edita fanzines impressos desde 1994. É editor do Akkeldama e do Rip Ride. Trabalha com jornalismo comunitário em Planaltina-GO.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar