Resenhas - LPs/Cds/K7s

IESCHURE – The Shadow (Slipcase CD)

Hammer Of Damnation (Nacional)

Nossos pensamentos são as sombras de nossos sentimentos, sempre mais obscuros, mais vazios, mais simples que estes.
Friedrich Nietzsche

Quando conheci Lilita Arndt eu não imaginei que seu espírito solitário e gélido haviam produzido algo tão intenso e introspectivo como o álbum “The Shadow“, seu projeto de “one-woman band” é revelador e traz o melhor das paisagens sonoras ucranianas.

Um projeto recente, mas com uma reencarnação vívida dos meados da segunda leva do Black Metal dos anos 90. IESCHURE consegue trazer a essência do ocultismo e da bruxaria em tons líricos e instrumentais que realçam tais temáticas e faz referência à ícones como Burzum, Drowning the Light e Moonblood.

Quanto à qualidade do material, a HAMMER OF DAMNATION já se firmou em território nacional como o grande selo com qualidade superior em seus lançamentos. E aqui temos um layout completamente novo, com o formato slipcase DeLuxe e bônus do EP nunca antes lançado “Cold Stars of Eternity”. E se isso não basta, e se você for rápido a Hammer Of Damnation anuncia um kit exclusivo para pré-venda limitado aos primeiros 30 pedidos, contendo:

– Slipcase CD
– Camisa exclusiva
–Poster

A breve “Shadows From The Great Beyond” é não só introdutória, mas um aviso aos ouvintes, ela resume bem o que é o projeto: sombrio, difícil, solene, sombrio. Teclados e órgãos são a base dessa escatologia musical.  Guitarras a la Burzum cortam o ar em ” Eternal Wheels Of Life” e o niilismo lírico aflora junto ao ocultismo com vocais líricos e rasgados que me fizeram amar esse projeto.

Em “ Mystic Schizophrenia” aura de filmes noir com uma pegada do primeiro álbum do Burzum e do EP Aske. Lembra muito o Moonblood também em seu início. “Condemned To Death” é Drowning the Light, e tem a aura dos anos 90, acho que essa faixa é a mais característica dos anos 90 possível. Um tributo ao Black Metal norueguês. Já “What Waits In The End” traz o que é a Lilita Arndt, ela mescla vozes modernas com uma atmosférica ancestral do Black Metal da primeira geração. É como ouvir trechos de gothic metal e vocais com Black Metal, parece estranho, mas ficou fantástico, passa uma aura moderna e ancestral ao mesmo tempo. Há melodia aqui e repúdio ao mundo moderno ao mesmo tempo.

Em “ Before The New Dawn Comes” temos o que o raw black metal deve ser. Aquele material sujo e forte com uma leve aura de teclados para dar sentido ao caos e boa parte de vocais limpos com blasts é algo que você não ouviu antes e que deve ouvir. LINDO! O fim chega com a enigmática “Through The Chaos Of Voices” que é um hino  de culto sombrio e devotado, voz limpa, clamores, oração, sons ambientes e teclados medievais. Impecável

Eu me surpreendi muito, pois amo projetos com um único membro, e aqui é surpreendente o que foi feito. Um tributo aos anos 90 e ao Black Metal. Um resgate ao que deve ser feito em um álbum em detrimento a como o Black Metal se distancia das suas raízes. Aqui temos o que o Black Metal deve ser, foi e sempre será.

NOTA: 10/10

Bandcamp: https://ieschure.bandcamp.com/releases

Metal-Archives: https://www.metal-archives.com/bands/…

Mostrar mais

Ricky Lunardello

Historiador e Sociólogo, Pagão de alma Viking, apaixonado pelo Metal Extremo e pela cultura underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar