Resenhas - LPs/Cds/K7sStormy News

IN ABSENTHIA – “Thou Shalt Not Forgive Fate”

CD/2020 - Eclipsys Lunarys Productions

Não é de hoje que o selo Eclipsys Lunarys Productions vem se destacando como um dos principais apoiadores e incentivadores da cena Doom Metal nacional. Lançando nos últimos anos bandas de destaque e que já fazem parte de uma história no estilo, bem como, apoiando novas bandas que se adentram num mundo melancólico e lento.

Dessa vez temos em mãos “Thou Shalt Not Forgive Fate” da banda gaúcha IN ABSENTHIA fazendo o que intitulam Melodic Dark Doom Gothic Metal.

Este trabalho foi inicialmente lançado em 2017, apenas em formato digital, no mesmo período em que a banda se desfez. Agora, o álbum é lançado em formato físico, também com o retorno das atividades do grupo (agora sediada em Minas Gerais).

Começamos com a belíssima  ‘Gentle Streams’, instrumental que abre as portas deste trabalho. Logo temos ‘Brienne‘ entre teclados e bases bem encaixadas. Os solos feito por Bruno Braga é muito bem empregado, a música tem uma pegada marcante, também já apresentando o vocal feminino que é de grande destaque no decorrer de todo álbum. A letra também tem seu destaque, citando  trecho de uma poesia do inglês William Wordsworth “She was a phanthom delight”…

‘Feigned Living’ tem umas bases cadenciadas com uma bela melodia, os vocais femininos de Nany Yates se encaixam perfeitamente em sintonia com a música, fazendo um contraste com o vocal  feroz e animalesco produzido por Bruno (guitarra/vocal). ‘Abidgin Strain’ se inicia com um belo dedilhado que depois vem acompanhando pelos teclados criando um clima triste, melancólico e depressivo. Nada que mude com a entrada da bateria e guitarras. Vocal limpo e falado para depois passar por um gutural sem tirar a tristeza e sofrimento imposta pela melodia.

Lowness’ tem uma grande potência. Os teclados dão um clima sobre a irá nos vocais imposta por Bruno, enquanto se harmonizam com o vocal lírico de Nany. Música pra bater cabeça e viajar em mais uma bela composição. Em ‘A Heart For Nothingness‘ temos inicialmente um som mais acústico, entre teclados, baixo e bateria para depois entrar o vocal, bases de guitarra e um solo que acompanha a melodia da música. É uma música inicialmente  mais gótica se assim posso dizer. Tem todo um ar nesse sentido além de uma interessante dualidade entre o vocal gutural e lírico cantado ao mesmo tempo em certo momento, que ficou bem interessante. ‘Adrift’  segue a mesma fórmula, demonstrando todo o potencial de Nany Yates em sintonia com mais uma bela composição.

Por fim temos mais de 10 minutos com ‘To Covet The Requiem‘ onde encontramos todos os ingredientes que compõe este CD. Harmonia, melodia, agressão, tristeza e melancolia. De um lado músicos bem entrosados, do outro, vocais que se encaixaram perfeitamente no todo desta obra.

Um material muito bem produzindo pelo guitarra/vocal Bruno Braga e Bruno Añaña( vocal/guitarra da  POSTMORTEM INC e também responsável pela produção do CD do M-26 e LELANTOS).

Que venham novas composições junto com o retorno da banda, possivelmente com nova formação.

 

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar