Entrevistas

KATAVASIA – Invertendo a ortodoxia da queda do paraíso ao submundo do Black Metal Helênico

"O Katavasia ajudou muito a espalhar esse estilo antigo desde o início e também apresentou o black metal helênico a muitos fãs de heavy metal clássico."

[English version in the end!]

O Katavasia dispensa apresentações. Formado por gigantes da cena Black Metal helênica, os gregos do Katavasia estão levando à excelência o conceito de Black Metal. Em meio a pandemia de COVID-19, Achilleas Κalantzis, baixista do Katavasia e guitarrista do Varathron conversou comigo e em uma longa conversa pudemos falar sobre Black Metal, crise de refugiados, pandemia, isolamento, política e cultura metal.

Achilleas Κalantzis

O Katavasia tem hoje um lançamento que é considerado uma obra prima, o álbum “Magnus Venator” e ele é o centro dessa entrevista, um álbum que reúne o melhor do Black Metal grego e se você não ouviu, está perdendo uma grande oportunidade e um grande álbum!

Katavasia está listada em quase todas as enquetes sobre os melhores álbuns de 2020, incluindo os membros da nossa redação aqui no Brasil. Qual é a sensação?

Achilleas: Muito bom saber que o Brasil é um aliado mais uma vez! É muito bom saber que as pessoas estão gostando e apoiando nosso esforço. Isso nos motiva a permanecer fortes e continuar criando novas músicas.

A banda é uma coleção de soldados gregos do underground. Como foi montada essa super equipe? Você já trabalhou com algum dos outros caras em projetos anteriores? 

Achilleas: Sim, claro! Varathron, Aenaon, Agnes Vein, Hail Spirit Noir, Melan Selas etc. Quase todos nós colaboramos uns com os outros de várias maneiras e também somos bons amigos há muitos anos. Criar o Katavasia foi realmente outra maneira de nos divertirmos com grandes amigos e fazer o que mais amamos.

Eu li sobre o conceito de “Katavasi”, você poderia explicá-lo corretamente? Está relacionado a descer à Terra ou ao submundo? 

Achilleas: “Katavasi” significa descida, essa é a tradução. Katavasia era o momento em que os padres ortodoxos desciam até o centro do templo para entoar hinos específicos. Conectamos e invertemos essa ideia com a descida de Satanás também.

Katavasia

Você tem um amigo meu no projeto, estou falando do “Dimitris Kontogiannis”. Eu o entrevistei sobre seu projeto MELAN SELAS. Ele é multi instrumentista. Como funcionou no estúdio, quero dizer …. vocês quase podiam tocar qualquer coisa, isso torna mais fácil ou difícil o projeto final?

Achilleas: Bem, não somos “realmente” multi-instrumentistas. Apenas Foivos pode tocar bateria, mas temos 3 guitarristas na banda. Neste álbum eu escolhi tocar principalmente baixo. Não sou baixista, mas gosto de tocar o instrumento e gosto de ser capaz de me expressar através do baixo, para variar. Ter Dimitris na banda tocando a maioria das guitarras é ótimo para nós. Em geral, saber tocar um instrumento a mais, fazer arranjos ou compor é sempre ótimo para nós. Não somos competitivos uns com os outros.

A escola do Black Metal da Grécia é hoje o centro do Black Metal no mundo. Quais elementos você considera uma característica do “metal grego” quando ouve uma banda de metal extremo da Grécia?

Achilleas: Para mim, a principal diferença da cena grega em relação às outras é o uso de melodias específicas e riffs de heavy metal. O BM grego é poderoso, espiritual, simples, bizarro, mortal, mas não realmente pessimista ou depressivo como outros estilos europeus de BM.

Katavasia

Que outros projetos você recomendaria do seu país e o que você tem ouvido atualmente? 

Achilleas: Acho que você conhece a maioria dessas bandas: Necromantia, Rotting Christ -claro-, Kawir, Zemial, Agatus, Deviser. Dos últimos lançamentos, eu recomendaria Lucifer’s Child, Yoth Iria, Empire Of The Moon, Macabre Omen, Synteleia, Thy Darkened Shade, Primal Cult, Soulskinner, Funeral Storm, Cosmovorous, Isolert … Estou definitivamente esquecendo muitas outras boas bandas! Ultimamente tenho trabalhado em um projeto secreto incluindo membros de algumas das melhores bandas gregas de BM. Em breve você ouvirá sobre isso!

 O novo álbum do Katavasia foi feito durante a quarentena do COVID-19, como isso afetou ou influenciou o som? E por falar nisso, como está a situação na Grécia? 

Achilleas: O governo grego decidiu tomar medidas extremas – controlar e arruinar as pessoas financeiramente e psicologicamente – a fim de evitar o colapso do sistema de saúde. Eles também preferiram investir no controle da mídia em vez de manter todos seguros e atualizar o sistema de saúde. Enfim, as coisas estão definitivamente melhores que o Brasil. Tenho muitos amigos no Brasil e sei que tem sido muito, muito difícil para vocês.Em relação ao Katavasia, o álbum foi criado antes do verão, então, naquela época, pensamos que a quarentena acabaria muito em breve. Conseguimos nos esgueirar e evitar as “medidas de isolamento” secretamente para gravar Magnus Venator. Foi uma maneira incrível de passar aqueles dias em fevereiro, março e abril de 2020.

Sacrilegious Testament (Full-length 2015)

No início do ano passado (março) tivemos uma crise de imigrantes nas fronteiras da Grécia, como está a situação agora?

 Achilleas: Sim, muitas guerras no Oriente Médio e a destruição da Síria empurraram homens, mulheres e crianças em busca de um lugar para poder viver em paz e a Grécia é uma passagem. Ao mesmo tempo, o “sultão” da Turquia decidiu que seria uma idéia muito inteligente forçar todos os migrantes, refugiados e – quem sabe – para as fronteiras gregas e criou uma situação infernal que já era ruim antes disso. A “Mãe” Europa também não ajuda em nada. Agora as coisas estão um pouco melhores, mas é claro, as coisas não estão melhores para muitas pessoas que ainda sofrem nas piores condições em muitos campos de refugiados ao redor da Grécia.

O “Sacrilegious Testament” foi lançado em 2015, esse novo projeto é diferente do que você fazia no passado? Quero dizer, voltando aos dias de glória de Rotting Christ, Necromantia e Varathron, Katavasia parece catalizar o que tornou o black metal helênico tão memorável: atmosferas épicas e arrebatadoras, riffs pesados mas cativantes e melodias mediterrâneas entrelaçadas na musicalidade; tudo moldado por um peso devastador.

 Achilleas: Sim! A ideia do projeto “Katavasia” era ser influenciado pelo melhor BM grego e o metal extremo lançou e destacou o estilo mediterrâneo da música extrema. Agora estamos seguindo um caminho mais pessoal, mas no início era exatamente isso que estávamos buscando.

Daemonic Offering (EP 2017)

No álbum anterior você tem músicas mais ritmadas como “Symphony des Gravens”, você considera esse novo álbum mais agressivo e atmosférico do que o primeiro? 

Achilleas: O novo álbum soa mais agressivo para mim, mas não tenho certeza. Eu certamente acho que Magnus Venator é mais fácil de ouvir e mais cativante no bom sentido. Acho que no geral os dois álbuns têm muitas coisas em comum.

Black Metal helênico é muito popular na América do Sul e nós adoramos bandas como Rotting Christ e Varathron. Essas bandas têm um senso melódico refinado que está muito à frente de seus colegas europeus e americanos, e devo dizer que o KATAVASIA é o novo sangue dessa herança. Como você acha que o Katavasia contribui para a cena do metal helênico como banda desde o início em 2014?

 Achilleas: Na América do Sul a maioria das pessoas que ouvem Black ou Death Metal conhece ou realmente gosta de bandas gregas. Na Europa, América do Norte ou Ásia, o metal grego não é tão famoso, exceto talvez o Rotting Christ. Acho que o Katavasia ajudou muito a espalhar esse estilo antigo desde o início e também apresentou o black metal helênico a muitos fãs de heavy metal clássico. Ao mesmo tempo, o Katavasia ainda contribui com o gênero ao compor grandes canções com vocais únicos, melodias características e atmosferas sombrias.Simples assim.

 O que você tem ouvido de bom atualmente? Alguma banda favorita ou nova que seja interessante?

Achilleas: Atualmente estou gostando de ouvir de novo algumas obras-primas clássicas dos anos 70 e 80 vindas de bandas como Rush, Boston, Kansas, Eloy, King Crimson, Def Leppard … essas bandas me ajudam com meu humor porque alguns dias eu sinto um pouco deprimido hoje em dia. Também estou trabalhando na masterização, remasterização, mixagem e produção de muitos álbuns nos últimos dois anos, então, infelizmente, às vezes não tenho muito tempo para ouvir novos lançamentos, mas realmente gostei do novo álbum do Inquisition.

Magnus Venator (Full-length 2020)

Quem na banda é um colecionador “metalhead”? Vocês em geral consomem o material underground em geral?

Achilleas: Acho que todos nós escavamos coisas underground por ai. Astrous tem uma coleção enorme de álbuns, metal mainstream e underground. Foivos é mais colecionador europeu de Death Metal, Punk, Heavy e Doom. Stefan é um colecionador GIGANTE … ele tem milhares de fitas demo e CDs demo. Ele é um grande colecionador de qualquer coisa underground desde o final dos anos 80 e mantém a comunicação com muitas, muitas bandas ao redor do mundo. Ele também tem milhares de LPs. Rock dos anos 60 e 70, hard rock, NWBHM, Prog, Speed ​​e Thrash Metal, Power, Black, Death, qualquer coisa! Ele é um maníaco!

O que vem à sua mente quando comparamos a cena do metal extremo grego e a europeia em geral? 

Achilleas: Hm, pergunta difícil! Acho que cada cena tem elementos e características únicas e devemos abraçar essa bela variedade. Mantenha a mente aberta e sempre dê uma chance a um artista, gênero, cena ou estilo diferente. Nunca há apenas uma maneira de fazer algo.

Então, quais são os planos para KATAVASIA no novo ano? O que podemos esperar de vocês? 

Achilleas: Já estamos planejando alguns lançamentos e splits e trabalhando em novas faixas.

Vou deixar o espaço aqui para agradecê-lo. Foi uma ótima oportunidade de aprender sobre a verdadeira cena underground. Agora você pode nos mandar uma mensagem aqui na América do Sul…

Achilleas: Obrigado pela boa conversa / entrevista. Ao viajar para a América do Sul / Latina sinto-me sempre em casa. Especialmente entre os metaleiros. Sejam fortes irmãos e irmãs e obrigado pelo seu apoio contínuo todos esses anos!

Katavasia doesn’t need introduction. Made by helenic Black Metal giants, Katavasia members are taking the Black Metal concept to another level.
In the middle of COVID-19 pandemia, Achilleas Malantzis, Katavasia’s bassist and Varathron’s guitarrist talked to me in a long conversation about Black Metal, refugee crisis, the pandemic situation, politics and Metal culture worldwide.

Achilleas Κalantzis

Katavasia is listed on almost every poll about the BEST 2020 album, including every writer from our list in Brazil. What’s the feeling like?

Achilleas: Very nice to know that Brazil is an ally once again! It feels very good to know people are enjoying and support our effort. It motivates us to remain strong and keep creating new music.

The band is a collection of Greek soldiers from the underground. How was put this super team together? Have you worked with any of the other guys in previous projects?

Achilleas: Yes of course! Varathron, Aenaon, Agnes Vein, Hail Spirit Noir, Melan Selas etc. Almost all of us have collaborated with each other in various ways and we are also very good friends for many many years now. Creating Katavasia was really another way of having a great time with great friends and doing what we love most.

I read about the concept of “Katavasia”, could you explain it properly? Is it related to descend on Earth or to the underworld?

Achilleas: Katavasia means descent, that is the translation. Katavasia was the moment orthodox priests walked down to the center of the temple to chant specific hymns. We connected and reversed this idea with the descent of Satan as well.

Katavasia

You have a friend of mine in the project, I am talking about “Dimitris Kontogiannis”. I interviewd him about his MELAN SELAS project. He is multi instrumentist, almost all of you are. How did that work in studio, I mean….you all could almost play anything, does it make it easier or difficult to the final project?

Achilleas: Well, we’re not really multi-instrumentalists. Only Foivos can play the drums but we do have 3 guitarists in the band indeed. In this album I chose to play mostly bass guitar. I am not really a bass player but I enjoy playing the instrument and enjoy being able to express myself through bass for a change. Having Dimitris in the band performing most of the guitars is great for us. In general, knowing how to play an extra instrument, arranging or composing is always great for us. We are not competitive with each other.

The Black Metal school of Greece is now the center of the Black Metal in the World. What elements do you consider as a “greek-metal” characteristic when you listen to an extreme metal band from Greece?

Achilleas: For me the main difference of the Greek scene compared to others is the use of specific melodies and heavy metal riffing. Greek BM is powerfull, spiritual, simple, bizarre, deadly but not really pessimistic or depressive as other European styles of BM.

Katavasia

What other projects would you recommend from your country and what have you been listening to nowadays?

Achilleas: I think you know most of these bands: Necromantia, Rotting Christ -of course-, Kawir, Zemial, Agatus, Deviser. From latest releases I would recommend Lucifer’s Child, Yoth Iria, Empire Of The Moon, Macabre Omen, Synteleia, Thy Darkened Shade, Primal Cult, Soulskinner, Funeral Storm, Cosmovorous, Isolert… I’m definetely forgetting many other good bands! Lately I’ve been also working on a secret project including members from some of the best Greek BM bands. You will soon hear about this!

The new Katavasia album was done during the quarentine COVID-19 periodo, how did it affect or influenced the sound? And by the way, how is the situation in Greece?

Achilleas: Greek government decided to take extreme measures -controlling and ruining people financially and psychologicaly- in order to avoid the collapse of the health care system. They also prefered to invest on controling the media rather than keeping everybody safe and upgrading the health system. Anyway, things are definetely better than Brazil. I have many friends over Brazil and I know its been really, really tough for you guys.
Conserning Katavasia, the album was created before the summer so back then we thought quarantine was going to end really soon. We managed to sneak around and avoided the “isolation measures” secretely in order to record Magnus Venator. It was an awesome way to spent those days back in February, March and April of 2020.

Sacrilegious Testament (Full-length 2015)

In the begining of last year (March) we had a immigrant crisis in Greece borders, how is the situation now?

Achilleas: Yeah, too many wars in middle east and the destruction of Syria pushed men, women and children in search of a place to be able to live in peace and Greece is a passage. At the same time Turkey’s “sultan” decided that it would be a very clever idea to force all migrants, refugees and -who knows- to the Greek borders and created a hellish situation which was already bad before that. “Mother” Europe does not help either at all. Now things are a little bit better, but of course, things are not better for many people who still suffer under the worst conditions in many refugee camps around Greece.

The “Sacrilegious Testament” was released in 2015, is this new project different of what you did back in the past? I mean hearkening back to the glory days of Rotting Christ, Necromantia and Varathron, Katavasia checks all of the boxes on what made Hellenic black metal so memorable: epic and sweeping atmospheres, crunchy yet catchy riffing and interwoven Mediterranean melodies; all spurned forth by devastating heaviness.

Achilleas: Yes! The idea of the project “Katavasia” was to be influenced by the best Greek BM and extreme metal has released and highlight the Mediterranean style of extreme music. Now we are taking a more personal path but in the beginning that was exactly what we were going for.

Daemonic Offering (EP 2017)

On that previous album you have more paced songs like “Symphony des Gravens”, do you consider this new album more agressive and more atmospheric than the first one?

Achilleas: New album sounds more aggressive to me but I’m not sure. I certaintly think Magnus Venator is more easy to listen and is more catchy in a good way. I think overall both albums have many things in common.

Helenic Black Metal is very popular in South America and we true worship bands like Rotting Christ and Varathron. Those bands have a refined sense of melody that is far ahead of their other European and American counterparts, and I got to say, that KATAVASIA is the new blood of that heritage. How do you think Katavasia contribute to the helenic metal scene as a band since the beginning back in 2014?

Achilleas: In South America most of the people who listen to Black or Death metal know or really like Greek bands. In Europe, North America or Asia, Greek metal is not that famous except maybe Rotting Christ. I think Katavasia helped a lot to spread this ancient style since the beginning and also introduced Hellenic black metal to many classic Heavy Metal fans. At the same time Katavasia still contribute in the genre by composing great songs with unique vocals, characteristic melodies and gloomy atmospheres. That simple.

What have you been listening to nowadays? Any favorite bands from around the world?

Achilleas: These days I’m enjoying re-listening to some classic 70s and 80s masterpieces coming from bands such as Rush, Boston, Kansas, Eloy, King Crimson, Def Leppard… these bands help me out with my mood because some days I feel a little bit depressed nowadays. I am also working on mastering, re-mastering, mixing and producing many albums the last two years so some times unfortunately I don’t have much time to listen to new releases but I really liked the new Inquisition album.

Magnus Venator (Full-length 2020)

Who in the band is a metal collector? You guys in general consume the underground material in general?

Achilleas: I think we all dig into underground stuff. Astrous has a huge collection of albums, mainstream and underground metal. Foivos is more into european Death metal, Punk, Heavy and Doom collector I think. Stefan is a HUGE collector though… he has thousands of demo tapes and demo CDs. He is a huge collector of anything underground since the late 80s and he keeps to the day communication with many, many bands around the world. He also has thousands of LPs. 60s and 70s rock, hard rock, NWBHM, Prog, Speed and Thrash Metal, Power, Black, Death, anything! He is a maniac!

What comes to your mind when we compare the Greek extreme metal scene and the European in general?

Achilleas: Hm, difficult question! I think every scene has unique elements and characteristics and we should embrace this beautiful variety. Keep an open mind and always give a chance to a different artist, genre, scene or style. There’s never just one way to do something.

So, what are the plans for KATAVASIA in the new year? What can we wait from you all?

Achilleas: We are already planning some split releases and working on new tracks.

I will live this space so we can thank you very much. It was awesome the opportunity to interview you and learn more about this true underground scene. Now it’s uo to you, you can send us in South America a message…

Achilleas: Thank you for the nice talk/interview. When travelling to South/Latin America feel always like home. especially among metalheads. Stay strong brothers and sisters and thank you for your continous support all of these years!

Mostrar mais

Ricky Lunardello

Historiador e Sociólogo, Pagão de alma Viking, apaixonado pelo Metal Extremo e pela cultura underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar