Entrevistas

LEVIAETHAN – 35 ANOS DE TRUE THRASH METAL

O LEVIAETHAN é uma banda gaúcha, sediada em Porto Alegre,  capital do RS, e foi fundada em 12 de dezembro de 1983. Lançaram 2 álbuns pela Rock Brigade Records : “SMILE”, lançado em 1990 e considerado um dos 60 melhores álbuns do Metal nacional de todos os tempos, e “DISTURBED MIND”, lançado em 92.  Em dezembro do ano passado (2018), completaram 35 Anos. Com isso, resolveram passar o ano de 2019 comemorando a marca, na “35 Years Of True Thrash Metal Tour”, participando de grande festivais e de grandes eventos de Metal por todo o Brasil. O show consiste em músicas de todas as épocas de sua carreira, desde músicas cantadas em português, até músicas que ainda não foram lançadas, passando também por músicas dos seus dois álbuns. Batemos um papo com o vocal e baixo, Flávio Soares, confiram abaixo:

O LEVIAETHAN comemorou a marca impressionante de 35 de estrada representando o Thrash Metal brazuca. Conte como foi a concepção e preparação pra essa tour?   

Flávio Soares: Na verdade, pensamos em algo especial. Não naquele formato tradicional de um show atrás do outro. Mas de podermos levar o LEVIAETHAN para cidades que nunca passamos, voltarmos aos grandes centros e fazermos grandes festivais. Ou seja, fazer o máximo para estarmos em contato com o nosso público. E o show,  passa por todas as fases da banda, com músicas da época que ainda cantávamos em português até músicas que ainda não foram lançadas.

Como foi o retorno que tiveram dela ?

Flávio Soares:Está sendo super bom, estamos atingindo um público novo ao mesmo tempo que um público mais Old School está revendo a gente

Quando tu era adolescente, descobriu a rádio Ipanema de Porto Alegre (que foi uma rádio que deu um super espaço pro som pesado que era produzido no Brasil e pras bandas de fora também). Ali um mundo novo se abriu! Como era essa época “mágica” ??

Flávio Soares: Antes da Ipanema, teve um programa na antiga rádio Continental, que na época pra mim era um absurdo. Mas a Ipanema realmente revolucionou. Podíamos ouvir Rock o dia todo, com qualidade. E ter as novidades, o que na época era muito difícil.

Qual foi os teus primeiros contatos com o metal mais pesado e o Thrash metal naquela época Flávio?

Flávio Soares: Na época, não tínhamos essa divisão de  estilos. Ou era Heavy Metal ou era Speed Metal.  Lá por 81, 82, começamos a ouvir bandas como MERCYFUL FATE, VENOM, SLAYER…. A maioria, em fita cassete.

Poderia traçar um paralelo sobre a cena underground daquela época aonde tínhamos várias lojas e locais de shows, e uma cena efervescente de metal pra todos os gostos, e nossos dias de hoje, com toda a informação que temos e não tínhamos na época?? O que acha da cena dos dias atuais??

Flávio Soares: Épocas distintas, cenas diferentes. Mas uma coisa é básica : a facilidade dos tempos de hoje fez com que se perdesse o “tesão” pela coisa toda. E isso esvaziou muito a cena como um todo.  O nosso papel hoje talvez seja resgatar essa vontade de criar e viver o Metal, até como estilo de vida.

O início da LEVIAETHAN está ligado a outras  duas bandas  gaúchas; a NÉCTAR e a ASTAROTH.  Logo em seguida em 84 vocês participaram da lendária coletânea ” Rock Garagem” conte mais sobre essa época ?? 

Flávio Soares: NÉCTAR foi uma banda que tive com colegas do colégio Champagnat, para tocar em um festival interno da escola. O ASTAROTH foi formado a partir de um desentendimento entre amigos que queriam formar uma banda. Com isso, Carmelo  Zarbá e Rossano Nadal e juntaram a mim e formamos o LEVIAETHAN, enquanto do outro lado, Eduardo Urso se juntou com outros músicos e formou o ASTAROTH. O Rock Garagem 1 teve grande importância na vida das bandas daquela época, abriu portas que não imaginávamos serem possíveis de abrir.

Vocês  conseguiram um feito muito foda que foi com uma demo lançada, fazer shows fora do sul, no interior do RS e  a demo saiu em fanzines até no Japão!  Nisso vocês tocam com o SEPULTURA em Porto Alegre, e assinam com a gravadora Rock Brigade.

Flávio Soares: Isso. Quando vimos que a resposta do exterior estava dando resultado, mudamos as letras para o inglês, e passados a compor em Inglês.  O Rock Garagem era uma mágica divulgação. Pela rede da época (cartas) nos proporcionou os shows e o contrato com a Rock Brigade.

Como foi a repercussão do primeiro álbum de vocês,  o clássico ” Smile” que saiu em 1990  pela Brigade Records.?

Flávio Soares: Foi muito além do que esperávamos. Ótimas resenhas, vendas muito boas, shows e mais shows.  Até hoje é um álbum super reconhecido. Fico muito feliz que a gente tenha conseguido esse feito.

Dois anos depois, em 1992 , foi lançado o segundo torpedo Thrash de vocês. ” Disturbed Mind” veio numa linha um pouco mais trabalhada mas sem perder a fúria do Thrash metal.

Flávio Soares: Então… Com a ótima aceitação do álbum “Smile”, partimos para a composição e gravação do nosso 2° álbum, “Disturbed Mind”. É um pouco diferente porque teve mais participação de toda a banda na composição e nos arranjos das músicas. Além de ter a ver com o que a gente curtia e ouvia na época.

A banda não lançou mais materiais, mas tu desde então vem trabalhando na cena underground, seja produzindo shows  com os programas de rádio..

Flávio Soares: É, realmente, depois  dos dois álbuns a gente teve algumas participações em alguns tributos. Na metade da primeira década dos anos 2000 a gente participou de um tributo virtual ao ANTHRAX, e mais recentemente, participamos dos tributos da gravadora SECRET SERVICE RECORDS. O primeiro foi em 2017 ao MOTORHEAD, e na sequência vieram os tributos ao BLACK SABBATH e ao AC/DC, que saiu no final do ano passado.

Paralelamente ao meu trampo no LEVIAETHAN, eu sempre trabalhei com música. Inicialmente tive um estúdio de ensaios, depois tive uma loja física especializada, alguns programas de rádio e, mais recentemente, até o presente momento, trabalho não só com produções, mas também com com assessoria de bandas e lançamentos e distribuição de álbuns de bandas brasileiras e sul-americanas. É um trabalho que sempre gostei, e desenvolver ao longo destes anos, que me deixa sempre em contato com aquilo que mais amo nessa vida : o Metal.

Vc esteve a frente  da clássica Madhouse que marcou uma geração inteira que descobriu o metal através das tuas mãos literalmente falando.

Flávio Soares: A Madhouse foi uma loja que durou por toda a década de 90, e foi muito bom poder ser referência na vida de muitos apreciadores do gênero numa época em que a informação era quase zero. Já os programas de rádio, tanto o Arrasa Quarteirão, que foi precursor, quanto o MUNDO METAL e também a experiência com a web rádio RADIO ROCKER, foram experiências extremamente gratificantes pois tu acaba tendo contato direto com fãs do mundo inteiro. Essas experiências me trouxeram inúmeras amizades que cultivo até hoje.

 Pode falar sobre a True Metal Records e distro? 

Flávio Soares: Sobre a gravadora, ela surgiu mais como uma necessidade minha para relançar os álbuns do LEVIAETHAN. Com o passar do tempo, tive a oportunidade de lançar álbuns de bandas de alguns amigos, e mais precisamente em 2018 resolvi investir novamente nela, Mesmo em tempos tão “bicudos” para lançamentos físicos. Se ela vai ter vida longa, ainda não sabemos, pois dependemos muito de resultados que não são fáceis de serem atingidos. Mas estamos aí, lutando para colocar ótimas bandas na vitrine da cena metálica.

E o LEVIAETHAN quais são os planos por agora??

Flávio Soares: Quanto ao LEVIAETHAN, os planos a curto prazo são : fazer mais algumas datas que estão incluídas na “35 ANOS DE TRUE THRASH METAL TOUR“, em comemoração a marca alcançada no ano passado, e principalmente participar novamente do Metal Sul Festival, quando receberemos a inédita homenagem determos 5 músicas nossas tocadas conjuntamente com a ORQUESTRA DE SOPROS DE NOVO HAMBURGO (OSNH). Este show vai acontecer no dia 6 de dezembro na cidade serrana de Caxias do Sul  e será histórico, algo realmente inédito e que nos deixa desde já muito honrados e agradecidos. Vai ser imperdível!

A médio e longo prazo, os planos são de seguir trabalhando na finalização do novo álbum e cair novamente na estrada, visto que passamos o ano de 2019 praticamente todo comemorando os 35 anos de carreira completados no último mês de dezembro de 2018. A ansiedade em colocar este material novo na rua é muito grande,  pois queremos mostrar como o LEVIAETHAN soa nos dias de hoje. E esperamos que todos que curtem a banda possam curtir este novo trabalho.

Flávio, gostaria de agradecer pela atenção em nos responder e pela tua dedicação ao metal e a cena underground como um todo pois você impactou mais de uma geração através de todos os teus projetos não só com o LEVIAETHAN! O espaço é seu para considerações finais.

Flávio Soares: Bom, Jonathan. Quero agradecer o espaço e todas as considerações mencionadas nessa entrevista. Me sinto honrado em participar de uma publicação tão tradicional. E sabemos que espaços como este são fundamentais para a divulgação de qualquer banda ou trampo no underground. Portanto vida longa à LUCIFER RISING. Muito obrigado, de coração, e nos vemos na estrada.

Vejam abaixo música “Guerreiros da Rua” de 1984, que fez parte da Coletânea “Rock Garagem”:

Mostrar mais

Jonatan Emanuel

Respiro e vivo o Bom e velho Metal em todas as suas vertentes, tá no sangue..desde 1985…!! Headbanging Man!!

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar