Entrevistas

LOUCYFER – O Infame Retorno Dos Adoradores Da Carne e Luxúria!

"Às vezes, tenho muitas saudades de como as bandas e pessoas no underground tinham uma interrelação mais sincera, mais íntegra. Realmente o tempo muda tudo . . ."

Me lembro que no último trimestre de 1992 eu havia me mudado de Jundiaí-SP para Planaltina-GO. Era um adolescente de 13 anos, fã de Metal desde criança, nos idos de 87. Conhecendo uns 3 fãs de Metal na nova cidade, ouvia falar do lendário Wagner Death, um cara radical, que não se misturava muito com o resto da galera da cidade. Numa tarde, para minha surpresa o trombo por acaso na rua (cidade pequena na época) e ele estava trajando uma camisa cavada com o logo gigante do Loucyfer pintado á mão. Para minha maior surpresa, o cara morava praticamente na mesma rua onde eu estava morando. ficaos amigos e na primeira ida à sua casa ele colocou pra gente ouvir os seus discos do Venom, Morbid Angel, Napalm Death, Sextrash e o clássico split LP Cirrhosis / Loucyfer, recém lançado pela Cogumelo Discos. Aquilo foi paixão à primeira audição! Por anos à fio esse split me acompanhou como um grande referencial para minhas descobertas das bandas mais extremas e obscuras do underground.

Hoje, praticamente 30 anos depois daquele dia no quarto do Wagner Death tomando pinga Caninha da Roça com Ki-Suco e ouvindo som, eu tenho a honra de poder entrevistar a banda através de seu criador e mentor Louis Cypher, que nos conta sobre o retorno da banda recentemente, o lançamento de um EP de inéditas por vir agora em 2021 e um pouco sobre a lendária trajetória de uma das bandas brasileiras de Death Metal mais importantes dos anos 90!

Louis

Grande Louis, saiba que é um prazer enorme poder entrevistar uma banda que curto desde 1992, influência nos dias de minha adolescência. Vamos, lá. O que te levou a reformular a banda após tantos anos de inatividade, desde os anos 90. Como você encontrou o cenário de Metal extremo atual? Bem diferente da época em que a banda esteve ativa, não?

Louis: Primeiramente, a banda Loucyfer agradece a oportunidade de comunicação ao AKKELDAMA ZINE, ao PORTAL LUCIFER RISING e a seus leitores. Sempre estaremos conectados e dispostos aos contatos de todos amantes da cena Underground.

Em 2019 houve um conjunto de fatores que verteram a volta do Loucyfer. Como a possibilidade de voltar às atividades com o apoio e toda a experiência de Ron Seth; o espaço para essa volta criado pela demanda e apoio de todos que curtiram – e curtem ainda – o som da banda. Juntamente ao apoio de empresas como o selo Cogumelo Rec, a Nuclear War Now! na Alemanha, entre outras formas de suporte que recebemos aqui em BH, como da banda BHell e de Studios locais como Manfredo Studio de gravação e o “To the Megatherion”.

O Cenário Metal atual está muito diferente dos 1990’s, claro, há formatos eletrônicos, digitais, mídias de massa, vários canais que ao mesmo tempo que ajudam por um lado,  atrapalham, empobrecem o Underground em outra perspectiva. Antes era tudo mais viceral, mais pela paixão ao Metal, tinha vinil pra todo lado, as coisas pareciam mais simples . . .

Ron & Louis

A banda sempre teve uma tradição de ter você (Louis) no núcleo criativo, mas sempre acompanhado de músicos talentosos. O Loucyfer conta agora em sua formação com Ron Seth (Impurity / Akerbeltz)  O que cada um de vocês traz de inovador ou diferencial na música da banda? Na formação atual todos tem vez e voz na hora de consolidar as composições seguem aquilo que Louis determina que vai ser gravado?

Louis & Ron: O Loucyfer nasceu como projeto solo, e na maior parte das gravações eu sempre criei as músicas, escrevi as letras e gravava os instrumentos de cordas no passado.

Hoje o Ron Seth é responsável pelo Baixo, e por alinhar as ideias musicais no estilo dos anos 90 “Death Metal Old School”. Ele tem muito mais experiências globais e muitos contatos, logo a direção musical/produção também fica com ele.

Eu crio, porém ele dirige e alinha o som final para o estilo da banda Loucyfer, anos 90.

A banda anunciou sua volta em 2019, mesmo ano em que a Cogumelo Records lançou o tão esperado relançamento de Worship Flesh, disco que havia saído apenas no formato LP em 1993. Esse relançamento traz de bônus o lendário EP de 91, lançado originalmente como um Split com o Cirrhosis (hoje raridade). Chegou a ser cogitado pela Cogumelo o relançamento do Split em CD, com as artes e músicas originais de ambas as bandas? Digo isso pois o Cirrhosis também está ativo novamente (os entrevistei no Akkeldama Zine # 07 em Setembro) e também estão assinados com a Cogumelo. Seria muito interessante o Split em CD:

Louis & Ron: Por enquanto, naquele formato original e artes originais o Split “Loucyfer/Cirrhosis não será relançado não. Não há previsão para isso por agora.

Ron & Louis

No momento em que a banda planejava um retorno triunfal aos palcos e ao estúdio, todos nós fomos pegos de sopetão pelas limitações impostas pela pandemia em 2020. Shows, ensaios e gravações foram adiados e interrompidos ao longo do ano. Como isso afetou os planos do Loucyfer e como vocês pretendem retomar o planejado do ponto em que as ações foram digamos paralisadas?

Louis & Ron: Tudo parado em relação às Produções externas. Em 2020, entre outubro-dezembro gravamos um EP que será lançado em breve. Mas, só isso. Os shows, projetos na Europa, divulgação em Mídia está tudo suspenso até a vacinação na maioria dos países, por motivo de viabilidade dos shows, saúde e segurança.

Land of Lust (Demo 1990)

Como anda o processo de composição de músicas, riffs, letras para um novo material da banda? Você pode nos adiantar algo sobre o direcionamento musical, temático e estético da nova fase da banda?

Louis & Ron:  Nessa produção de 2020 eu criei todas as músicas, letras e Intro – (instrumental). Tudo como o velho e bom Brazilian Death Metal, que gravamos nas épocas das Demo-tapes e do lançamento do Split. O trabalho e apoio do Ronaldo Seth é importantíssimo nesse objetivo. Não queríamos que o Loucyfer tivesse o som diferente do que está registrado naqueles petardos, a identidade da banda está lá nas músicas, nas letras. A produção temática, estético, musical está baseada naquelas produções antigas da Cogumelo Rec.

Os anos primordiais da banda entre 1989 e 1993 foram marcados por uma outra realidade tanto na forma de se gravar, ensaiar, produzir, fazer shows, se corresponder com o underground, etc. Qual avaliação você faz sobre aquela geração do fim dos anos 80 e início dos 90 para os dias atuais. Quais aspectos você acentua como positivos nesse retorno e que favorecem a banda em relação ao passado?

Louis & Ron: Naquela época havia uma vontade geral de estar integrado ao underground, vontade de tocar Metal extremo. Me parece que havia mais união, pelo menos no nosso círculo. Metal estava no sangue, os anos passavam e parecia que o Metal não deixava de existir. Às vezes, tenho muitas saudades de como as bandas e pessoas no underground tinham uma interrelação mais sincera, mais íntegra. Realmente o tempo muda tudo . . .

Flesh Desires (Demo 1991)

Pontos positivos no nosso retorno, eu diria que a tecnologia dentro dos Studios, na mídia social e no meio de comunicação estão muito mais dinâmicos em relação ao passado.

Para Louis e Ron Seth: Vocês iniciaram vossa jornada em uma época marcada por forte radicalismo e respeito na cena Death Metal no Brasil e no mundo. As bandas de BH eram respeitadas e cultuadas mundo afora, sendo referenciais para nomes que se tornaram grandes como Beherit, Impaled Nazarene, Blasphemy, etc. Você teve muitos contatos com as bandas da nascente segunda geração do Black Death Metal da época? Como você encara a atitude dos atuais fãs do gênero em relação àquela dos anos primordiais. Quais diferenças notáveis podem citar?

Louis & Ron: Naqueles tempos, a maioria dos contatos eram feitos por carta, correio tradicional e as bandas levavam um tempão pra receber e mandar contatos, mesmo assim, e justamente talvez pelas dificuldades acho que as pessoas tinham mais respeito pelos trabalhos e esforços lançados, pelas bandas daquela época.

What Is Your Pleasure? / Alcohol Rules (Split 1991)

O retorno à Cogumelo Records está estabelecido em um contrato para quantos álbuns? Como é estar de volta à casa que deu guarida à banda nos anos iniciais e nos dois primeiros lançamentos em disco?

Louis & Ron: Nesse momento não temos contrato vigente com a Cogumelo Rec.  Temos contatos de distribuição nos E.U.A pela Grey Haze, distribuições na Europa, centro de distribuição de material próprio em Londres – UK.

Com esse lançamento Loucyfer 2020 estamos trabalhando com algumas propostas de contratos. Porém, creio que vamos optar pelas distribuições em parceria a partir da Europa.

Como membros experientes da cena, do Metal, por muitos anos, qual conselho vocês dariam para a geração mais jovem, para as bandas iniciantes, que querem seguir esse caminho do Metal Extremo pelo resto de suas vidas? Quais seriam as furadas da trajetória que todos deveriam evitar à largo prazo?

Worship Flesh (Full-length 1993/Reissue 2019)

Louis & Ron:  Eu acho que as bandas recém-formadas deveriam focar em níveis de trabalhos em forma de Círculos para expansões. Pode-se usar todas as tecnologias/plataformas de mídia digital, entretanto acho boa ideia iniciar-se nos círculos menores como suas próprias cidades, Estados, com outras bandas mais próximas. Talvez trabalhar em união com participações de algumas bandas mais próximas, e então, após isso expandir para circuitos: Nacional/Internacionais.

Agradeço à oportunidade de entrevistar o Lou Cyfer, que há muitos anos sempre foi um enorme referencial para mim. Finaliza essa entrevista da forma que melhor lhe aprouver, deixando dicas de aquisição de merchandising, contatos, etc:

Louis & Ron: Gostaríamos de agradecer o espaço nos cedido no zine, agradecemos a atenção e tempo dos seus leitores; esperamos que todos gostem e entrem em contato com a gente. É muito bom voltarmos a ter espaço em Zines para nossa comunicação.

Estamos trabalhando dentro de Studio, durante essa pandemia, e logo teremos mais material de lançamento. Projeção é para um próximo full álbum, após o lançamento do nosso EP “LICHTTRÄGER” será lançado no primeiro trimestre de 2020.

 Seguem abaixo os contatos oficiais da banda:  página oficial no facebook e email.

Aguardem, novidades Brutais estão por vir!

Instagram:  @cyfer.louis

E-mail: [email protected]

Fan page: https://www.facebook.com/pages/category/Song/LOU-CYFER-2023559867752348/

ESTA ENTREVISTA  SERÁ PUBLICADA TAMBÉM NA EDIÇÃO Nº 03 DO AKKELDAMA ZINE

Mostrar mais

Tiago Siqueira

Tiago Siqueira edita fanzines impressos desde 1994. É editor do Akkeldama e do Rip Ride. Trabalha com jornalismo comunitário em Planaltina-GO.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar