Entrevistas

MALÉFICA EXISTÊNCIA ZINE – Resistência e Honra à Arte dos Zines Impressos!

"Zine impresso chega nas mãos de quem realmente entende o Underground, apoia e vive realmente a cena."

É na pacata e bela cidade de Bombinhas, Santa Catarina, que se esconde O “gigante” Walter Bacckus! Através do seu zine impresso MALÉFICA RESISTÊNCIA, e agora também, Distro, esse banger vem fazendo sua parte e contribuindo para este conturbado, desunidado e agora, dividido, cenário nacional. Confiram o bate papo que tivemos com esse amigo, que muitos nos honrou conceder este tempo para que vocês conheçam um pouco mais sobre o mesmo, e sua contribuição ao Metal!

Salve Grande Waltinho! É uma satisfação ter esse bate papo contigo! Antes de adentrarmos num assunto que temos  em comum, os Zines, me diga como foi os primeiros passos do headbanger Walter Bacckus? Como e quando tudo começou?

W.Bacckus- Saudações  meu amigo Giovan Dias !  Para mim é uma honra estar aqui conversando contigo e no portal Lucifer Rising, que é uma mídia séria de suporte e divulgação dos subterrâneos de nosso glorioso Underground. Então, eu sempre fui viciado em música. Lá em 1989  ouvia muito rádio. Quando tocava música de verdade. Aí eu descobri o Rock nacional. Bandas como Titãs, Plebe Rude, Ira, Barão Vermelho, Legião Urbana e  toda a cena do Rock gaúcho como: Engenheiros do Hawaii, TNT e Cascaveletes. Sempre gostei muito de livros, gibis e cinema. Mas quando assisti ao filme “Exterminador do Futuro 2,”  eu  já tinha gostado do filme e quando tocou “You Could be Mine”, do Guns n Roses, aquilo explodiu minha cabeça. Um ano depois conheci uma galera de um bairro perto de onde eu morava e os caras já estavam em outro nível. Com bandas na garagem ( a primeira banda que eu vi um ensaio chamava – se  Hospício) e ouvindo Judas Priest, Mercyful Fate, Sepultura, Sarcófago e Ratos de Porão. Mas quando meu amigo Roger gravou uma k7, contendo de um lado Judas Priest  e do outro Mercyful Fate, não tive mais como fugir do poder do metal. E lá se vão 30 anos.

E hoje, 30 anos depois? Judas ou Mercyful Fate?

W.Bacckus – E agora meu amigo !? 30 anos depois o Judas Priest e o Mercyful Fate são muito importantes na minha vida. Mas enfim, Amo Mercyful Fate ! Mas Judas Priest é a banda que está no coração.

Com Dan Beehler (Exciter)

E como surgiu a ideia de ser editor de zine? Um zineiro?

W.Bacckus –  Baah essa é uma longa história e aconteceu ” em uma  galáxia muito  distante “, há muito tempo atrás… lá em 1996. Como todo Metalhead eu queria montar uma banda junto com meu amigo/irmão de coração Jeff Menzen. Montamos a banda ” Dark Souls ” e logo descobrimos que não tínhamos aptidão para ser músicos e aquilo nos frustrou. Mas queríamos ajudar a cena Underground, e na mesa de um bar cheio de etílicos, perguntávamos um para o outro, como ? E o Jeff surgiu com a ideia de um fanzine. Foi aí que começou o meu amor por fanzine. O Jeff lá em 1997 montou o ” Azathoth zine ” (Fòz do Iguaçu/PR) que contou com duas edições, e eu ajudava na divulgação. Aliás, foi bem pouco divulgado, porque era muito difícil naquela época. Na segunda edição (1999)  eu participei entrevistando a banda curitibana Eternal Sorrow. Minha primeira entrevista no submundo. Depois, já morando no litoral catarinense, participei como colaborador do Warzine (2006), artefato feito pelo meu amigo Wilson ” sir ” Henkles e em 2016 resolvi dar vida ao meu próprio artefato.

Quais foram suas fontes de inspiração?

W.Bacckus – Minha primeira fonte de inspiração foi meu amigo Jeff & Azathoth zine. E depois em 2006, quando meu amigo Caesar da Forbidden Music Distro, que na época morava em Itajaí (SC), me apresentou o Desgraça Zine de Salvador, Bahia. Eu admiro muito esse zine! A mente por trás desse artefato é o Robson Carvalho, e esse cara é foda!

Jeff Menzen – Não sei se há necessidade de eu falar de minhas influências, cara, lembro um pouco  mas foi mais o lance de experimentar textos e colagens no formato de zine com o intuito de divulgar o Underground junto com Metal e poesias. Eu gosto muito de Poe, Baudelaire e o impressionismo Alemão e na época tinha pouco acesso a imagens. Mas lembro de umas imagens de cemitérios, fotos muito massa que eu achava no buscador ” ativista,”  gente que nasceu com o Google talvez nem lembre disso. Minha inspiração é o gosto pelo Metal, pelo Underground, saber que tá circulando de mãos em mãos em algum lugar aleatório do território levando a arte dos zines.

Então, apresente para quem ainda não conhece, o seu zine! Fale-nos um pouco dessa trajetória até agora.

W.Bacckus – Baah é difícil falar de seu próprio trabalho. Mas enfim… é um fanzine dedicado para os amantes do Metal e do Underground. Se tu for um Metalhead que apoia o Underground sem frescuras e apoia o Metal nacional é só entrar em contato. ” Unidos somos fortes!!!” O M.E.Z. despertou do seu sono no inverno de 2015. Mas a primeira edição levantou das tumbas no verão/2016.

E dificuldades, o que você pode destacar que mais trás dor de cabeça na hora de elaborar uma edição?

W.Bacckus – Então, as dificuldades sempre atrapalham, principalmente a falta de grana e também porque eu sozinho faço as entrevistas, resenhas, textos e divulgação. Outra dor de cabeça é que o Jeff faz a diagramação e ele mora em Fòz do Iguaçu (mil km daqui) e às vezes perdemos arquivos enviados por E-mail; e a falta de tempo, já que trabalhamos. Mas o amor pelas escritas subversivas e ao Underground supera tudo.

E como anda o apoio a este trabalho? Acredita que os fanzines impressos tem apoio e reconhecimento nos dias atuais como foi na época de 90?

W.Bacckus – Baah melhor impossível. Aliás, até me surpreendeu o apoio que tenho recebido com meu trabalho. Mas diga – se de passagem, sem o apoio de alguns amigos esse artefato não existiria. E um deles é o Jeff ! Sem as suas artes na diagramação eu não conseguiria ! Já que não é a minha área. E o trabalho dele faz toda a diferença. O apoio foi tão bom, que recebi matérias de vários selos do Brasil, entre eles o frater Leandro do selo mineiro Eclipsys Lunarys que me chamou para participar em parceria em dois lançamentos : Imperador Belial e Verthebral. E a partir da segunda edição o zine também virou uma distro por esse convite feito. Felizmente, é fato sim, que os zines ainda tenham apoio e admiração. Pouco mas tem sim. Nada será como foi nos anos 90. O cenário mudou muito de lá para cá né ? Zine impresso chega nas mãos de quem realmente entende o Underground, apoia e vive realmente a cena.

Com Hélio Patrizzi (Warbound, ex-Bywar)

Voltando a falar na elaboração do seu zine. Quais os critérios que você utiliza para convidar uma banda para participar? 

W.Bacckus – Primeiro eu tenho que gostar da banda e ela tem que ter postura dentro da cena. Outra coisa : como eu não sou músico, as minhas resenhas serão colocadas no zine conforme eu sinto a música. Se me fez a cabeça e o coração. Eu gostei, tá dentro! Nunca, jamais colocarei uma resenha para criticar a banda. Se não gosto da banda ou do material lançado, não será resenhado.

Então posso considerar que o Maléfica Existência Zine é um trabalho que se espelha completamente em seus gostos pessoais e no que apóia ou é um instrumento de comunicação Underground com o objetivo de informar, se isentando do seu conteúdo?

W.Bacckus – Sim, meu amigo ! Totalmente baseado nos meus gostos musicais e conforme penso a respeito de conceitos e postura Underground. Para mim, postura e radicalismo consciente são necessários dentro da cena. Afinal, o Metal/Underground sempre foi e sempre será contracultura. Ou seja : jamais nos isentaremos e passaremos a mão em radicalismo sem fundamento ou white metal; ou, nos cânceres do nazismo e xenofobia dentro da cena. No M.E.Z. nós jamais apoiaremos bandas favoráveis ao governo do ” Deus acima de tudo “.

Com Marcelo Fagundes ( Battalion)

E o que você destaca de Zines impressos que circulam atualmente no Brasil?

W.Bacckus – Fanzine sempre foi e sempre será a verdadeira ” imprensa dos subterrâneos “, sem rabo preso. E aqui no Brasil temos muitos zines & Editores sérios. Eu destacaria : Robson & Desgraça Zine, Carlos Nephasthorm & Pecátorio Zine e muitos outros que esse demônio tá envolvido, Samir & Crust the Cross, Tadeu & Turvo Zine, André & Sepulchral Voice, Fábio & Old Coffin Spirit, Giovan & The Glory Of Pagan Fire, Cristiano Borges & Cangaço Rock, Célio & Pagan Vastaland ,Luciano & Seraph zine, Guga &, Acclamatur, Warfare book, Resistência Opositora, The Return, Blackheart, e muitos outros que, possivelmente esqueci de citar aqui. Todos fazendo um ótimo trabalho de resistência em um mundo digital.

Como zineiros, sempre estamos ouvindo novos lançamentos, novas bandas. O que você pode indicar que lhe chamou atenção recentemente?

W. Bacckus – Verdade meu amigo ! O lance legal de tá envolvido com zine/ web zine é o amor que temos pelo Metal e consequentemente vamos descobrindo muitas bandas matadoras. Acho que temos muita banda foda lançando muitos materiais destruidores. Ouso dizer que a cena brasileira e da América do Sul, não perde em nada para outros continentes. Mas enfim… bandas que me chamaram atenção recentemente e posso destacar aqui: Vazio,The Black Spade, Pralaya, Hell Poison, Hisssarlion, Unholy Outlaw e eu como amante do Doom Metal, meu amigo Daniel do Verthebral, banda do Paraguai me enviou um CD de uma banda de Asuncion muito foda chamada : Dismal.

Com Gerson “Osculum Infame (ex-Amen Corner, Nox Aderat)

Trabalhar  na comunicação Underground nos dias atuais é complicado. Vc tem que agradar gregos e troianos e no final nunca agrada 100% ninguém. Qual sua posição sobre a atual cena nacional que agora foi dividida politicamente entre direita/esquerda, facistas/antifas ?

W.Bacckus – Pois é. Mas eu  não edito um zine para agradar ninguém. Faço porque eu gosto ! O que me deixa triste é que muitos amigos próximos à ti, não te apoiam, e ao mesmo tempo, o apoio vêm de pessoas que tu não imaginava…  Estou mais preocupado em receber o feedback de quem faz alguma coisa pela cena, e tem muitas pessoas sérias, como você Giovan, e tantos outros, como as distro, zines e selos. É desses, dos que fazem as coisas acontecer que  eu aceito críticas e elas fazem a gente crescer. Baah esse lance de política é uma merda. Eu não sou nem de esquerda e nem de direita. Foda – se as duas. Mas com esse ” desgoverno ” aí, temos que deixar claro que não o aceitamos e temos que lutar e derrubá – lo. Somos Metalheads, e como tal, somos a escória dessa sociedade de boa família e bons costumes. Foda – se o Deus acima de tudo. Somos adoradores do Rock/ Metal e somos a contracultura Sempre. Fascistas morrem lentamente.

Quais as novidades para os próximos meses ?

W.Bacckus – A novidades é que já estamos trabalhando na quarta edição do zine e vai tá matador ! Se nada der errado, sabe como é tirar grana do próprio bolso, e o país tá passando uma fase ruim, economicamente falando né ? Mas, em abril despertará a quarta Edição dessa Maléfica arte subversiva. E espero fazer um festival com o nome do zine em breve.

Considerações finais.

W. Bacckus – Meu querido amigo Giovan Dias, eu agradeço do fundo do coração o apoio que tu sempre deu ao nosso trabalho. É o que eu sempre digo : Unidos somos fortes ! Saiba que respeito muito teu trabalho com o The Glory Of Pagan Fire Zine e aqui no portal Lucifer Rising.

Um grande abraço e força sempre !!!

 

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar