Entrevistas

MALIGNANT – Death Metal Sem Seguir Tendências

ENGLISH VERSION CAN BE CHECKED AFTER THE PORTUGUESE ONE.

Se engana quem pensa que o Death Metal americano ficou defasado e é sustentado pelas bandas do passado. Do Sul da Califórnia a banda MALIGNANT representa uma nova safra que confirma que o estilo do Metal da Morte está mais destruidor no solo americano do que nunca. Confiram!

Apresente-nos a banda ao público brasileiro! Pois há pelo menos nos EUA umas 3 bandas como o mesmo nome, correto?

Malignant: Olá. Somos MALIGNANT do sul da Califórnia, formada no verão de 2017.
Nossa formação atual é:
Marco Tcsain – vocal
Fernando Psijas-guitarra
Mauricio Rivera-guitarra
Ethan rei Ayala-bateria
Antonio Arias -baixo
E sim, estamos cientes de que existem mais de três bandas chamadas MALIGNANT, mas quando pensamos no nome da banda, não pensamos muito sobre isso.

“Purity Through Putrefaction” é o trabalho de estreia da banda. Um EP do mais puro e brutal Death Metal. Como está a divulgação e recepção dos deathbangers?

Malignant: Fomos bem recebidos em nossa cena local e recebemos muito reconhecimento de fãs de outros países da América do Sul, Rússia, Alemanha e Ásia.

Pelo título do EP e de músicas como “Depolarization of the Spine” e “With Odious Disgust” já sabemos o tema das letras da banda. Será um caminho à seguir ou pretendem diversificar a temática?

Malignant: Liricamente, pretendemos permanecer no mesmo reino de sangue e brutalidade.

O que podemos esperar para  um trabalho futuro? Tanto musicalmente como nas letras? A estréia será  pelo selo espanhol Memento Mori?

Malignant: Para nossos próximos lançamentos, pretendemos manter o mesmo seguimento musical e lírico. Nos “separamos” da Menento Mori e nossos lançamentos futuros serão pela Sewer Rot Records.

Cite três músicas que desejariam fazer cover. Por que?

Malignant: Seriam DISINCARNATE – ‘The Stench of Paradise Burning, GORGUTS – ‘Rottenatomy’,  AUTOPSY– ‘Gasping for Air’.  Existe uma grande influência em nosso som e intensidade que vem deles.

Por que escolheram fazer Death Metal?

Malignant: Nós estamos no Death Metal desde tenra idade, não tentamos seguir uma tendência, tentamos criar nosso próprio som a partir das influências com as quais crescemos.

Meses atrás vocês tocaram com os finlandeses do CONVULSE. Como foi essa noite  onde tocaram com uma banda da velha escola?

Malignant: Tocar com o CONVULSE foi um dos destaques de nossa jornada musical como banda. Foi uma experiência incrível tocar com a banda e conversar com lendas do Death Metal.

Apresentações ao vivo é um ponto forte da banda, já com vários shows no seu currículo. Qual banda vocês escolheriam para uma turnê: CARCASS, MORGOTH, SUFFOCATION ou GORGUTS? Por que?

Malignant: Será uma honra tocar com qualquer uma dessas bandas, mas o SUFFOCATION estará no topo da lista. Eles foram uma das primeiras bandas de Death Metal que descobrimos.

Falando em turnê, acaba sendo inevitável tocar em locais, lugares e ambientes nada agradáveis, devido a falta de profissionalismo de alguns produtores. Mas isso é superado pela garra e vontade de fazer Metal da Morte. Mas e tocar com bandas de White Metal ou Nazistas? Qual seria a posição da banda?

Malignant: Não nos é estranho tocar em shows desorganizados ou não profissionais, mas não nos associamos a bandas de supremacistas brancos. Não compartilhamos sua ideologia e crenças porque todos somos descendentes da América Latina e do Sul.

A política americana no que diz respeito a imigrantes e até mesmo turistas é cada vez mais rigorosa. Recentemente a banda holandesa FUNERAL WINDS foi proibida de entrar no país, assim como o guitarrista da banda WATAIN. Vocês acham que o governo pode acabar influenciando no cenário musical do seu país? Limitando a entrada de bandas de Metal na defesa dos”bons costumes” e da família cristã americana?

Malignant: O clima político atual na América não é apenas uma ameaça ao Death Metal, mas a todas as formas de música extrema apreciadas pelos fãs nos EUA. Mas, como o passado mostrou, isso é apenas uma tendência na política. Grupos como o PMRC tentaram censurar o metal antes, mas falharam em nosso país.

Vocês conhecem as bandas brasileiras que fazem Death Metal? O que destacam?

Malignant: Estamos familiarizados com lendas brasileiras como SARCÓFAGO e SEPULTURA, mas também amamos o Thrash e o punk que vêm do seu país, como APOCALYPTIC RAIDS, POWER FROM HELL e SEXTRASH.

Agradecemos por disponibilizar essa entrevista. Vida longa aos maníacos do MALIGNANT. Deixem aqui suas palavras finais.

Malignant: Obrigado por nos dá a oportunidade de está em sua revista. Queremos saudar Sewer Rot Records, father Mullet e Max, o Deathhaus (local de ensaio) e nossos fãs.

It is misleading to think that American Death Metal has lagged behind and is supported by bands of the past. From Southern California, the band MALIGNANT represents a new vintage that confirms that the style of Death Metal is more destructive on American soil than ever before. Check it out!

Introduce us to the band to the brazilian public! Because there are at least 3 bands in the US with the same name, correct?

Malignant: Hello. We are MALIGNANT from southern California, we formed in summer of 2017.
Our current line up is :
Marco Tcsain – vocas
Fernando Psijas-guitars
Mauricio Rivera-guitars
Ethan rei Ayala-drums
Antonio Arias -bass
And yes we are aware there is more than 3 MALIGNANT bands but when we first thought of the band name we didnt put too much thought into it.

“Purity Through Putrefaction” is the band’s debut work. An EP of the purest and most brutal Death Metal. How is the dissemination and reception of deathbangers?

Malignant: We been well received in our local scene and we gotten alot of recognition from fans and other countries in South America, Russia, Germany, and Asia.

By the title of the EP and songs like “Depolarization of the Spine” and “With Odious Disgust” already know the theme of the band’s lyrics. Is it a way forward or do you intend to diversify the theme?

Malignant: Lyrically, we intend to stay in the same realm of gore and brutality.

What can we expect for future work? Both musically and in lyrics? The release  will be by the Spanish label Memento Mori?

Malignant: For our upcoming releases we intend to keep the same momentum musically and lyrically .we parted ways with Memento Mori and our future releases will be under Sewer Rot Records.

Name three songs that you would like to cover. Why?

Malignant: DISINCARNATE -‘The Stench of Paradise Burning’,  GORGUTS-‘Rottenatomy’, AUTOPSY- ‘Gasping for Air’. There a big influence on our sound and intensity that comes from it.

Why did you choose to do Death Metal?

Malignant: We’ve been into Death Metal since a young age, were not trying to follow a trend were trying to create our own sound from the influences we grew up with.

Months ago you played with the CONVULSE Finns. How was it tonight where you played with an old school band?

Malignant: Playing with CONVULSE was one of the highlights of our musical journey as a band. It was an amazing experience to play with the band and talk to Death Metal legends.

Live performances is a strong point of the band, with several shows under its belt. Which band would you choose for a tour: CARCASS, MORGOTH, SUFFOCATION or GORGUTS? Why?

Malignant: It be an honor to play with any of these bands, but SUFFOCATION will be at the top of the list . They were one of the first Death Metal bands we discovered.

Speaking of touring, it is inevitable to play in unpleasant places and environments, due to the lack of professionalism of some producers. But this is overcome by the claw and desire to make Death Metal. But what about playing with white metal bands or Nazis? What would be the position of the band?

Malignant: Were no strangers to playing unorganized or unprofessional shows but we wouldn’t associate with white supremacists bands. we don’t share their ideology and beliefs because were all of Latin and South America descendants.

American politics with regard to immigrants and even tourists is increasingly strict. Recently the Dutch band FUNERAL WINDS was banned from entering the country, as was the guitarist of the band WATAIN. Do you think the government could end up 12- influencing the music scene in your country? Limiting the entry of Metal bands in defense of “good morals” and the American Christian family?

Malignant: The current political climate in america is not just a threat to death metal but to all forms of extreme music enjoyed by fans in US. But as the past has shown this is just a trend in politics. groups like the PMRC have tried to censor metal before but have failed in our country.

Do you know the Brazilian bands that make Death Metal? What stand out?

Malignant: Were familiar with Brazilian legends such as SARCOFAGO and SEPULTURA, but we also love the Thrash and Punk that come from your country like APOCALYPTIC RAIDS, POWER FROM HELL  and SEXTRASH.

Thank you for making this interview available. Long life to MALIGNANT maniacs. Leave your final words here.

Malignant: Thank you for giving us the opportunity to be on you magazine . We wanna give a shout out to sewer rot records, father Mullet and Max, the Deathhaus and our fans.

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar