Entrevistas

MALKUTH – A nossa devoção por Lúcifer e toda a sua Regência de Demônios e Entidades continua!

O MALKUTH já pode ser considerada uma banda clássica do Black Metal brasileiro, formada em 1993, a horda coleciona uma discografia incrível e extremamente venerada pelos maníacos do Metal extremo. Hoje conversamos com o vocalista e guitarrista Sir Cernnunus Ashtaroth para saber um pouco mais sobre o atual momento, trabalho, projetos futuros e muito mais, confira:

Sir Cernnunus Ashtaroth, Foto por: Divulgação

HAIL! Primeiramente, muito obrigado pela entrevista. Vamos começar falando sobre essa nova formação, quais foram os principais motivos que levaram a estas recentes e constantes mudanças? E fale um pouco mais sobre o guitarrista Kronos:

Sir Cernnunus Ashtaroth – Nós é quem agradecemos pelo espaço e oportunidades de sermos entrevistados por um nome tão forte e estimado no cenário underground nacional! Bem, mudanças de formação são bastante frequentes e comuns no Malkuth ao longo destes 26 anos pelos mais diversos motivos, sejam eles pessoais ou por incompatibilidade de ideias e até mesmo pela falta de tempo de alguns dos ex-membros, mas sempre foram saídas relativamente “amigáveis” e em comum acordo, pelo menos é o que eu penso. Sabemos da dificuldade que é lhe dar com humanos e perseverar no meio underground do Metal Extremo, sabemos que a resistência é para poucos.
Recentemente, recrutamos um segundo guitarrista para fortalecer e somar à sonoridade da nossa horda. Kronos é um excelente e versátil guitarrista, além de experiente por já tocar numa formidável banda de Black Metal local chamada Evrah (PE). A atual line up é: Sir Cernnunus Ashtaroth (Vocal & Guitarra), Kronos (Guitarra), Ghoul (Contra-baixo) e Vetis (Backing vocals & Drums).

Você acredita que esta pode ser a formação mais entrosada da banda? Ou é necessário mais tempo para se ter uma ideia melhor?

Sir Cernnunus Ashtaroth – Nada melhor do que o tempo para nos mostrar isto! Esta atual formação é bem recente e faremos a nossa primeira aparição ao vivo (com esta line up) no dia 19 deoutubro de 2019 num show local (PE): o “Primeiro Darkside Festival”.

Vetis, Foto por: Divulgação

Podemos dizer que “Voodoo” é o melhor trabalho do MALKUTH? Tanto em composição, quanto em produção?

Sir Cernnunus Ashtaroth – Pessoalmente, acho sim! Melhores construções líricas e musicais, produção artística mais desenvolvida, mas queremos mais para o nosso próximo álbum! Mas, há bangers maníacos no underground que gostam muito também dos nossos opus anteriores e mais antigos, é bem relativo isto!

Vi em outras entrevistas que a banda tem muita influência da cena grega, certo? Na visão de vocês, quais as principais bandas de Black Metal da atualidade vindas desta região?

Sir Cernnunus Ashtaroth – Creio que mais no início da banda lá pelos idos de 1993 para 1996.
Acho que hoje a nossa música já tomou moldes mais personalizados e pode-se observar um Black Metal com nuances mais voltados para a cena escandinava/nórdica mais agressiva e nostálgica…
Gosto muito do Metal Old School grego, bandas como Rotting Christ, Septic Flesh, Necromantia, Vorphalack, Varathron, entre muitas outras, são incríveis e influentes!

Fazendo um apanhado da discografia, qual material que mais agrada ao MALKUTH (podes citar mais de um), e vendo internamente, qual destes trabalhos mais agradaram o público e a mídia especializada?

Kronos, Foto por: Divulgação

Sir Cernnunus Ashtaroth – Gosto muito do “Voodoo” (2018) e do “Nekro Kult Khaos” (2006). O público aclamou bastante o mais recente “Voodoo”, mas há quem goste muito dos primeiros trabalhos nossos como a DT de 1995 “Glory and Victory”, o EP “Under Delight of the Black Candle” (1997) e os primeiros álbuns “The Dance of the Satan’s Bitch” (1998) e o “Extreme Bizarre Seduction” (2001). Há quem goste bastante também dos nossos álbuns mais intermediários como o “Destroying the Symbols of Lies” (2002) e o “Fourth Empire” (2003).

A banda estreará a nova formação no ‘Primeiro Darkside Fest’ – que acontecerá no dia
19/10/2019 na capital pernambucana – o que o público pode esperar deste show?*

Sir Cernnunus Ashtaroth – Podem esperar por um dos melhores shows nossos, daremos todo o nosso suor e sangue para que seja um cerimonial digno de louvor à Lúcifer e a toda a sua Corte de Demônios! Hail!
*Esta entrevista foi realizada antes da data do show e infelizmente somente divulgada após o evento por causa de alguns problemas com nosso servidor de e-mails.

Como estão os preparativos para um novo álbum? 

Ghoul, Foto por: Divulgação

Sir Cernnunus Ashtaroth – Estamos trabalhando arduamente nas composições que farão parte do que será o nosso oitavo álbum oficial de carreira. Creio que até o meio do ano que vem faremos um lançamento em formato especial em homenagem aos nossos 27 anos de horda! Aguardem!

Quais são os projetos para este último trimestre? E para 2020, o que podem adiantar para nós? 

Sir Cernnunus Ashtaroth – Que venham mais cerimoniais ao vivo para espalharmos a Palavra Luciferiana pela face da Terra! Finalizando as novas músicas para o nosso novo álbum vindouro (cogito lançamento oficial para meados de 2020), porém provavelmente terá um lançamento prévio nas plataformas virtuais ou simultâneo com o lançamento físico. Ainda iremos decidir a melhor maneira…

Obrigado pela entrevista, deixamos este espaço para as considerações finais: 

Sir Cernnunus Ashtaroth – Gratos pela excelente entrevista! A nossa devoção por Lúcifer e toda a sua Regência de Demônios e Entidades continua! Somos os Filhos da Serpente! E não sossegaremos até que resgatemos à nossa Ancestralidade Pagã sobre a face da Terra. Que se destruam para a sempre toda esta farsa chamada de cri$tianismo e afins! Hail!

Confira abaixo o lyric video de “Anticristum Belicus” do opus Voodoo:

Mostrar mais

Luis Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar