Resenhas - LPs/Cds/K7sStormy News

MOONSPELL – Hermitage

CD / 2021 / Napalm Records

Os portugueses Moonspell voltam com força e lançarão “Hermitage”, que será no dia 26 de fevereiro, de 2021, através da Napalm Records e contará com 10 faixas, cantadas totalmente em inglês. Este lançamento sucede a “1755”, que conta a história de um terramoto, que devastou a cidade de Lisboa, em Portugal, lançado em 2017. Mas passemos a falar do presente álbum, que é para isso que estamos, não é verdade?

Este é o primeiro registro onde Hugo Ribeiro (atual baterista), nos presenteia com as suas qualidades, enquanto músico, baterista e sucessor de Miguel Gaspar (ex baterista da banda).

O álbum começa com “The Greater Good”, o primeiro single de apresentação, que é um alerta dos tempos em que vivemos e um “Imagine” desses mesmos tempos. A introdução é fantástica, feita pela guitarra de Ricardo Amorim e Pedro Paixão, na programação, a criarem uma atmosfera mística, que nos prende. A voz de Fernando Ribeiro é tão mágica, que faz com que prestemos atenção na mensagem da música. O baixo de Aires Pereira é a loucura e Hugo é um digno sucessor.

Passemos a “Common Prayers”. As guitarras, juntamente, com o baixo e a bateria, criam plenitude. Mas o ponto forte, é sem dúvida, o ambiente criado pelo teclado.

Para quem gosta de sons mais vintage, a atmosfera, interpretação e som gótico, então sem dúvida, “All Or Nothing” é para as mesmas pessoas, pois o vídeo assim o sugere, tal como a música.

A faixa com o mesmo nome, é mais “Moonspell”. Mais solos de guitarras, a voz a qual o Fernando nos habituou, bateria rápida, teclado e baixo a condizer.

Para mim, uma das músicas fortes, é “The Hermit Saints”. Destaco os coros, juntamente com a voz de Fernando e a parte instrumental. Que beleza de música.

Um álbum não fica perfeito, sem um faixa instrumental, onde se pode conhecer e desfrutar dessa mesma parte. Eis “Solitarian”, que tal como o nome indica, para usufruir solitariamente na noite, e não só.

“Hermitage” pode não ser o próximo “Wolfheart”, “Irreligious” ou “Night Eternal”, mas merece ser ouvido e apreciado. Pode trazer novos ouvintes ou não, mas é Moonspell e basta.

Mostrar mais

Rak Miranda

Colaboradora e jornalista da webzine portuguesa, Metal Imperium e reviewer na revista grega MythofRock.gr. Apreciadora de Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar