Resenhas - ZinesStormy News

REX INFERIS ZINE #02 – MARÇO/2021

Tremenda satisfação ter em mãos a segunda edição do REX INFERIS ZINE. É gratificante ver que um dos pilares do Underground, os zines impressos, estão sendo perpetuados através de uma geração que surgiu nessa transição do século XX para o XXI, onde CDS e MP3 começaram a disputar um lugar no mercado fonográfico, onde os zines impressos começaram a ser esquecidos devido a essa velocidade e facilidade que temos hoje com a internet. e onde o quarto de casa e a tela do youtube ficou muito mais atrativo que os shows nos inferninhos pelo Brasil à fora.

Enquanto boto para rolar o LP “Antes do Fim” do Dorsal, vou pensando e percebendo que essa cultura pode ser muito bem representada por uma nova geração que sabe usar perfeitamente o analógico e o digital, não deixando nossa cultura pervertida, contestadora e subversiva esquecida num passado nem tão distante.

Danilo Vagner em parceria com Felipe Rodrigues e Kaique Araújo começam a criar sua própria identidade editorial, onde acredito que em próximas edições você nem precise olhar a capa para dizer; “Isso aqui é REX INFERIS ZINE”. Todo design gráfico feito pelo Danilo é bem variado e singular.Textos e imagens sobrepostas trás aquela visão dos primeiros zines da década de 80/90 e isso fica excelente. Infelizmente só não digo que 100%, porque com a idade chegando dá um trabalho danado fazer uma leitura à certa hora da noite quando a vista está mais cansada. Deixei o texto “Resenha Setembro Negro 2019” (eu daria o título algo como “Um Lunático Deathbanger no Setembro Negro 2019”) para ler à tarde, pois o layout destas únicas páginas não agradaram o “ceguinho” aqui (pode me chamar de rabugento, aceito sem cara feia..hahaha).

O interessante é que folheando as páginas me deparo com fotos de grandes amigos que esse underground me trouxe, muitos pelo mundo  virtual, outros de época de cartas e demais das noites metálicas da cidade sem salvação. Os primeiros e velhos amigos que abrem a sessão de entrevistas são da banda DEFORMITY BR. Puta entrevista com o grande Yuri Hamayano. Se você pensa que vai ler uma entrevista com a palavra sangue 20 vezes, carnificina umas 30 vezes e pus mais umas 22 vezes, é um ledo engano. Entrevista inteligente e bem elabora respondida por alguém com conhecimento, argumento e que sabe o que está falando. O papo gira sobre Death Metal, história da banda, shows, estrada, dificuldades, pandemia, política. Em seguida temos o DeathGrind dos mexicanos do PUTRESCENCE e logo após a APUS que já estão na estrada e nas sombras do Death Metal soteropolitano há muitos anos, mantendo uma postura restrita mais que não se deve confundi com radicalismo gratuíto.

Mais uma vez o Death Metal feito no Planalto Central tez vem nos diversos zines que circulam por aí. Aqui, me foi apresentado  a banda NEKKROFUNERAL, na qual preciso conhecer. Como referência, a banda é formada por integrantes de outras, como Absent, Burial Kurgan, Malicious Intent, A Peste, Descalabro, Vela Negra etc. Depois, de lá da Paraíba surge o já conhecido pelo público baiano NECROHUNTER,com uma breve conversa.

Com a entrevista do INNUMERABLE FORMS, Death/Doom americano,  percebemos que não só de Death Metal vive o REX INFERIS, mas também do Death, Doom e Black Metal, além de sair da “regra” de entrevistar só bandas, pois encontramos um bom bate papo com o Rolldão da já renomada KILL AGAIN RECORDS. Curti muito a entrevista que conta com uma foto do Rolldão com grandes amigos em algum festival pelo Brasil,  provavelmente o Setembro Negro!  E por falar em amigos, olha que tomando quase toda a página (hahaha..é brincadeira gigante!), surge o FÁBIO BRAYNER para falar de sua trajetória como banger e suas atividades vinculadas a nomes como Sanctifier, As The Shadows Fall, Decomposed, Rigor Mortis Zine, The Old Coffin Spirits Zine entre outros. Ainda encontro o velho amigo LORD VLAD, ao qual tenho enorme admiração, na sessão “Crônica do Headbanger”.

Como dito, as páginas aos poucos vão ficando mais fúnebres e melancólicas aos nos depararmos com uma entrevista com dois grandes ícones do Doom Metal Nacional: SERPENT RISE e HELLLIGHT!!!  O Black Metal tem uma única representação nesta edição, porém com nome e respeito, Das Minas Obscuras temos o IN NOMINE BELIALIS. Mais uma entrevista muito bem feita de ambas partes, trazendo muita informação e assuntos diversos, desde a trajetória da banda e o ocultismo.

Os caras ainda me surpreendem com duas bandas que conheci há cerca de uns três anos atrás e que de cara me chamaram logo atenção. A banda americana MALIGNANT ALTAR (senão conhece corra atrás. O som dos caras é podre e doentio!) e a dinamarquesa UNDERGANG que para mim lançou o álbum que ficou na minha lista dos melhores lançamentos gringos do ano passado, o  full “Aldrig i Livet”.

Resenhas muito bem escritas não podiam faltar, uma sessão com news, e uma página com uma arte feita pelo já renomado Emerson Maia, inclusive também foi o responsável pela arte de capa onde “passamos o conceito com a mistura do filme Sexta Feira 13 e a capa do clássico Death Shall Rise do Cancer“.

São 68 páginas (tive que contar hein!!!), formato A4, encadernado e com capa transparente de proteção.

Que esses maníacos abracem essa missão das trevas com honra, paciência (muita) e determinação. Já perceberam que fazer um zine não é nada fácil como muitos possam imaginar.

Contatos: [email protected] / [email protected]

Visite: https://rexinferis.wixsite.com/rexinferis

https://www.facebook.com/2028685190726342/videos/2221620917973613

 

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar