Entrevistas

SOULSAD – Expondo visão e experiência em formato de música

"O retorno do Soulsad é uma junção de todas as experiências adquiridas, absorvidas e que me deram experiência ao longo do tempo"

Rafael Sade, foto por: divulgação

Saudações Rafael Sade, em nome da Lucifer Rising e da Pagan Tales Records é uma honra fazer essa pequena entrevista com você para falarmos sobre o Soulsad e a participação da banda na coletânea Brazilian Doom Metal e sobre a cena do Doom Metal no Brasil e no mundo como um todo e como você já passou por outras bandas, fez parte da October Doom Magazine e tem um canal no Youtube dedicado ao doom metal, o Last News, que inclusive realizou um excelente fest online no ano passado, com certeza você tem muito a nos dizer…

Rafael Sade – Não se esquecendo da clássica edição Doomsday Fest de 2013, Autumn Darkness de 2014, Winter Nights de 2015, e das sete edições do SP Doom Days realizadas pelo ano de 2016 no estado de São Paulo. Todos os eventos realizados pela minha produtora Last Time Produções.
Foram anos intensos dedicados ao doom: eventos, entrevistas, coberturas. O retorno do Soulsad é uma junção de todas as experiências adquiridas, absorvidas e que me deram experiência ao longo do tempo. E estou pronto em expor essa minha visão em formato de música.

Kinho Oliveira, foto por: Divulgação

Para começarmos, como a banda tem levado esse período tão difícil de pandemia, que tem nos afastado dos shows e do convívio social e como estão as atividades do Soulsad durante esse tempo…

Rafael Sade – Todo mundo passa por um momento muito difícil, muita coisa a se pensar, muitos momentos de reflexão. Eu já tenho arranjos para um disco completo do Soulsad faz muito tempo. O problema é que por conta dessa pandemia, e de todo mal que ela está causando, meu ânimo em passar as ideias para os outros integrantes anda bem em baixa, motivo também é que não estamos indo para o estúdio ensaiar, não nos vemos a quase 1 ano. Mas posso dizer que ao menos metade de um álbum já está sendo trabalhado.

Rafael, o Soulsad surgiu no começo dos anos 2000, mas deu uma parada em 2008 retornando somente em 2018 como duo e lançando o excelente EP “Two Funerals” e logo depois em 2019 a banda sofreu uma nova reformulação e vocês lançaram o magistral single “Doomed to Failure” que inclusive estará presente na coletânea Brazilian Doom Metal, nos fale sobre a formação atual, sobre as novidades e planos para o futuro..

Rafael Sade – Meu parceiro de banda desde o início, o baixista Marcelo Benício só esteve ausente no retorno da Soulsad em 2018. O guitarrista Kinho Oliveira chegou a fazer dois testes em 2006, mas algo não deu certo na época. Engraçado que sempre mantivemos contato desde lá, e justo quando a banda precisava ele apareceu querendo tocar. Ambos são peças fundamentais e sempre peço as opiniões de cada um antes de fecharmos algum detalhe. Logo iremos anunciar o novo integrante que será responsável pelas baquetas.

Marcelo Benicio, foto por: Divulgação

Sobre a coletânea Brazilian Doom Metal, que terá também uma revista falando sobre as 11 bandas participantes e tem o lançamento previsto para março de 2021 pela Pagan Tales Records, me fale o que vocês estão achando dessa participação e sobre a música escolhida para essa coletânea…

Rafael Sade – Eu cresci consumindo coletâneas, um grande exemplo e ótima recordação é quando chegava as edições da Planet Metal na banca de jornal do meu pai. Então eu dissecava edição por edição, e foi por lá que conheci bandas como Silent Cry, Imago Mortis e Eternal Sorrow. Fazer parte de uma coletânea com grandes nomes do cenário underground num CD acompanhado com revista é um sonho enfim realizado.

O Doom Metal nunca foi um gênero mainstream dentro do metal, mas teve o seu auge nos anos 90 e atualmente parece que vem crescendo e ganhando espaço novamente, me fale o que você está achando da cena atual do Doom Metal no Brasil e no mundo, quais são as influências do Soulsad e nos indique 03 bandas gringas e nacionais que você curte dentro do Doom Metal…

Coletânea Doom Metal (Pagan Tales Records, 2021)

Rafael Sade – É muito bom ver o Doom em alta, alavancada por bandas como Draconian, que o Paradise Lost lançando um álbum estupendo, mesmo após tantos anos em altíssimo nível. E melhor ainda é nosso cenário brasileiro ser muito bem representado pelo Jupiterian em publicações do mundo inteiro, fazendo um som autêntico e honesto.
Acho meio difícil nomear influências porque dá pra lembrar de muitas em uma só música. E essa vai ser uma tarefa ainda mais complicada para as músicas do próximo álbum, por estarem bem diferentes das que foram lançadas no EP e single

Internacionais: Mourning Sun – Shape of Despair – While Heaven Wept
Nacionais : Fallen Idol – Agony Voices – Contempty

Rafael, para finalizarmos agradeço a boa vontade e o tempo cedido a essa entrevista e agora deixo para você as considerações finais, um grande abraço e… Stay Doom!

Rafael Sade – O Soulsad agradece demais ao Rogério e a Pagan Tales pela oportunidade de fazer parte dessa coletânea histórica, é uma grande hora pra nós estar presente em mais um marco do underground nacional. Agradecemos a todos que nos apoiam e que nos acompanham mesmo após esse retorno tão repentino em tão pouco tempo. Muito obrigado e Stay Doom!

ENTREVISTA POR: ROGÉRIO MARQUES

Mostrar mais

Luis Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar