EntrevistasStormy News

STOMACHALCORROSION – A força, Garra e História do Grindcore Nacional!

"...aprendi a desviar e evitar os derrotados... os donos deste ou aquele estilo, os chamados "caga-regras".

Uma das bandas pioneiras do Grind Core no Brasil, o STOMACHALCORROSION retorna agora as páginas virtuais da LUCIFER RISING para falar do seu último trabalho, como também, expor sua ideias sobre o estilo, o momento político atual do Brasil e toda sua história nesses quase 30 anos de estrada. Confira o que Charlie Curcio tem para nos dizer:

Em 2018 vocês lançaram seu último trabalho, auto intitulado. Como está a divulgação deste álbum, tanto no Brasil como no exterior? Conte-nos um pouco sobre este lançamento.

Charlie Curcio – Sim, depois de alguns anos tentando fazer algo consistente com a banda, consegui reformular a formação e chegar a gravar o novo CD. Este era um projeto que estava arquivado em minha mente desde 2006 ou 2007. Sobre a divulgação do CD “StomachalCorrosion” (escreve-se junto mesmo), tenho feito o que posso para difundí-lo ao máximo, com panfletos, divulgações, comentários e  entrevistas nos mais variados veículos do meio underground, além de mandar muitos CDs para lojas e amigos confiáveis venderem em forma de consignação! Tem sido satisfatório.

Foto por: Filipe Silva

E como foi os shows para divulgação deste trabalho ? Alguma previsão de uma turnê fora do país?

Charlie Curcio – Fizemos alguns shows aqui em BH. Mas temos muitos compromissos pessoais com famílias, trabalhos e estudos. Além de que nossos horários e datas são distintos e isso atrapalha demais na hora de fechar algo fora de BH ou uma turnê em si. Já tentei trabalhar em uma mine turnê pelo Nordeste, mas a maneira como alguns “organizadores” de eventos tem oferecido seus trabalhos não ajudam em nada, afinal, para eles parece que impera o “tocar para divulgar”. Tô fora de trabalhar com aventureiros interessados apenas em sugar as bandas. Sempre cogitamos umas viagens à Europa. 

Como é fazer Grindcore no Brasil? A cena é forte e unida?

Charlie Curcio – Sinceramente nunca pensei efetivamente em cena, sempre fiz minhas coisas por mim e por achar legal fazer. Nunca pensei em dificuldades e facilidades em fazer nosso som e demais atividades que sempre desenvolvi no meio. Se for pensar em cena, nos demais e etc, o desânimo e frustração acaba nos abatendo, pois ninguém pensa e age igual a ninguém, e nem deve. Corro atrás (e muito) dos meus objetivos e aprendi a desviar e evitar os derrotados, os futriqueiros e geradores de boicotes idiotas, os donos deste ou aquele estilo, os chamados “caga-regras”…(risos)

Foto por: Helbert Abreu

Originalmente o STOMACHALCORROSION teve sua origem na cidade de João Pessoa, na Paraíba, em 1991. Cidade também da lendária banda ABBADON! Você acompanha o movimento paraibano? O que destaca?

Charlie Curcio – Na verdade a banda surgiu na cidade de Campina Grande, também na Paraíba. O grande ABBADON também era de Campina Grande e fiz a única entrevista com a banda concedeu em sua breve trajetória para um fanzine que editei no começo dos anos 90, o CRAZY INVASION ZINE. Um pequeno selo do Chile lançou a única gravação que o ABBADON realizou de um ensaio em uma fita cassete e o encarte é justamente essa entrevista que o Nightmare (Arilson Paganus) me concedeu. Eu mantenho contato com vários conhecidos da Paraíba até hoje, e vez por outra me encontro com alguns aqui em BH ou até  indo lá, como em 2015 quando a banda NECRÓPOLES de Campina Grande me levou para toca um som do STOMACHALCORROSION em um show ocorrido em janeiro daquele ano. A amizade e admiração continuam.

Falando ainda em tempos remotos, tínhamos muitas bandas fazendo o chamado Deathcore. Hoje dificilmente ouço este termo. Será que foi absorvido pelo Grindcore e inserido no estilo? O que acha?

Charlie Curcio – Muitas coisas que ocorreu no passado não passava de viagens de alguns caras, que brincavam de querer ser mais radicais e obscuros do cenário de então. Cada semana surgia uma termo utilizado muitas vezes por uma banda apenas, e quem os admirava, simplesmente copiava. Acredito que o Deathcore acabou sendo representado pelo Brutal Death Metal, que em alguns casos beira ao Grind. Talvez, não sei ao certo, com a expansão da utilização de vocais guturais, alguns estilos foram sendo unificados a outros e muitos foram vendo que na realidade, tudo não passava de Metal, Grind ou Hardcore…algo assim.

Foto por: Luciana

Vivemos tempos estranhos. Nosso país governado por ideias autoritárias e até religiosas. Prato cheio para uma banda de Grindcore vomitar seu repúdio, não? Fale-nos um pouco das composições do STOMACHALCORROSION.

Charlie Curcio – As letras da banda  sempre foram críticas. Gosto de comentar sobre muitas coisas que encaro dentro do próprio cenário underground. O STOMACHALCORROSION sempre foi uma banda com caminhos próprios e ligação muito forte com conceitos anarquistas. Gosto de difundir o idioma Esperanto em nosso trabalho, acredito em sua neutralidade social. E sobre os políticos…é como diz nosso som ‘You Fool’ : “se você acredita neles, você é um tolo.”

Qual sua visão sobre o futuro da humanidade? Precisaremos de apenas dois séculos para extinção?

Charlie Curcio – Sinceramente acho que tudo não passa de um ciclo, pois coisas, pensamentos, ações e efeitos vem e vão. No começo dos anos 80 tivemos os pensamentos apocalípticos, evolvendo a Guerra Fria, armagedom nuclear, etc. Se a humanidade durará mais dois séculos, menos ou mais, só o tempo dirá, a letra de nosso novo som é só um pequeno alerta reflexivo.

Apesar de uma pausa de uns 6 anos, a banda vai chegando em breve aos seus 30 anos de estrada. Nos conte a pior situação que já passaram, como também, o momento em que pensaram; “ valeu a pena”!

Charlie Curcio – Tem hora que me pergunto por que entrei nessa… (risos). Mas, sempre que rolam incompreensões, desinteresses, mudanças na formação e estes obstáculos, são momentos complicados, porque sempre quero fazer o melhor dentro das condições que tenho. Sobre o melhor momento, com certeza foi assinar o contrato para o CD de 2018 com a Cogumelo Records. Ali pensei que tudo tem valido a pena.

Foto por: Tati Gonçalves

O que falta acontecer para banda que ainda não chegou o momento?

Charlie Curcio – Gostaria muito de tocar em outros países, como na Europa, dividir palcos com algumas bandas que sempre me foram influência e espalhar a corrosão um pouco mais. Penso que o novo CD por uma gravadora como a Cogumelo Rec. me dá uma sensação de ter galgado alguns degraus em termo de expansão.

Você lançou um livro autobiográfico. Inicialmente nos diga, por que o título “Ainda.. Uma vida em um meio” ? 

Charlie Curcio – Sim, acabei lançando esta autobiografia. Acredito que serve um pouco como um pequeno resgate dos vários cenários das cidades por onde morei. E como eram as coisas na época. Muitos caras tem se identificado com o texto do livro. O nome remete à minha vida dedicada às várias tarefas que desenvolvi no meio underground, como fanzines, bandas, shows, etc.

Fale nos um pouco mais sobre o livro. O que iremos encontrar em seu conteúdo? Ainda disponível ?

Charlie Curcio – Procurei fazer resumos sobre minhas passagens nas cidades por onde morei contando como foi meus primeiros contatos com o Rock num geral, o acúmulo das bandas que fui conhecendo, as manias, as furadas e as atividades como fomento do underground em cada cidade. Os camaradas das bandas e certidões. Sim, ainda tenho umas peças disponíveis, mas tá acabando e não devo fazer segunda edição. E tem os pontos de vendas por várias cidades.

Foto por: Helbert Abreu

E quais as perspectivas para este ano de 2021 com o StomachalCorrosion?

Charlie Curcio – Em 2021 o StomachalCorrosion completa 30 anos de uma existência conturbada e sem perspectiva nenhuma, apenas fazendo o que parece necessário! Temos planos de lançar finalmente o CD tributo ao SC, um split com a banda OMAGO, do Chile e, se tudo der certo, um livro biográfico.

Deixe um recado para os iniciantes, que estão conhecendo essa rápido e agressivo mundo do Grindcore.

Charlie Curcio – O Grind é um som e meio em que acredito reinar uma maior liberdade tanto sonora, de criação como lírica. Claro que sempre surgem uns e outros querendo se apossar deste também, mas, como todos os casos, estes caras logo somem do meio e vão infernizar outros por aí afora. Agradeço por voltar à LUCIFER RISING, revista que acompanho desde seu início e tenho grande orgulho de ser o STOMACHALCORROSION o primeiro grupo Grind do Brasil a ter sido entrevistado pela revista há alguns anos. Abraço Tullula, Giovan e toda equipe da LUCIFER RISING, MUTILATION REC. e METROPOLE. A Corrosão continua!

Confiram o clip da música ‘Mental Despain’:

 

 

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar