Entrevistas

UNSAVORY – Celebrando o Death Metal em suas mais autênticas raízes

"...acredito que sempre existiram, cristãos, nazistas, fascistas e conservadores no Metal e no Rock, mas antes eles não tinham o poder da mídia nas mãos e com isso veio uma cobrança maior dos anti, acho que está havendo exageros de ambos os lados devido essa facilidade do acesso a divulgação de suas ideias pela internet, as coisas que seriam normais ou quase insignificantes antes da internet, hoje se tornam grandes problemas para o underground."

Estamos diante de uma banda que não desistiu de seus ideais, mesmo passando por grandes problemas para se estabilizar com membros que tivessem compromisso e afinidade com a sua proposta. Felizmente depois de toda luta e perseverança, a banda comemora a realização e materialização de um marco na sua carreira, o seu primeiro álbum intitulado “Nascendo No Túmulo”. Para falarmos sobre esta conquista e sobre a história da banda até aqui, convidamos o guitarristas e fundador Ronaldo Sousri. …pútrida leitura à todos!!!

Ronaldo Sousri

Saudações meu nobre conterrâneo!!! O Unsavory iniciou suas atividades em 2012 se eu não estiver enganado e gostaria de saber como surgiu essa vontade de montar essa bestialidade com seu Death Metal aterrador?

Ronaldo Sousri – Salve conterrâneo e todos que acompanham a Lucifer Rising!!! Sim, iniciei a Unsavory em 2012, cheguei em São Paulo em 2011 e não tinha planos de passar muito tempo aqui e nem de tocar em banda, queria só aproveitar o cenário daqui como espectador, queria só comprar materiais e e aos eventos, tanto que nem trouxe instrumento, porém estava sentindo muita falta dos ensaios, de tocar e de compor, pois é dessa forma que descarrego minhas energias negativas e alivio os estresse, e saio da rotina que o sistema nos obriga, então eu pedir para os amigos que foram passar uns dias em salvador trazer meu baixo e coloquei anuncio procurando outros seres com a mesma vontade de fazer um Death Metal o mais próximo possível da velha escola.

Você era baixista como mencionou acima, como foi essa transição para a guitarra? nos fale mais sobre o Ronaldo e um pouco de sua trajetória até aqui.

Ronaldo Sousri – Iniciei na música tocando baixo e não levava muito a sério, aprendi algumas coisas e já fui tocando em bandas, a primeira banda foi de Hardcore e a segunda de Death Metal dai não parei mais, passei por várias bandas em Salvador, tiveram bandas que nem saíram dos ensaios e também tiveram outras que chegaram a gravar demos, fiz diversos shows na capital e no interior e até em outro estado, em 2011 eu estava em 3 bandas: Expurgados, Into The Corpse e Vorazes, esse último foi o embrião da Unsavory, pois muitas músicas que tocamos hoje foram feitas para a Vorazes, e a transição para a guitarra foi devido a dificuldade de achar pessoas comprometidas, a gente demorou muito para fazer show por causa das mudanças de formação e para o som da banda que fica quase impossível fazer show sem guitarrista e ficar bom, percebemos que se eu tocasse guitarra a gente ia ter menos problemas nesse quesito, no início eu hesitei, mas os outros membros me incentivaram a fazer a mudança.

Os membros estavam corretos, pois ouço uma guitarra com riffs ferozes… …e já que entramos no tocante à sua música, dois anos depois de sua formação veio a primeira demo que leva o mesmo nome da banda, Unsavory. Essa demo foi a porta de entrada para que vocês finalmente fincassem sua bandeira no underground Brasileiro. Como foi a repercussão na época? e como foi visto pelos headbangers o fato de vocês apresentarem seu pútrido Death Metal em português?

Ronaldo Sousri – Obrigado pelo elogio, mas até hoje não consegui me livrar dos fantasmas de baixista, Rsrsrs. Sobre a primeira demo foi um processo muito complexo na época, pois eu gosto de planejar as coisas com bastante antecedência e eu não tinha esse plano, meus planos eram ensaiar bastante com a nova formação e fazer shows, pois foi a primeira mudança de baterista, saiu o Rone Death e entrou e Paulo Ipse da Ancient Land e o retorno do Guitarrista Elias que tocou na Apus de Salvador, que já tinha tocado em outra formação da banda, o Paulo e o Elias cuidaram da produção toda e pior foi que depois de concluída, os dois saíram, inclusive o Elias foi morar em outro estado e continuou dando sequência à produção e divulgação da demo, enquanto eu e o Félix ficamos mais preocupados em conseguir outros membros para dar continuidade a banda, com o tempo fui percebendo o valor dessa demo pois recebo muitos elogios.

…então esse foi o motivo para que vocês levassem 3 anos para lançar a segunda e fudida demo “Realidade Sádica”? aqui vocês estão em trio, correto?

Ronaldo Sousri – Exatamente, foi esse o motivo, já foi algo mais planejado e a formação era um quarteto, foi o Félix no vocal, o Amauri na bateria, o Gabriel na guitarra, e eu no baixo!

Muito bom saber… …vamos entrar no conceito lírico. Infelizmente ainda não tive acesso às letras dos trabalhos lançados, mas pelo títulos das músicas me fazem entender que vocês adotaram como temática assuntos tradicionais como morte e anti-religião, vocês também abordam temas como catástrofes e o sofrimento humano de um modo geral…. está correta essa minha impressão?? nos fale sobre todo conceito lírico e ideológico que está por trás do Unsavory…

Ronaldo Sousri – Fazemos questão de seguir essa temática tradicional do Death Metal, abordamos temas ligados a morte, anti-religião, sofrimento humano, catástrofe e também sobre as fraqueza e os abusos do ser humano.

E falando desse último tema “abusos do ser humano”, em quais âmbitos suas letras destacam mais esses abusos?

Ronaldo Sousri – Imposições de religiões e ideologias, isso gera violências e abusos cometidos contra os considerados mais fracos e inocentes.

Unsavory (Demo 2014)

E continuando ainda sobre o tema, acho bem inteligente essa abordagem, afinal não basta ser contra, tem que mostrar o porque é contra…. e como você mesmo falou sobre a prepotência da imposição cometida por muitos, atualmente estamos vivendo uma polarização política onde ambos os lados estão travando uma batalha que ao meu ver está destruindo o underground. E a imposição está até nas “opiniões”, você não é de esquerda, automaticamente é de direita e vice versa. Como o Unsavory enxerga essa mazela que assola o underground nos dias de hoje? vocês tem algum posicionamento quanto a isso?

Ronaldo Sousri – A banda não tem posição política, pois quando começamos não tínhamos essa intenção, pois nosso vocalista não se importa com política e eu sou simpatizante da esquerda e de preferência a extrema, mas o maior problema não é ser de esquerda ou direita, o problema maior é que todos hoje tem facilidade de se comunicar e impor suas regras, acredito que sempre existiram, cristãos, nazistas, fascistas e conservadores no Metal e no Rock, mas antes eles não tinham o poder da mídia nas mãos e com isso veio uma cobrança maior dos anti, acho que está havendo exageros de ambos os lados devido essa facilidade do acesso a divulgação de suas ideias pela internet, as coisas que seriam normais ou quase insignificantes antes da internet, hoje se tornam grandes problemas para o underground.

Realidade Sádica (Demo 2017)

Concordo em gênero, número e grau com a sua opinião e tua postura descrita acima. Agora vamos abordar a grande realização que está por vir, estamos prestes a testemunhar a celebração do caos…. Como se chamará o tão esperando primeiro álbum? e como está sendo toda a produção?

Ronaldo Sousri – O álbum se chama “Nascendo no Túmulo” queremos passar a ideia de que o ser humano já nasce sem nenhuma expectativa. Sobre a produção foi um trabalho muito demorado e complicado, pois estamos trabalhando nesse álbum desde 2018 e passamos por vários problemas, vários empecilhos, quase desistimos de lançar e partir para um novo trabalho, mas houve muita perseverança e empenho, e deu tudo certo, contamos com o apoio da Cossoco Records e da DFL Produção, está tudo pronto e essa semana já estará sendo distribuído.

Essa é uma ótima notícia mesmo… …como estamos ainda passando por uma pandemia que está dizimando a raça humana, talvez essa pergunta pareça inconcebível, mas mesmo assim tenho que fazer. Existem planos para a divulgação do álbum nos palcos ao redor do Brasil?

Ronaldo Sousri – É uma excelente pergunta, mas por enquanto isso se torna uma incógnita, pois a gente ainda não tem uma certeza de como vão ficar as coisas daqui para frente, vamos esperar para saber a reação da vacina e como ficará o cenário daí para frente, para a gente seria muito bom tocar em todas as regiões do Brasil.

Nascendo No Túmulo (Full Lenght 2021)

Eu tenho certeza que vai rolar… …e ainda falando do debut album… faça um resumo sobre o que os metalheads vão encontrar ao apreciar este artefato que está emergindo do inferno…..

Ronaldo Sousri – Vão encontrar tudo de ruim que se espera de pessoas como a gente que respira o underground, um Death Metal sujo, ríspido e afrontador como se fazia no início do estilo.

Ronaldo, nós agradecemos demais pelo seu tempo cedido, assim como todos os leitores que chegaram até aqui, estamos todos ansiosos para conferir de perto este marco em sua carreira. Fique a vontade, a casa é sua e este é o espaço para as suas considerações finais….

Ronaldo Sousri – Eu que agradeço a oportunidade para divulgar o meu trabalho e expor minhas ideias em um veículo sério como a Lucifer Rising, isso é o underground de verdade, espero que tanto a mídia como o público underground goste do nosso álbum e dê motivação para concretizarmos outros trabalhos. Forte abraço a você e todos que fazem da Lucifer Rising um excelente veículo de comunicação do Metal.

Ouça abaixo a faixa “Depressão Insana” escolhida para a divulgação de “Nascendo No Túmulo”:

Mostrar mais

Luis Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar