Resenhas - LPs/Cds/K7sStormy News

USURPER – EVILUTION (Advanced)

No Dust Records (Importado)

Os holandeses do USURPER são , em minha opinião uma das bandas mais injustiçadas da história do Thrash/Death Metal. Tendo sido criada em 1985 com uma sonoridade mais calcada em um Death Metal crú e ríspido, a banda lançou a demo “Praising Death” ainda sob o nome de SEPULCHRAL DEATH antes de adicionar elementos mais técnicos em sua música e finalmente mudar seu nome para USURPER em 1987; A banda lançou duas demos (“Chants of Traducement ” de 1987 e “Demo 3” de 1988) antes de lançar seu fantástico debut álbum “Divine Spiritual and Intellectual Development” em 1990. Após esse lançamento, que em minha opinião pessoal, deveria estar entre os melhores álbuns de todos os tempos, ao invés de decolar e conquistar o mundo, a banda se dissolveu e somente agora, após trinta anos, está lançando seu sucessor que espero,  repare esse erro e eles finalmente recebam o devido reconhecimento que merecem.

O álbum começa com a faixa titulo “Evilution” explodindo igual uma bomba atômica sem aviso algum nos auto falantes, riffs de guitarra cortantes, vocais viscerais e pedal duplo direto na sua cara,  acho que a idéia principal dessa composição era despejar toda a raiva contida no coração dos membros da banda ao longo de trinta anos logo nos primeiros trinta segundos de música. Essa composição já mostra tudo o que você encontrará nesse lançamento, a  começar pelo nome que dá titulo ao álbum e que faz um neologismo entre  as palavras “evil” (mal) e “evolution” (evolução)  e que não poderiam descrever de forma melhor o que temos aqui pois houve realmente uma evolução na sonoridade da banda, que não quis apenas se repetir em termos musicais e agregou novas idéias trilhando um direcionamento mais “Dark “ e “mal” por assim dizer. Muito dessa nova roupagem na música atual da banda se deve à adição de sintetizadores, efeitos e algumas passagens que beiram ao Dark ambiente, algo que realmente me pegou de surpresa e que não deveria, uma vez que nas notas do encarte da edição lançada em 2015 do álbum “Divine and Intellectual Development” pela “Marquee Records” o então guitarrista e vocalista Patrick Harreman dizia que  nas sessões de ensaio daquele que seria o sucessor do primeiro lançamento eles já estavam flertando com o uso de teclados e sintetizadores, isso já  em 1989; aliás Patrick que hoje assumiu o baixo e os vocais é também o responsável por adicionar esses experimentalismos de forma tão bem sucedida; Porém não pensem que a banda abandonou suas raízes, o riff que entra aos 3’28” é a primeira prova disso e parece ter saído das sessões de gravação do primeiro álbum lá nos anos 80. Continuamos nossa audição com “Midlife Christ” que segue a mesma vibe da primeira e não te dá tempo de se recuperar, o trabalho de guitarras nessa faixa é soberbo e aquele clima old school permeia toda a composição. “Kill M Allah” vem na sequencia e que titulo sensacional hehehe , ela começa com um muezim muçulmano cantando e logo na sequencia cai num instrumental que é impossível de se ouvir sem bater a cabeça e me lembrou algo de TESTAMENT fugindo bastante das duas primeiras músicas; a faixa cai numa passagem totalmente atmosférica surreal e é a meu ver a composição mais audaciosa que os caras fizeram ao fugirem  totalmente da zona de conforto e não somente por se arriscarem em novos horizontes mas por manterem a coesão e a harmonia entre o antigo e o novo; sensacional…  Seguimos com “Century Of Entitlement” que foi a escolhida para ser o primeiro lyric vídeo de “Evolution” e é a menor faixa de todo o álbum além de ser mais hermética e com menos experimentalismos; mas para compensar isso temos na sequência “On The Age Of A Dream”  que começa com um arranjo mais “viajado”, entra  numa sequencia puro Thrash Metal e tem uma parte central que eu arriscaria dizer  que chega a ser quase progressive me lembrando em alguns momentos algo de Tangerine Dream…  genial. “Cold Lake” é uma faixa épica com seus quase dez minutos em que os teclados e passagens atmosféricas se mostram as mais evidentes em todo o álbum; alguns riffs e passagens possuem uma pegada com muita influência de Doom Metal chegando a me trazer à mente o material mais antigo de bandas como MY DYING BRIDE (Sim, sério!!!) ; O clima apocalíptico e a aura de desolação que permeia essa música é lindo e a forma como adaptaram essas influências inusitadas ao Thrash Metal executado pela banda foi magistral. “Master In The Shadows” começa com aquele que. para mim é o melhor solo de todo o álbum e é totalmente anos 80, e a faixa “Religion In Pieces”  fecha o álbum de forma bombástica e frenética sendo provavelmente a minha faixa favorita e que traz alguns vocais de Stijn Bogers (guitarras) que ficaram sensacionais. Preciso abrir um parênteses pra destacar o trabalho de guitarras de Boudewijn Molendijk, Menno Goortjes e o já citado Stijn Bogers que é fenomenal.

Foto:Divulgação

Um bom tempo separa “Evolution” de seu antecessor, mas o equilíbrio perfeito entre o antigo e o novo , essa amalgama que permeia toda a obra unindo aquela vibe old school anos 80 com algo novo, denso e obscuro com certeza trouxe um engrandecimento absurdo à musica que eles executam e que agradará tanto àqueles que já conhecem a banda e sua história quanto quem os estiver ouvindo pela primeira vez. Todas as músicas se integram com coesão e de forma harmoniosa ainda que tenham muita individualidade, cada uma trazendo sua própria particularidade, sua própria “paisagem sonora” Recomendo demais esse lançamento que estará disponível a partir de 12 de junho pela “No Dust records”.Ouçam os links abaixo, pesquisem a banda, conheçam, adquiram e ouçam no volume máximo sem moderação.

Nota 9,0 de 10

 

 

Mostrar mais

Juliano Bonacini

Tecladista e letrista da LoneHunter (Death Metal), historiador e editor do Crypt of Eternity - fanzine da década de 90.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar