Entrevistas

USURPER – Prontos para matar pelo Metal.

O Brasil é um lugar que tocaríamos até de graça

foto divulgação

Metal até o osso !!! Não tem outra forma de descrever o som da banda americana USURPER. Tudo neles exala Metal, o visual, as letras, as capas dos álbuns e principalmente o som da banda. Metal macho daqueles cheio de testosterona que você bota pra tocar no volume máximo, abre uma cerveja e quer mais é que seus vizinhos se lasquem.  Em meados dos anos 90 resolvi publicar um fanzine junto com um amigo de São Carlos o “Crypt Of Eternity”.  Na época meu inglês era bem pior que hoje mas, mesmo assim queríamos algumas bandas de fora do Brasil para fazer parte do primeiro número. Um dos primeiros nomes que me veio à mente na época pra entrevistar foi o USURPER. Me lembro do impacto que a sonoridade e o visual da demo “Visions from the Gods” teve em mim com todos aqueles Uhs nos vocais à lá Tom Warrior do antigo vocalista Diabolical Slaughter. A banda lançou álbuns fantásticos no decorrer dos anos e se dissolveu em 2007 retornando somente em 2015. Agora em março de 2019 finalmente eles lançam um novo álbum após um hiato de mais de uma década, o colossal “Lords Of The Permafrost” e após mais de vinte anos eu tenho a oportunidade de uma vez mais entrevistar o guitarrista Rick Scythe que nos fala mais sobre esse retorno e nos dá detalhes desse novo lançamento que estrá um verdadeiro soco na cara.

Quatorze anos após o ultimo álbum de estúdio “Cryptobeast” e vinte e cinco após a demo “Visions from the gods” vocês estão retornando com um novo álbum devastador “Lords of the Permafrost”. Conte-nos como vocês sairam do período de hibernação e voltaram aà ativa? O que podemos esperar dessa nova fase da banda? Prontos para destruir?

foto divulgação

Rick Scythe – Tudo isso foi um processo longo, demorado. Joe Warlord (bcteria) e eu já começamos a discutir algo a respeito lá em 2010. À época dissemos que quando fosse a hora certa com certeza retornaríamos. Em 2013 essa volta quase aconteceu, mas Dan Tyrantor (vocais) estava muito doente e vivendo no Colorado então a idéia infelizamente não decolou. Mas em 2015 Dan já estava bem e se mudou novamente para Chicago, nós reformulamos a banda e as coisas começaram a soar bem.Entre os anos de 2015, 2016 e 2017 nós tocamos em alguns grandes festivais tais como o California Deathfest e o Maryland Deathfest. A resposta do público foi fantástica!  As pessoas pareciam entusiasmadas sabendo que estavamos de volta e nós sabíamos que estávamos prontos para lançar um novo álbum. Conseguimos um contrato com a Soulseller Records e entramos em estúdio no verão de 2018… e agora aqui estamos novamente prontos para matar pelo Metal!

“Lords of the Permafrost” está chegando. Conte-nos mais detalhes do novo álbum. Musicamente e liricamente quais são as semelhanças com os antigos álbuns da banda? Quais as diferenças?

Rick Scythe – Lords of the Permafrost contém oito músicas da sonoridade clássica do USURPER. Era muito importante para nós gravar um álbum que soasse como o USURPER clássico. Musicalmente a meus ouvidos ele soa como se pudesse ter sido lançado entre os álbuns “Skeletal Season” e “Necronemesis”. Mas ele também tem algumas reviravoltas e diferenças. Uma coisa que nós tinhamos certeza que não queríamos fazer era gravar um álbum que parecesse uma versão moderna “nova e melhorada” do antigo USURPER, Nós desejávamos o “velho, cru, frio e velha guarda USURPER”. A única diferença é que agora somos musicos um pouquinho melhores, mas não se engane com isso, ainda somos totalmente USURPER, soando como nenhuma outra banda e seguindo nenhuma moda atual.

Foto Divulgação

Liricamente, nós retomamos do exato ponto em que paramos. Repletos de contos estranhos e bizarros, baseados em monstros, contos populares, lendas antigas, folclore e uma dose letal de hinos metálicos. Nós gravamos tudo ao vivo sem click ou maquiagens de edição digital. Esse álbum é para os verdadeiros headbangers lá fora e não para posers bundões usando roupinhas de grife.

Juha Vuorma mais uma vez é responsável pela arte da capa que se encaixa como uma luva ao aspect visual da banda. É impressão minha ou essa parceria ainda vai longe?

Rick Scythe – Você está certo. Juha é um velho amigo meu. Nossa parceria começou lá em 1997 quando ele fez a capa de nosso segundo álbum “Skeletal Season”. Pelos anos que seguiram essa amizade permaneceu, se fortaleceu e continuamos trabalhando juntos. Eu também sou um artista; eu desenho, pinto e faço artes gráficas.  Eu passei pra ele um rascunho básico e algumas idéias e o deixei trabalhar em cima disso. O estilo deve se encaixa perfeitamente ao USURPER, por um lado puro Heavy Metal clássico, por outro completamente único. É pura qualidade ainda que mantenha algumas arestas. É cem por cento pintado à mão sem efeitos digitais… Da mesma forma que qualquer um poderia descrever o USURPER.

Após o lançamento do álbum “Cryptobeast” vocês chegaram a anunciar que a banda continuaria com você e Jon dividindo os vocais e inclusive anunciaram alguns títulos de músicas em que estavam trabalhando tais como “Talons of Steel, Planet of the Humans, Rebel Wolf, Zombie Revolution e Replicants of the apocalypse “.

Foto Divulgação

Bem, o que aconteceu com essa formação? As duas primeiras músicas foram gravadas pelo seu projeto SCYTHE, correto? O que aconteceu com as outras? Algo desse material foi usado em “Lords of the Permafrost”?

Rick Scythe – Sim, você está correto. Essas eram canções em que estávamos trabalhando para o próximo álbum do USURPER, mas a Earache “tirou a tomada” e a banda se dispersou, então eu usei a maior parte daquelas idéias no SCYTHE. “Talons of Steel e Planet of the Humans” foram ambas gravadas nesse projeto. “Rebel Wolf”  foi parcialmente rearranjada, as letras e titulo mudados para “Nights of Terror” e saiu no segundo álbum do SCYTHE; “Zombie Revolution” também foi rearranjada e retrabalhada se tornando “Mastermind” do primeiro álbum do SCYTHE. A única música que nunca foi gravada antes foi a “Replicants of the Apocalypse”. Na verdade a  parte lenta da “SkullSplitter”  do nosso novo álbum contém o riff principal do refrão da “Replicants of the Apocalypse”.  Então os fanáticos de plantão deveriam procurar pelos dois álbuns do SCYTHE se quiserem ouvir material que deveria ter sido lançado pelo USURPER..

Uma das coisas mais interessantes do USURPER em minha opinião são as letras, especialmente aquelas que lidam com criaturas criptozoológicas . De onde você tira tanta inspiração para escrever sobre os tópicos retratados?

Rick Scythe – Sim, essas criaturas são fascinantes de mais para mim e eu acredito que na maior parte das vezes são entidades reais. Eu costumava ler um monte de livros bem obscuros e alguns atlas que documentam todas esses bizarros seres. Agora com a internet ficou muito mais fácil descobrir essas entidades.Híbridos, gigantes, criaturas misteriosas dos mares, civilizações perdidas e coisas dessa natureza. Há muita evidência documentada, porém os poderosos que estão sobre tudo acobertam a verdade e trabalham duro para isso. Essa é a verdadeira face do mal nesse planeta. O mundo em que acreditamos viver é na verdade uma grande ilusão.

Foto Divulgação

Scott Maelstrom se juntou à banda como novo baixista. Fale-nos mais sobre ele e qual foi sua contribuição no processo de composição do novo álbum?

Rick Scythe – Scott estava em um projeto paralelo de Joe chamado TSUNAMI PROJECT. Esse projeto não era metal na verdade, mas mais voltado a fazer um Rock Progressivo. Só que Scott era um grande fã do USURPER desde o meio dos anos 90. Ele tinha todos os álbuns da banda e esteve presente em cada apresentação da banda na cidade de Chicago, então quando Jon Necromancer desistiu pela segunda vez, Joe sugeriu que Scott poderia tentar. Uma noite ele veio a um ensaio e já sabia como tocar algumas músicas nossas. Ele é super fácil de se lidar e ainda por cima um excelente baixista. Sobre compor, como sempre eu componho a grande massa das músicas. Mas Scott contribuiu na música “Black Tide Rising” e também em um riff na música “Warlock Moon”.

Além de tocar no USURPER, Joe Warlord também toca com alguns ex integrantes da banda no BONES e você Rick também tem o SCYTHE e o NIGHTSHADE. Como esses projetos paralelos estão hoje em dia? A prioridade é o USURPER?

Capa do novo álbum “Lords of the Permafrost”

Rick Scythe – Sinceramente eu não faço a minima idéia do que qualquer um dos outros membros e ex membros estão fazendo. NIGHTSHADE foi um projeto experimental de Rock Horror em que eu estava mas ele se dissolveu para sempre em 2009. Eu lancei dois álbuns solo com o SCYTHE entre 2010 e 2015. Eu já tenho mais um EP pronto pra lançar em algum momento, mas eu coloquei o SCYTHE em banho-maria por hora. Eventualmente eu lançarei mais material com esse projeto quando o USURPER der uma pausa, mas por agora ele está parado. Não se engane por esses projetos, USURPER é a banda principal pra todos os membros envolvidos. Todo o resto são apenas sombras em comparação.

Chicago sempre teve uma grande tradição dentro do Metal desde os anos 70 com o TROUBLE e o ZOETROPE passando por uma verdadeira míriade de bandas como CIANIDE, THE DEAD YOUTH, MACABRE, SCEPTER,etc. Como anda a cena por aí atualmente? Bandas, shows, headbangers?

Rick Scythe – Sim, muitas grandes bandas, como você bem lembrou desde o fim dos anos 70. Eu gosto muito de todas elas, porém hoje em dia eu sou muito recluso e raramente vou a algum show. Tenho plena certeza de que há ótimas novas bandas no horizonte, mas estou apenas focado no que se refere ao USURPER atualmente.

Vocês todos aparentam ser headbangers da escola antiga tanto no som quanto no visual. Em sua opinião qual a importância desse aspecto visual dentro do metal? O que quero dizer é que couro e pregos estão se tornando cada vez mais raros… O que você procura quando quer ouvir algo novo? Algo lhe chamou a atenção nos últimos tempos?

Foto Divulgação

Rick Scythe – Eu amo todo o visual e cheiro que exala do couro. Eu sempre estou usando algo em couro no meu dia a dia. Esse visual da escola antiga em couro e spikes para mim é tão Heavy Metal clássico. Eu não dou a mínima se tudo isso saiu de moda, nós nunca mudaremos nossa imagem . A verdade é que eu não costumo ouvir nada novo. Eu não compro um álbum novo desde os anos 2000. De qualquer forma eu sempre ganho alguns CDs de tempos em tempos. Há uma ótima banda espanhola chamada TOTENGOTT, que eu realmente adorei.  CULT OF FROST que irá estar abrindo pra gente aqui nos Estados Unidos também é excelente. Eles fazem coveres do Celtic Frost mas também possuem um ótimo material autoral.

Clichê mas realmente sou curioso nessa rsrs. Melhores álbuns em sua opinião, o primeiro e último que adquiriu…

Rick Scythe – Oh merda rsrs… Eu tenho um gosto meio esquisito pra música. Primeiro álbum que eu peguei foi provavelmente o Van Halen 1. Acho que o ultimo álbum que comprei foi o “House of God” do KING DIAMOND (nós estamos na lista de agradecimentos). Alguns dos meus álbuns preferidos de todos os tempos (sem ordem especifica) são: SLAYER (os três primeiros), MERCYFUL FATE “Don’t Break the Oath”, TED NUGENT “Free For All”, SODOM “Persecution Mania”, CELTIC FROST “Morbid Tales”. VAN HALEN “Women and Children First”, MANOWAR “Louder Than Hell”, KREATOR “Pleasure to Kill”,… e com certeza um monte mais que devo estar esquecendo.

No próximo mês vocês estarão tocando no Cobra Lounge em Chicago, Como está a agenda de shows nos próximos meses? Planos de tocar fora dos Estados Unidos? Alguma possibilidade do Brasil entrar no radar?

Foto Divulgação

Rick Scythe – Nós realmente queremos ser bem seletivos nesse ponto, pelo menos agora no começo. Queremos fazer alguns shows como banda principal, assim poderemos tocar um set maior e com isso incluir de oito a dez clássicos do USURPER e mais umas quatro ou cinco músicas novas. Por enquanto temos shows marcados em Chicago, Milwaukee e Nova York. No próximo ano já temos marcado festivais em Atlanta e na Finlândia. Nesse meio tempo tocaremos em vários outros shows. Sobre o Brasil, acredite que está no topo de nossa lista! Por algum motivo as coisas sempre dão errado com a América do Sul pra nós. O Brasil é um lugar que tocaríamos até de graça!! Para nós aí deve ter os metalheads mais fodões, casca grossa e fanáticos do mundo.

Algo mais a acrescentar? Ultimas palavras ? Seu espaço…

Rick Scythe – Muito obrigado pela entrevista e pelos anos de apoio irmão! Chequem nossa página no facebook para mais detalhes!

www.facebook.com/usurper.chicago

 

 

 

 

 

Mostrar mais

Juliano Bonacini

Tecladista e letrista da LoneHunter (Death Metal), historiador e editor do Crypt of Eternity - fanzine da década de 90.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar