Entrevistas

VARATHRON – O Grande Representante do Black Metal Helênico!

"Adoramos as forças das trevas."

ENGLISH VERSION BELOW

O VARATHRON é uma das bandas pioneiras de Black Metal da cena grega, ao lado de ROTTING CHRIST e NECROMANTIA. Completando 30 anos de existência, VARATHRON continua firme na guerra, divulgando seu último álbum “Patriarchs of Evil”, bem como, o álbum ao vivo gravado em São Paulo. Para falar mais sobre essa incrível banda, conversamos com o baixista Stratos Kountouras!!!

Saudações nobre amigo. Obrigado por atender nosso chamado. Em comemoração aos 30 anos de existência, VARATHRON lançou o álbum “Patriarchs of Evil”, com letras fortes e composições que resgataram a velha escola do metal grego. Fale sobre o processo de gravação e produção deste trabalho.

Stratos, Foto por: Jarle H. Moe

STRATOS – Olá José, obrigado pelo contato! Bem, “Patriarchs ..” tem uma forte referência aos primeiros álbuns do VARATHRON enquanto, ao mesmo tempo, conecta o passado ao presente. Sempre trabalhamos juntos na hora de compor novas faixas. Desta vez, Achilleas C. teve uma visão clara de como o álbum deveria soar, então ele nos pediu para confiar nele. Claro que contribuímos com algumas idéias ou partes de baixo como ‘Luciferian Mystical Awakening’. Não tínhamos dúvidas de que ele faria um excelente trabalho. Não apenas criando sólidos arranjos, mas capturando o espírito nostálgico do passado glorioso e introduzindo um nova abordagem ao nosso som. Todas as gravações, mixagem e masterização foram feitas por Achilleas C. no Suncord Audiolab (www.suncordaudiolab.com) em Ioannina, Grécia, exceto bateria e baixo, que foram gravados em estúdios separados. Quanto às letras, elas foram escritas – de acordo com a tradição, pelo mestre das artes das trevas, Stefan Necroabyssious. Este álbum também é um marco de aniversário pelos nossos 30 anos de existência e, ao dizer isso, queríamos trazer elementos avançados ao longo de toda a existência do VARATHRON, mantendo-se fiel às nossas raízes. Pelo que me lembro, éramos todos muito apaixonados e focados naquela época e havia “um sentimento ”desde o início; sabíamos que estávamos indo na direção certa e ainda hoje não tenho dúvidas sobre isso. Na minha opinião, foi isso que “resgatou” – como você disse, o Som de black metal helênico. Então aí está a história de como “Patriarchs Of Evil” ganhou vida.

Toda a cena grega é mágica, cheia de grandes bandas antigas como ROTTING CHRIST, THOU ART LORD, NECROMANTIA, NIGHTFALLl e outros … e novas bandas como YOTH IRIA (novo projeto de Jim Mutilator). O que você acha que diferencia a cena grega do resto do mundo?

Stratos, Foto por: Rockmetal.pl

STRATOS – Obrigado por suas amáveis ​​palavras e seu apoio ao nosso cenário. A Grécia é um país que tem um  grande história e muitas tradições. A música é com certeza uma delas. Em profundidade, quando você está procurando por música extrema e especialmente Black Metal, Grécia e Noruega foram os primeiros países a se envolverem, entre alguns outros. Mesmo com vocais ásperos presentes, há não há tantas semelhanças com o Black Metal norueguês. Os gregos nunca foram grandes fãs de velocidades extremamente altas ou explosões rápidas. Apesar disso, de um modo geral, sempre gostamos metal pesado tradicional. Meios-tempos, melodias de hino, riffs pesados ​​de guitarra e baixo sendo colocado alto na mixagem. Naturalmente, também fomos influenciados por nosso folclore e suas melodias; estes são alguns componentes que definem o som do Black Metal grego e aí está sua singularidade se você quiser. A maioria nos inspiramos em bandas como HELLHAMMER, BATHORY, MERCYFUL FATE e CELTIC FROST, e que junto com todos os elementos que mencionei acima, chegou ao que hoje chamamos de “Black Metal Helênico ou Grego”. Afinal, acho que é era mais sobre paixão para criar algo distinto e extremo; um ato de revolução.

VARATHRON é um dos pioneiros do Black Metal grego. Conte-nos sobre suas experiências como um músico ao lado desta banda incrível.

STRATOS – Eu sabia tudo sobre VARATHRON desde o ensino médio, mas a primeira vez que realmente prestei atenção a música deles estava em uma compilação do Metal Hammer em 1996, se bem me lembro. Hoje eu sou um membro muito orgulhoso da horda e me sinto muito apaixonado pelo que fazemos. Nós somos uma banda trabalhadora e motivada e estou muito feliz em ver os resultados de nossos esforços, especialmente em “Patriarchs”, bem como no álbum ao vivo. Claro que no começo não era fácil. Como Stefan mencionou antes, a banda lutou várias vezes, nunca teve um line-up, sem shows regulares, mas agora isso é história. Entrei na banda em 2011, e desde então eu posso admitir que foi um inferno de viagem, e ainda é, claro. Como músico, sempre foi desafiador para jogar coisas que se adequam ao estilo do VARATHRON. O baixo no Black Metal grego tem que ser ritmicamente sólido, com ênfase no trabalho de guitarra e melodias principais. No começo eu era tentando imitar, mas depois tornou-se parte de mim; agora vem naturalmente. A cena grega sempre teve uma admiração especial pelo baixo. Não vamos esquecer do NECROMANTIA, ou como o baixo essencial estava em “Walpurgisnacht”.

Varathron, Foto por: Divulgação

E qual a sua história  antes do VARATHRON ? Você também tem outros projetos? (*)

STRATOS – Sim. Eu experimento outras formas de música também, algumas orientadas para o Metal e outras não. Atualmente estou trabalhando em um novo projeto chamado LOCRIAN STIGMA que será lançado no final de 2021 – início de 2022. No momento, estamos finalizando todas as faixas para a pré-produção e até agora, parece incrível. Este não é um projeto de Black Metal, mas ainda pertence ao gênero extremo, pois envolve muitos elementos de Death Metal, blasts e melodias dark combinados todos juntos, mas com uma abordagem mais épica. Fique atento quando estiver disponível. Além disso, eu tenho o ONE OF DISCORD, uma banda de metal mais mainstream que está atualmente parada e um projeto solo chamado CYGNUS, que é onde eu experimento paisagens sonoras eletroacústicas e ruído. Desde que entrei para o VARATHRON, a maior parte do meu tempo vai para essa fera lendária, já que também cuido da maior parte do design gráfico e visual junto com outros trabalhos promocionais.

Varathron – Patriarchs of Evil (Full-length 2018)

VARATHRON, ao lado de ROTTING CHRIST e NECROMANTIA formam a “Trindade” do Metal Negro. O que isso significa para você ao lado de grandes ícones do metal grego como Jim Mutilator e Magus Wampyr Daoloth?

STRATOS – É muito gratificante. Sinto-me orgulhoso e honrado por fazer parte de uma banda tão lendária e estou trabalhando duro para continuar o grande caminho que eles criaram.

Você tomou o lugar de Jim Mutilator no baixo do VARATHRON. Como foi para você substituir este grande ícone do metal grego?

STRATOS – Inegavelmente, não é fácil quando se trata de substituir membros. Eu não estava pensando sobre isso para ser honesto. Jim parou de tocar no VARATHRON depois de “His Majesty At The Swamp”em 1993, então este é um longo período de tempo considerando que entrei em 2011. Em um programa recente, fui informado 10 minutos antes indo no tempo do palco, que Jim estava por perto. Isso parecia meio estranho para ser honesto. Depois do show nos encontramos pela primeira vez e desde então mantemos contato. Sua contribuição para ROTTING CHRIST e VARATHRON era notável naquela época.

E sobre  Makis “Baron Blood” (NECROMANTIA), você sentiu sua morte? Quais memórias que você tem dele?

STRATOS – Infelizmente, eu nunca o conheci. No entanto, foi muito triste ouvir tudo sobre isso. Stefan estava nos contando histórias de como ele era uma pessoa incrível. RIP Baron Blood, sem mais palavras para dizer.

Stratos, Foto por: Łukasz Marciniak

O que o satanismo e o ocultismo representam para você, ideologicamente falando?

STRATOS – Adoramos as forças das trevas. Satanismo pode ser encontrado em qualquer forma espiritual e literal.

Qual sua opinião sobre bandas como: MGLA, UADA e BATUSHKA? Você gosta do estilo de som que eles fazem?

STRATOS – Claro, algumas de suas coisas são realmente boas.

 Vocês querem  voltar a tocar no Brasil?

STRATOS – O Brasil é nossa segunda casa. Temos muitos bons amigos aí e como países temos situações comuns compartilhadas no passado. Sempre gostamos de nos apresentar no Brasil. Nosso tour manager nas Américas, o Robson Arulac também é brasileiro.

Realmente, e o público brasileiro tem um grande respeito e adoração ao VARATHRON. É uma honra para nós que o álbum ao vivo  tenha sido gravado aqui. Vocês  gostaram do resultado final?  Como surgiu essa idéia de gravar e lançar esse ao vivo? (*)

Varathron – Glorification Under the Latin Moon (2020 Live In São Paulo)

STRATOS – É uma honra para nós também. Bem, tudo aconteceu do nada. Estávamos em turnê discutindo isso como um plano futuro plausível e uma semana depois tínhamos tudo organizado e pronto para fazer acontecer (tudo isso com a grande ajuda de Robson, é claro). Então realmente não houve tempo para pensarmos sobre isso. Naquela noite, havia algo mais no ar e foi isso; a paixão e a magia que advém de deixar tudo estar, sem estar perfeitamente montado, preparado e esterilizado. Achilleas fez um excelente trabalho de mixagem e junto com o ótimo trabalho de Juanjo Castellano nesta gloriosa arte da capa completa e acho que não poderíamos estar mais satisfeitos com o resultado final. “Glorification ..” para nós é algo mais do que um show gravado ao vivo. Cada segundo ao longo deste álbum é uma memória diferente, bem como toda a turnê do 30º aniversário foi.

 Falando em Brasil/Grécia, como é o público grego? Hás alguma semelhança com o público brasileiro? (*)

STRATOS – Em algum aspecto, sim. Gregos e brasileiros têm mentalidade semelhante quando o assunto é Metal. Os shows ao vivo na Grécia – e geralmente na Europa, aumentaram muito, o que é bom e ruim. Claro, é útil quando agora é possível ver várias bandas todos os meses, mas acho que isso pode ter feito com que o público ficasse menos entusiasmado do que antigamente. No Brasil e em toda a América Latina, isso ainda não atingiu seu pico, então as pessoas ainda são apaixonadas e entusiasmadas ao extremo – ouso dizer até totalmente maluco ocasionalmente.

Aqui no Brasil, há uns 02 anos, os headbangers foram “divididos” entre apoiadores do Governo de Direita e os opositores de Esquerda.  E isso causou uma grande ruptura no cenário nacional. Na Grécia, existe alguma relação entre o Metal Negro e política?  Como lidam com isso? (*)

STRATOS – Não apoiamos ou envolvemos qualquer política em nossa música, e nunca faremos. Eu sei que há algo semelhante na Grécia também, mas como apenas nos concentramos no que fazemos de melhor, isso é algo com que realmente não nos importamos. Boa música sempre será boa música – simples assim.

Varathron, Foto por: Divulgação

Quais bandas radicais brasileiras você conhece e aprecia?

STRATOS – HOLOCAUSTO, SARCÓFAGO, VULCANO, MUTILATOR, também nossos bons amigos do MORCROF e MYSTIFIER.Longe do ocultismo, não esqueçamos de falar de bandas como KRISIUN  ou o lendário SEPULTURA.

 O que podemos esperar de novidades para 2021, já esperando que tudo volte ao normal após essa pandemia? (*)

STRATOS – Sim, você receberá grandes notícias da horda profana. Estamos mais fortes e apaixonados do que nunca, isso é o máximo e o mínimo que posso compartilhar. Quando se trata dessa pandemia, tudo o que posso dizer é que eventualmente ela acabará, e todos nós recuperaremos nossa liberdade e esperançosamente nos encontraremos novamente, meu amigo. Claro, nada será o mesmo, pelo menos por algum tempo. Todos nós precisamos pensar o mais positivamente que pudermos nestes tempos estranhos. A natureza humana é assim; caímos apenas para nos tornarmos capazes de ficar de pé mais fortes e, com sorte, mais sábios. Até então, fique seguro e forte!

Muito obrigado por dedicar seu tempo para responder à nossa entrevista. Deixe suas considerações finais.

STRATOS – Obrigado pelo apoio irmão. Forever Immortal!

VARATHRON is (actual line up):

Stefan Necroabyssious – Vocals

Achilleas C – Guitars

Sotiris – Guitars

Haris – Drums

Stratos – Bass

CONTACTS:

Official Site: varathron.com

Official Webstore: shop.varathron.com

Facebook: www.facebook.com/VarathronOfficial

Instagram: www.instagram.com/varathron_official

YouTube: www.youtube.com/user/VarathronTV

API key not valid. Please pass a valid API key. API key not valid. Please pass a valid API key. API key not valid. Please pass a valid API key.

            VARATHRON is one of the pioneering black metal bands of the Greek scene, alongside Rotting Christ and Necromantia. Completing 30 years of existence, VARATHRON remains firm in the war, divulging the albums “Patriarchs of Evil” and “Glorification Under the Latin Moon”. To talk more about this amazing band, with you … Stratos !!!

Greetings noble friend. Thank you for answering our call. In celebration of 30 years of existence, Varathron released the album “Patriarchs of Evil,” featuring strong lyrics and compositions that rescued the Greek metal old school. Talk about the process of recording and producing of “Patriarchs of Evil.”

Stratos, Photo by: Jarle H. Moe

STRATOS: Hello Jose, and thank you for having me! Well,“Patriarchs..” has a strong reference to early Varathron albums while at the same time it connects the past to the present. We have always worked together when it was time to compose new tracks. This time Achilleas C. had a clear vision of how the album should sound, so he asked us to trust him. Of course, we did contribute with some ideas or bass parts like “Luciferian Mystical Awakening”. We had no doubt that he would do an excellent job. Not only by creating solid arrangements, but by capturing the nostalgic spirit of the glorious past and introducing a fresh approach to our sound. All recordings, mixing and mastering was done by Achilleas C. in Suncord Audiolab (www.suncordaudiolab.com) in Ioannina, Greece, except drums and bass, which were recorded in separate studios. As for the lyrics, they were  written – as per tradition, by the master of the dark arts, Stefan Necroabyssious. This album is also an anniversary milestone for our 30 years of presence and by saying so, we wanted to bring forward elements throughout Varathron’s entire existence while staying true to our roots.  As I can remember, we were all really passionate and focused at that time and there was “a feeling” since the start; we knew we were heading towards the right direction and still up to this day I have no doubts about this. In my opinion, this is what “rescued”- as you said, the Hellenic black metal sound. So there you have the story of how “Patriarchs of Evil” came to life.

The whole Greek scene is magical, full of greats old bands like Rotting Christ, Thou Art Lord, Necromantia, Nightfall and others… and new bands like Yoth Iria (Jim Mutilator’s new musical project). What do you think sets the Greek scene apart from the rest of the world?

Stratos, Photo by: Rockmetal.pl

STRATOS: you for your kind words and your support to our scene. Greece is a country that has a great history and lots of traditions. Music is for sure one of them. In depth, when you are looking into extreme music and especially black metal, Greece and Norway were the first countries to get involved amongst few others. Even though harsh vocals are present, there are not that many similarities with Norwegian black metal. Greeks were never big fans of extremely high speeds or fast blasts. Despite that, generally speaking we always liked traditional heavy metal. Mid-tempos, anthemic melodies, heavy guitar riffing and bass being placed loud in the mix. Naturally, we have also been influenced by our melodic folklore origins; these are a few defining components of Greek black metal sound and right there lies its uniqueness If you will. We were mostly inspired from bands like Hellhammer, Bathory, Mercyful Fate and Celtic Frost, and that together with all the elements I mentioned above, it came down to what we nowadays call “Hellenic or Greek Black Metal”. After all, I think it is was more all about passion in order to create something distinctive and extreme; an act of revolution.

Varathron is one of the pioneers of Greek black metal. Tell us about your experiences as a musician alongside this amazing band.

STRATOS:I knew all about Varathron since middle school but the first time I really paid attention to their music was in a Metal Hammer compilation in 1996 if I can remember correctly. Today I am a very proud member of the horde and I feel very passionate about what we do. We are a hardworking, driven band and I am very happy to see the results of our efforts especially on “Patriarchs..” , as well as the upcoming live album. Of course, in the beginning it wasn’t easy. As Stefan has mentioned before, the band struggled multiple times, never had a steady line-up, no regular shows, but now this is history. I joined the band in 2011, and since then I can admit that it was one hell of ride, and still is of course. As a musician, it was always challenging to play stuff that suits Varathron’s style. Bass in Greek black metal has to be rhythmically solid with given emphasis on guitar work and lead melodies. In the start I was trying to mimic but later on it became part of me; now it comes naturally. The Greek scene has always had a special admiration for bass. Let’s not forget about Necromantia, or how essential bass was in “Walpurgisnacht”.

Varathron, Photo by: Promotion

And what is your history in Metal before VARATHRON? Do you also have other projects? (*)

STRATOS: Yes. I do experiment in other forms of music too, some metal oriented and some not. Currently I am working on a new project called LOCRIAN STIGMA which is going to be released at the end of 2021 – beginning of 2022. At this moment, we are finalizing all tracks for the pre-production and so far, it sounds amazing. This is not a black metal project but still it belongs to the extreme genre as it involves lots of death metal elements, blasts and dark melodies combined all together but with a more epic approach. Watch out when it becomes available. Apart from that I do have ONE OF DISCORD a more mainstream metal band which is currently on hold and a solo project called CYGNUS which is where I experiment with electroacoustic soundscapes and noise. Since I joined VARATHRON most of my time goes towards this legendary beast as I also handle most of the graphic design and visuals too along with other promotional work.

Varathron – Patriarchs of Evil (Full-length 2018)

Varathron, next to Rotting Christ and Necromantia form the “Trinity” of Greek black metal. What does it mean for you next to great Greek metal icons like Jim Mutilator and Magus Wampyr Daoloth?

STRATOS:It is very rewarding. I feel proud and honored to be part of such a legendary band and I am working hard to continue the great path they have created.

You took the place of Jim Mutilator on Varathron’s bass guitar. How was it for you to replace this big Greek metal icon?

STRATOS:Undeniably it’s not easy when it comes to replacing members. I wasn’t thinking about it to be honest. Jim stopped from Varathron after “His Majesty..” in 1993, so this is a long period of time considering that I joined in 2011. On recent show I was informed 10 minutes before going on stage time, that Jim was around. That felt kinda strange to be honest. After the show we met for the first time and since then we have kept in contact. His contribution both to Rotting Christ and Varathron was remarkable back then.

What about Makis “Baron Blood” (NECROMANTIA), did you feel his death? What memories do you have of him?

STRATOS: Unfortunately, I had never met him. Nonetheless it was very sad to hear all about it. Stefan was telling us stories of how great of a person he was. RIP Baron Blood, no more words to say.

Stratos, Photo by: Łukasz Marciniak

What does Satanism and the occult represent for you, ideologically speaking?

STRATOS: We do worship the dark forces. Satanism can be found in any form of spiritual and literal form.

What your opinion about bands like: Mgla, Uada and Bathowka? Do you like the style of sound they make?

STRATOS: Sure, some of their stuff is really good.

Do you want to come live again in Brazil?

STRATOS: Brazil is our second home. We have many good friends there and as countries we have shared common situations in the past. We always love to perform in Brazil. Our American territory tour manager Robson Arulac is also Brazilian.

Really, and the Brazilian public has great respect and adoration for VARATHRON. It is an honor for us that the live album was recorded here. Did you like the final result? How did this idea to record and release this live? (*)

Varathron – Glorification Under the Latin Moon (2020 Live In São Paulo)

STRATOS: It is an honor for us too. Well, all happened out of the blue. We were on tour discussing it as a plausible future plan and a week later we had it organized and ready to make it happen (all this with the great help of Robson of course). So really there was no time for us to think about it. That night it was something else in the air and that was that; the passion and the magic that derives from letting it all be, without being perfectly setup, prepared and sterilized. Achilleas did an excellent job mixing it and together with the great work of Juanjo Castellano in this glorious full cover artwork and I think we couldn’t have been more satisfied with the final result. “Glorification..” to us is something more than a recorded live show. Every second throughout this album is a different memory, much like the whole 30th anniversary tour was

Speaking of Brazil / Greece, what is the Greek public like? Are there any similarities with the Brazilian public? (*)

STRATOS: In some aspect yes. Greeks and Brazilians have similar mentality when it comes to metal music. Live shows in Greece – and generally in Europe, have increased a lot, which is both good and bad. Of course, it comes in handy when is now possible to see various bands every single month, but I think that might have caused the crowd to be less enthusiastic than the old days. In Brazil and all-over Latin America, this hasn’t reached its peak yet, so people are still passionate and enthusiastic to the extreme – dare I say even totally crazy occasionally.

Here in Brazil, about 2 years ago, the headbangers were “divided” between supporters of the Right Government and opponents of the Left. And that caused a big break on the national scene. In Greece, is there any relationship between Black Metal and politics? How do you deal with it? (*)

STRATOS: We do not stand by or involve any politics to our music, and we will never do. I know there is a similar thing in Greece too, but since we only stay focused on what we do best, this is something we really don’t care about. Good music will always be good music – simple as that.

Varathron, Photo by: Promotion

What brazilian extreme bands do you know and appreciate?

STRATOS: Holocausto, Sarcófago, Volcano, Mutilator, also our good friends Morcrof and Mystifier. Away from occult let’s not forget to mention bands like Krisiun or the legendary Sepultura.

What can we expect from news for 2021, already hoping that everything will return to normal after this pandemic? (*)

STRATOS: Yes, you will receive big news from the unholy horde. We are stronger and more passionate than ever, that’s the most and least I can share. When it comes to this pandemic all I can say is that eventually it will end, and we will all regain our freedom and hopefully we will meet again my friend. Of course, nothing will be the same at least for some period of time. We all need to think as positively as we can in these strange times. Human nature is like that; we fall only to become able to stand back on our feet stronger and hopefully wiser. Till then stay safe and strong!

Thank you so much for taking the time to answer our interviews. Once again, words are your final considerations.

STRATOS: Thanks for the support brother. Forever Immortal!

VARATHRON is (actual line up):

Stefan Necroabyssious – Vocals

Achilleas C – Guitars

Sotiris – Guitars

Haris – Drums

Stratos – Bass

CONTACTS:

Official Site: varathron.com

Official Webstore: shop.varathron.com

Facebook: www.facebook.com/VarathronOfficial

Instagram: www.instagram.com/varathron_official

YouTube: www.youtube.com/user/VarathronTV

OBS: Esta entrevista foi gentilmente cedida pelo amigo José Arimatéia do NOCTUM ZINE.  Todas as perguntas por José Arimatéia, exceto (*) por Giovan Dias.

Mostrar mais

Giovan Dias

Editor do The Glory Of Pagan Fire Zine, trabalho iniciado ainda na década de 90, voltado ao Black, Death, Doom Metal.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar