Entrevistas

VERTHEBRAL – Metal Extremo paraguaio dominando o mundo!

HAIL! Hoje conversamos um pouco com um dos principais expoentes do Metal extremo paraguaio: o VERTHEBRAL!

Daniel Larroza, Foto Por: Framsux José Kernell

Primeiramente gostaria de agradecer o tempo cedido para esta entrevista, vamos lá, para começar gostaria que falassem um pouco da história da banda, como se iniciou? E fale um pouquinho sobre as formações da banda.

VERTHEBRAL – Olá amigos da Lucifer Rising, eu sou Daniel, guitarrista da banda Verthebral, nós e que estamos honrados por este espaço nesta brutal revista do underground brasileiro, iniciamos as atividades em meados de 2013, a banda surgiu a partir de uma vontade que eu tinha de formar uma banda de death metal com sonoridade mais tradicional e que resgatasse aquela essência clássica dos anos 90, aquela fase áurea do Death Metal, completavam aquela formação o Alberto na outra guitarra, Christian no baixo/vocal e o Gabriel na bateria, com essa formação gravamos o EP “Adultery Of Soul” e o álbum “Regeneration”, no transcurso desses anos a banda sofreu uma mudança na formação, o baterista Gabriel saiu e para o lugar dele veio o Denis, com esta formação estamos atualmente gravando o que vira a ser o segundo álbum ainda sem data prevista para lançamento mas que em breve iremos anunciando os detalhes desse novo trabalho.

Tenho visto que “Regeneration” tem ganhado um grande destaque na imprensa, principalmente no Brasil, como vocês veem essa boa recepção do público brasileiro?

Alberto Flores, Foto Por: Framsux José Kernell

VERTHEBRAL – Estamos muito felizes por essa excelente resposta que recebemos no Brasil, sabemos que vocês tem uma maravilhosa historia dentro do cenário extremo mundial, com o surgimento de bandas icônicas e adoradas por muitos fãs ao redor do mundo, então pra nós como apreciadores da música extrema e muito gratificante ter o nosso trabalho reconhecido e apreciado dentro do seu pais, agradecemos o apoio dos amigos ai no Brasil, acreditamos que tudo e fruto do trabalho sério e honesto, a boa recepção do público e da imprensa em geral só nos fortalece e nos incentivam mais ainda para seguir compondo novas músicas e no futuro poder oferecer novamente outro trabalho brutal e assim conquistar novos seguidores desse estilo que tanto nos apaixona.

Fale um pouco mais sobre este atual trabalho, como funcionou a parte de composição, gravação e produção do mesmo?

VERTHEBRAL – Bom nós compusemos todas as músicas num lapso de tempo de 9 meses aproximadamente, quando chegou o momento de entrar no estudio para gravar, as músicas saíram naturalmente, todas já estavam prontas não perdemos muito tempo para gravá-las, nós gostamos de nos envolver na parte de produção pois sabemos muito bem o tipo de som que queremos, timbres de guitarra, pedais, afinação, efeitos, todos damos nossas sugestões na hora de mixar e sempre procuramos tirar o melhor resultado dentro de todo esse processo.

Christian Rojas, Foto Por: Divulgação

Vi que “Regeneration” ganhou uma forte distribuição pelo mundo inteiro. Como a banda entende este interesse das gravadoras mundiais e ainda há muitas cópias disponíveis?

VERTHEBRAL – A distribuição do “Regeneration” não podia ser melhor, não temos nada a reclamar, ela saiu inicialmente na Europa através dos selos Russos Satanath Records e More Hate Productions , conjuntamente com o selo alemão Final Gate Records, eles cuidaram de toda a distribuição na Europa, ainda e possível encontrar algumas copias disponíveis com esses selos, as copias que vieram pra nós aqui no Paraguay estão esgotadas, já foram todas vendidas, por tanto não temos mais, o CD também foi distribuído nos Estados Unidos, Canadá, Japão, todos eles através de selos que trabalham com a Satanath Records, ainda conseguimos o lançamento da versão sul-americana do CD que saiu através de um lançamento conjunto com os selos Tales From The Pit Records, Eclipsys Lunarys, Extreme Sound, Totem, Nomade e Thrash or Death, essa versão saiu com o EP “Adultery of Soul” como bônus, também saíram duas edições em K7, uma pelo selo grego Spawn Of Flesh e outra pelo selo da Malasya Qalaqas Black Art, ainda estão por sair o CD da versão mexicana através do selo Ablaze Productions e mais dois edições em K7, uma por um selo da China e outra por dois selos da Noruega.

Vimos que o VERTHEBRAL possui uma sonoridade muito técnica mesclando com brutalidade. Quais são as principais influências da banda como um todo?

VERTHEBRAL – Procuramos manter sempre essa sonoridade clássica do death metal mais tradicional inserindo partes mais trabalhadas e técnicas nas nossas músicas, não pretendemos soar como uma banda progressiva ou technical, daí que não exageramos na parte técnica, só colocamos o necesario, o que a música pede, temos um cuidado especial na parte de criação de arranjos bem estruturados pra criar climas marcantes em cada música, o nosso estilo de tocar está fortemente influenciado por bandas da década de 90, principalmente as bandas americanas como: Deicide, Malevolent Creation, Brutality, Morbid Angel, Monstrosity, também gostamos muito das bandas europeias como Asphyx, Grave, Pestilence, Sinister, Gorefest, Dismember, Entombed, Morgoth.

Denis Viveros, Foto Por: Framsux José Kernell

Como funciona a parte composicional da banda? Há uma participação de todos?

VERTHEBRAL – É bem simples, nós sempre começamos com o riff de guitarra, normalmente quando eu ou o Alberto criamos um riff, apresentamos para a banda nos ensaios e já temos uma noção de como queremos construir a estrutura musical, dai vão surgindo ideias e vamos trabalhando os arranjos e variações de ritmo e tempo, o batera Denis adiciona suas ideias e por último temos as linhas vocais, depois adicionamos os solos de guitarra e outros pequenos arranjos só para finalizar a música. Quando toda a estrutura está completa nos ensaiamos muito até a música sair sem erros. Todos na banda tem espaço para criar ou dar sugestão quando estamos em fase de composição, porem sempre dentro dos parâmetros que o death metal permite.

Fale um pouco da cena Paraguaia. Na visão de vocês, há bastante união ou acreditam que há muita coisa para melhorar?

VERTHEBRAL – A cena paraguaia está crescendo e tem bandas de todos os estilos como Death, Thrash, Black, Heavy e Doom Metal. Nos últimos anos as bandas estão investindo em boas produções e estão conseguindo lançar ótimos trabalhos por selos sul-americanos e europeus, hoje em dia la fora há mais interesse por bandas do Paraguai, temos bons amigos e respeitamos todas as bandas com as quais compartimos um show, com respeito a união eu acho que cada um luta pelo seu espaço, então aquele ideal de camaradagem e união na cena e um tanto romântica, todo mundo corre atrás dos seus sonhos, por isso nós trabalhamos pesado e não esperamos ajuda de ninguém pois os resultados aparecem de forma natural e isso sim e como um sentimento de vitória, de alcançar uma meta traçada.

Ainda sobre a pergunta anterior, quais são os principais nomes do Metal paraguaio nos dias de hoje?

2015 – Adultery of Soul “EP”

VERTHEBRAL – Hoje em dia muita gente está descobrindo novas bandas, o que dá a chance para o pessoal mais novo ter contato com materiais de bandas mais antigas, isso e muito bom, pois algumas bandas finalmente tem o reconhecimento que merecem, tudo isso graças ao advento da internet que disponibiliza tudo pra pessoas que desejam conhecer mais, dentre os principais nomes do metal no Paraguay estão aqueles que iniciaram tudo como o Rawhide, Corrosion, Batallon, Blood Expire que desde a década de 80 espalharam o Thrash Metal por todo o pais, no campo do death metal os principais nomes que iniciaram são o Funeral, Slow Agony, Disincarnated, The Suffer, depois temos também as bandas de Black Metal que tiveram um movimento muito forte nos anos 90 e continuam fortalecendo a cena, bandas como Sabaoth, Diabolical, Wisdom.

O VERTHEBRAL pretende fazer uma turnê europeia para divulgar “Regeneretion”?

VERTHEBRAL –  Nos até já tivemos convites, mas é muito difícil mesmo, o lado financeiro é o principal problema, essa é uma realidade que lamentavelmente nos impede fazer uma tour la fora, é muito difícil largar tudo e nos aventurarmos em outro continente pra fazer shows, alguns estudam, outros trabalham e já e uma luta constante e diária poder manter estável a formação da banda, nada e impossível mas nesse momento o mais importante pra gente e continuar gravando e lançando discos, quem sabe no futuro apareçam melhores propostas e possamos fazer uma turnê pela Europa.

2017 – Regeneration “Full-lenght”

Vimos que a banda já está gravando um novo álbum, como está se dando este processo e qual sua previsão de lançamento?

VERTHEBRAL – Iniciamos as gravações do novo álbum em janeiro desse ano de 2019, estamos finalizando aos poucos, eu diria que está em um 70%, são 10 faixas brutais do mais puro Death Metal do jeito que gostamos, acreditamos que o nosso segundo disco sairá antes do fim desse ano, vamos lançá-lo na Europa e na América do Sul, as novas músicas estão ficando brutais mesmo, nós crescemos muito individualmente como músicos, hoje em dia tocamos melhor, temos mais confiança depois do excelente resultado do “Regeneration”, já temos título para o novo álbum, mais ainda não divulgamos, a arte de capa está sendo feita novamente pelo mestre Marcos Miller, maiores detalhes como título do álbum, faixas e selos responsáveis pelo lançamento iremos anunciando futuramente.

Muito obrigado pela entrevista, deixamos este espaço para as considerações finais.

VERTHEBRAL – Bom, queremos agradecer a todas as pessoas que confiaram no nosso trabalho e que possibilitaram o lançamento do nosso disco no Brasil, aos amigos que nos apoiam divulgando e espalhando nossa música por aí, e a vocês amigos da Lucifer Rising, muito obrigado pelo espaço concedido ao Verthebral através dessa ótima entrevista.

Contatos: Sangue Frio Produções
Site: https://www.sanguefrioproducoes.com/

Mostrar mais

Eden Lozano

Programador e designer gráfico para a web, com diversos trabalhos realizados com foco na informação e fortalecimento do underground.

Veja também...

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar